WhatsApp

Translate

DEUS NOS ESCOLHEU DESDE O VENTRE DA NOSSA MÃE

Escolhido de Deus

A Eleição(evklogh, – seleção, escolha, eleição cf. GD) é a doutrina bíblica que mostra o amor, a compaixão e a ação de Deus que é soberano para escolher para Si, dentre os pecadores, um povo que foi redimido pelo sangue de Seu Filho Jesus Cristo, santificado pela ação poderosa do Espírito Santo, sendo assim preparado para boas obras e para herdar a vida eterna.
Ela foi estabelecida desde a eternidade, antes mesmo de tudo ser criado, quando era somente o Deus Triúno existindo na mais plena comunhão consigo mesmo (Rm. 9.11; 11.7;Ef. 1.4, 5 e 11; 1Ts. 1.4).
Estudar essa verdade é trazer ao coração o conforto e a consolação, e, não perplexidade e confusão como propõe os oponentes dessa doutrina.
É saber, como disse Francisco Leonardo Schalkwijk:
 “...pois o Espírito Santo soprou esse segredo no ouvido da igreja não para assustá-la, mas para confortá-la.
É como um cochicho do noivo no ouvido da noiva: ‘Como te amo’.
” (SCHALKWIJK, 2002, p.62).1.1 .
– Conceitos Bíblicos e Teológicos da Eleição Este assunto está totalmente embasado nas Escrituras, tanto no Antigo como no Novo Testamento.
As seguintes referências confirmam:-
 Is. 65.9 “Farei sair de Jacó descendência e de Judá, um herdeiro que possua os meus montes; e os meus eleitos (yr;yxib.) herdarão a terra e os meus servos habitarão nela”.(BEA-RA).
 (Grifo é meu), do autor.
16- Mt. 24.24 “porque surgirão falsos cristos e falsos profetas operando grandes sinais e prodígios para enganar, se possível, os próprios eleitos (evklektou,j)”. (BEG-RA). (Grifo é meu).
 - Mc. 13.20 “Não tivesse o Senhor abreviado aqueles dias, e ninguém se salvaria; mas, por causa dos eleitos que ele escolheu (evklektou.j ou]j evxele,xato), abreviou tais dias”.(BEA-RA).
(Grifo é meu).- Rm. 8.33 “Quem intentará acusação contra os eleitos de Deus (evklektw/n qeou/)?
É Deus quem os justifica”. (BEG-RA). (Grifo é meu).-
Cl.3.12 “Revesti-vos, pois, como eleitos de Deus (evklektoi. tou/ qeou/), santos e amados, de ternos afetos de misericórdia, de bondade, de humildade, de mansidão, de longanimidade”.
 (BEG-RA,1999). (Grifo é meu).
- 1Pe. 1.1 e 2 “Pedro, apóstolo de Jesus Cristo, aos eleitos (evklektoi/j) que são forasteiros da Dispersão no Ponto, Galácia, Capadócia, Ásia e Bitínia, eleitos, segundo a presciência de Deus Pai (kata. pro,gnwsin qeou/ patro,j), em santificação do Espírito, para a obediência e a aspersão do sangue de Jesus Cristo, graça e paz vos sejam multiplicadas”.(BEG-RA). (Grifo é meu).-
 Sl. 105.6 “vós, descendentes de Abraão, seu servo, vós, filhos de Jacó, seus escolhidos(wyr'yxiB.)”. (BEA-RA). (Grifo é meu).-
Ef. 1.11 “nele, digo, no qual fomos também feitos herança, predestinados segundo o propósito daquele que faz todas as coisas conforme o conselho da sua vontade”(proorisqe,ntej kata. pro,qesin tou/ ta. pa,nta evnergou/ntoj kata. th.n boulh.n tou/ qelh,matoj auvtou/). (BEA-RA). (Grifo é meu)
.Muitos outros textos afirmam que Deus escolheu para Si aqueles que herdarão a salvação. Tal verdade é incontestável.
 Negá-la equivale a negar a Palavra de Deus.No Antigo Testamento, o conceito de Eleição estava presente, pois Deus sempre tratou pessoalmente com o Seu povo. Israel sempre entendeu que era o povo escolhido de Deus;basta uma análise cuidadosa na história do povo hebreu, e, logo se perceberá que Deus escolhera a Israel para ser o Seu povo, e, para que através deste povo, a revelação da Sua Pessoa fosse anunciada aos povos da terra.
