O ABOMINÁVEL DA DESOLAÇÃO

Abominação desoladora

ABOMINAÇÃO DO ANTICRISTO
Em 2 Tessalonicenses 2.4, Paulo começa a explicar sobre a profanação do Templo afirmando que o homem da iniqüidade
“exalta a si mesmo”. Ele se levanta “contra tudo que se chama Deus ou é objeto de culto”. Embora isto possa indicar uma extraordinária blasfêmia contra Deus, como em
Apocalipse 13.6, o cenário é o futuro Templo de Jerusalém (reconstruído). Os “objetos de culto”, portanto, são os vasos sagrados (2 Cr 5.5-7; Hb 9.2-5), e a desolação
acontece na parte mais interna do Templo (O Sunto do» Santos), onde a presença de Deus anteriormente se manifestava (Êx 25.22; 30.6; Ez 43.1-7).
A abominação, no entanto, é o ato do Anticristo de entronizar-se no lugar de Deus, “ostentando-se” (gr. apodeiknunta) como se fosse o próprio Deus (lit., “que ele ? Deus”). Tal ato de blasfêmia cumpre a profecia de Daniel de que o Anticristo “|...| se levantará, e se engrandecerá sobre todo deus; e contra o Deus dos deuses falará coisas incríveis [...]” (Dn 11.36). No contexto satânico de Apocalipse 12.9,12- 17 e 13.4-10, a abominação traz alusões aos textos de Isaías 14-13-14 e Ezequiel 28.2-9, onde usurpadores “acima das estrelas de Deus [exaltarão] seu[s] trono[s]”,
"[serão] semelhante[s] ao Altíssimo” e declararão: “Eu sou Deus e sobre a cadeira de
Deus me assento”.
Apesar do precedente estabelecido na interpretação literal do discurso no monte das Oliveiras, que claramente alude à profanação do Templo histórico em Jerusalém, alguns intérpretes de 2 Tessalonicenses 2.4 vêem o “santuário de Deus” como uma metáfora da igreja, em uma expressão alegórica. Vêem o ato da profanação do “homem da iniqüidade” como apostasia no meio da
igreja.
 O texto de Paulo, contudo, era dirigido a leitores do primeiro século. Em uma época em que o segundo Templo ainda estava de pé, sua referência ao “santuário Deus” só podia significar um lugar: o Templo judeu em Jerusalém. Temos ainda outras razões para rejeitar a interpretação simbólica e aplicar a profecia ao Templo físico (considerando, portanto, uma literal abominação da desolação.
Nas poucas vezes em que Paulo usou a palavra grega naos (“templo”) para se referir a algo que não fosse o verdadeiro Santuário em Jerusalém (1 Co 3.16; 6.19; 2 Co 6.16;
Ef 2.21), ele sempre explicou o que queria dizer, a fim de que seus leitores pudessem compreender sua metáfora, (2) A pitlnvra “templo", em 2 Tessalonicenses 2,4, vem acompanhada de um artigo definido ("o templo”), ao contrário do uso metafórico
de Paulo, quando “templo” é, via de regria indefinido (“um templo”). (3) A expressfio“no templo de Deus” complementa o sentido de “se assentará” (gr. kathisai), verbo
este que sugere um local específico, não uma instituição (como a igreja).
Se Paulo estivesse se referindo à apostasia no seio da igreja, teria preferido outros verbos, como
“entronizar” ou “usurpar”, e não um verbo que fosse literalmente “sentar”.
Os pais da igreja anteriores ao Concilio de Nicéia compreendiam essa passagem de forma literal. Irineu (185 d.C.), por exemplo, escreveu: “Pois quando esse Anticristo
tiver devastado tudo que há neste mundo, reinará por três anos e seis meses e sentar-se-á no Templo em Jerusalém.
Então o Senhor virá por entre as nuvens, coberto pela glória do Pai.
 Ele enviará esse homem e seus seguidores para o lago de fogo, mas inaugurará a era do reino para os justos”. A interpretação
de Irineu, que contempla uma profanação literal do Templo, é tanto escatológica como pré-milenialista. A interpretação simbólica ou “espiritual” do “templo” como sendo a
igreja, em contrapartida, não aparece detalhadamente desenvolvida até o século 3, com Orígenes, que foi influenciado pela interpretação alegórica da escola helenista e idealista de Philo.
Podemos, portanto, verificar que a interpretação escatológica da abominação da desolação é respaldada tanto pelo texto como pelo testemunho dos apologistas da
Igreja Primitiva.
 Isto serve para alertar-nos quanto ao dia do engano e da desolação. Ele virá no meio da tribulação, preconizando o juízo de Deus e culminando no retorno do Senhor.
Por Randall 

Comentários

  1. A bíblia é muito difícil de entender asa parte de escatologia por isso dependemos dessa ajuda de vcs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Naturalmente não sabemos tudo, mas através de pesquisas estaremos aqui para ajudar.

      Excluir

Postar um comentário

Responderemos a todos sempre que necessário.Obrigado pela visita ao site.