Veja-se as seguintes passagens:- Ne. 9.7: “Tu és o Senhor, o Deus que escolheu Abrão, trouxe-o de Ur dos caldeus e deu-lhe o nome de Abraão”. - Is. 41.8: “Mas tu, ó Israel, servo meu, tu, Jacó, a quem elegi, descendente de Abraão, meu amigo” (BEA-RA).
 Pode ser vista com muita clareza nas palavras de Deus a Abraão quando por ocasião do Seu pacto com este, a verdade de que Ele escolhera um povo, e, através deste, Se revelar ao mundo: “...em ti serão benditas todas as famílias da terra” (Gn. 12. 3) (BEA-RA). Sobre o conceito de Eleição no Velho Testamento, Samuel Falcão afirma citando B.B. Warfield:
“Segundo a concepção vétero-testamentária, Deus só conhece de antemão porque predestinou, e, portanto, é também por isso que ele faz que aconteça...” (FALCÃO, 1989, p.48).
Este mesmo conceito passou para as páginas do Novo Testamento, e, agora, o povo escolhido de Deus é a Sua Igreja.
 E essa verdade tem uma importância tão grande na vida dos crentes, que os apóstolos sempre se dirigiam aos crentes daquela época, chamando-os sempre de “eleitos”. Paulo se dirigia aos irmãos chamando-os de eleitos: - Rm.8.33:
 “Quem intentará acusação contra os eleitos de Deus (evklektw/n qeou/)?
É Deus quem os justifica”. (BEG-RA) (Grifo é meu).18 - Cl. 3.12: “Revesti-vos, pois, como eleitos de Deus (evklektoi. tou/ qeou/) , santos e amados, de ternos afetos de misericórdia, de bondade, de humildade, de mansidão, de longanimidade”. (BEG-RA) (Grifo é meu).
- 2 Tm. 2.10: “É por isso que tudo suporto, por causa dos eleitos (tou.j evklektou,j) fim de que também eles obtenham a salvação que está em Cristo Jesus, com a glória eterna” (BJ) (Grifo é meu). - Tt. 1.1: “Paulo, servo de Deus, apóstolo de Jesus Cristo para levar os eleitos (evklektw/n) de Deus à fé e ao conhecimento da verdade conforme a piedade” (BJ) (Grifo é meu).
 Pedro também chamava os crentes de “eleitos”: - 1Pe. 1.1 e 2: “Pedro, apóstolo de Jesus Cristo, aos eleitos (evklektoi/j) que são forasteiros da Dispersão no Ponto, Galácia, Capadócia, Ásia e Bitínia, eleitos, segundo a presciência de Deus Pai (kata. pro,gnwsin qeou/ patro,j), em santificação do Espírito, para a obediência e a aspersão do sangue de Jesus Cristo, graça e paz vos sejam multiplicadas”. (BEG-RA) (Grifo é meu). -
1Pe. 2.9: “Vocês, porém, são geração eleita (ge,noj evklekto,n), sacerdócio real, nação santa, povo exclusivo de Deus, para anunciar as grandezas daquele que os chamou das trevas para a sua maravilhosa luz.” (NVI) (Grifo é meu).
João também reconhecia essa verdade na vida dos crentes que estavam sob seus cuidados: - 2Jo. 1: “O presbítero à senhora eleita (evklekth/| kuri,a|) e aos seus filhos, a quem amo na verdade, - e não apenas eu os amo, mas também todos os que conhecem a verdade” (NVI) (Grifo é meu). -
 2Jo. 13: “Os filhos da sua irmã eleita (evklekth/j) lhes enviam saudações” (NVI) (Grifo é meu).
19 - Ap. 17.14: “Pelejarão eles contra o Cordeiro, e o Cordeiro os vencerá, pois é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis; vencerão também os chamados, eleitos (klhtoi. kai. evklektoi.) e fiéis que se acham com ele.” (BEA-RA) (Grifo é meu).
O conceito bíblico sobre a Eleição é muito amplo. Há muitos outros textos que podem ser apresentados para tal constatação. Também é muito importante que seja observado o conceito teológico do assunto.
O que dizem os teólogos sobre o assunto?
Teologicamente falando, há uma diferença entre a Eleição e a Predestinação. Geralmente, pensa-se em ambas como sinônimas.
Mas, a Predestinação está ligada aos Eternos Decretos de Deus em todas as esferas da vida, enquanto que a Eleição diz respeito somente à Salvação dos pecadores escolhidos por Deus. R.K. Mc Gregor Wright diz (WRIGHT, 1998, p. 82):
“Cada fato, relação e evento da criação tem um lugar no plano eterno de Deus, exatamente como o lançar a sorte com a moeda como fizeram os soldados com a túnica de Jesus (Jo. 19. 23 – 24) que, por meio disso literalmente cumpriram uma minúscula profecia no Salmo 22.18, uma profecia feita cerca de mil anos antes.” É muito importante fazer essa distinção.
A doutrina da Predestinação mostra a soberania de Deus no controle do universo (o que põe por terra o Deísmo2) do mais simples ao complexo sistema. Enquanto isso, a doutrina da Eleição mostra a soberania de Deus na salvação de pecadores. 1.1.1
– A Predestinação e a Eleição.
 Não há uma separação dessas duas verdades, a Predestinação e a Eleição; ambas estão tão ligadas  os (filósofos  afirmam que Deus (ou os deuses segundo a mitologia grega) criou o universo tão perfeitamente que, depois de criá-lo, deixou-o funcionando sozinho, e retirou-Se o abandonando à própria sorte.)intimamente ligadas uma à outra, sendo impossível separá-las.
Contudo, é importante fazer essa distinção para se obter uma compreensão mais ampla do assunto.
A Predestinação está ligada aos eternos decretos de Deus.
 Quando se diz “os decretos de Deus”, é importante saber que Deus não têm muitos decretos, mas sim, apenas um que envolve tudo.
A Sua vontade abrange tudo.
Samuel Falcão explica este fato com clareza, (FALCÃO, 1989, p. 56):
Uma das propriedades dos decretos de Deus é que eles são realmente um e não muitos, como talvez sejamos levados a pensar quando o termo é empregado no plural.
Falamos dos decretos de Deus, no plural, porque somos criaturas do tempo, e na limitação de nossas faculdades não vemos todo o propósito e plano de Deus de uma vez, mas ‘em aspectos parciais e relações lógicas’ (...)
O termo Decreto de Deus aparece primeiro no singular, visto como Deus tem apenas um plano que inclui tudo.”
 A Eleição porém, faz parte dos decretos de Deus, sendo o decreto divino específico para a salvação dos pecadores.
Cada fato na história, cada acontecimento, foi previamente determinado por Deus; nenhuma coisa sequer pode sair fora dos planos de Deus, ou acontecer sem que tenha sido determinada por Ele lá na eternidade, antes de tudo acontecer.
 Essa diferença entre Predestinação e Eleição pode ser percebida nos seguintes textos: - Rm. 8. 29 e 30: “Portanto aos que de antemão conheceu, também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos.
 E aos que predestinou, a esses também chamou; e, aos que chamou, a esses também justificou; e, aos que justificou, a esses também glorificou”. (BEA-RA).
- Ef. 1.5 e 11: “nos predestinou para ele, para a adoção de filhos, por meio de Jesus Cristo, segundo o beneplácito de sua vontade, (...) nele, digo, no qual fomos também feitos herança, predestinados segundo o propósito daquele que faz todas as coisas conforme o conselho da sua vontade”. (BEA-RA).21 - Ef. 1.4: “assim, como nos escolheu, nele, antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis, perante ele;” (BEA-RA). -
2Ts. 2.13: “Entretanto, devemos sempre dar graças a Deus por vós, irmãos amados pelo Senhor, porque Deus vos escolheu desde o princípio para a salvação, pela santificação do Espírito e fé na verdade”. (BEA-RA).
Os dois primeiros textos (Rm. 8. 29 e 30 e Ef. 1.5 e 11), embora falem sobre a Obra do Senhor na vida dos salvos, apontam para a predestinação como um ato de Deus em coordenar os fatos, as obras na vida de cada crente. Enquanto os dois últimos textos (Ef. 1.4 e 2Ts. 2.13), mostram a Eleição como um fato especificamente ligado à salvação dos pecadores.
Tanto a Predestinação como a Eleição aconteceram na eternidade passada. Lá, mesmo antes de acontecer qualquer coisa, Deus já sabia de tudo, e nada O pegou de surpresa exigindo Dele uma mudança nos Seus planos. Tudo já estava predeterminado por Ele.
E, quando o homem pecou, Deus não teve que aparecer com um plano de emergência para o salvar.
O plano já havia sido estabelecido, e cada um que haveria de ser beneficiado com esse plano de salvação, lá, antes de o tempo ser tempo, do mundo ser mundo, foi escolhido pelo Deus que é soberano em Graça e misericórdia, o único que é capaz de aniquilar a culpa do pecado. A Confissão de Fé de Westminster apresenta com clareza essa verdade (MARTINS, 1991, capítulo VIII, § 1°, p. 47): “Aprouve a Deus, em seu eterno propósito, escolher e ordenar o Senhor Jesus, seu Filho Unigênito, para ser o Mediador entre Deus e o homem, o Profeta, Sacerdote e Rei, o Cabeça e Salvador de sua Igreja, o Herdeiro de todas as coisas e o Juiz do mundo; e deu-lhe, desde toda a eternidade, um povo para ser sua semente, e para, no tempo devido, ser por ele remido, chamado, justificado, santificado e glorificado”. .
Se Deus preparou o Senhor Jesus para nos redimir, e isso fez lá na eternidade (Ap. 13.8), é porque22 sabia perfeitamente da queda do homem, o que prova que Ele não foi pego de surpresa e nem teve que elaborar um plano de emergência.
 Deus não determinou a salvação dos eleitos porque sabia de antemão quem iria crer; antes, Ele escolheu os Seus, e estes, no tempo determinado por Ele mesmo, foram chamados e despertados para a fé em Cristo e para a salvação.
 Não é a presciência de Deus a base da nossa salvação, mas, sim, a vontade Dele. Logicamente, Deus sabe de todas as coisas desde a eternidade, a isso se dá o nome de Onisciência Divina. Com certeza Ele sabia de antemão quem seria salvo (1Pe.1.2).
Contudo, foi através da Sua livre vontade que Ele escolheu os que seriam salvos.
Se uma pessoa fosse salva porque Deus sabia desde a eternidade que esta iria responder com fé, então a salvação depende do homem e não de Deus; a livre vontade de Deus não seria livre, pois teria que responder à fé do homem dando-lhe a salvação, e, se a vontade de Deus não fosse livre, Ele não seria Deus. Portanto, crer nesta doutrina é crer na soberania de Deus .
pelo; PASTOR OLIVAR ALVES PEREIRA..

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Responderemos a todos sempre que necessário.Obrigado pela visita ao site.

Israel Na Grande Tribulação / O Holocausto Foi Mentira?

Israel sempre foi um povo sofrido, desde os tempos de Abraão, Isaque, e Jacó. Sua sobrevivência sempre esteve ameaçada por muitos povos vizi...