O QUE ACONTECEU NO PERÍODO INTERBIBLICO ?

  400 anos???!

Das fontes históricas de informações para análise e estudo do Período Inter bíblico vêm-nos, sobretudo, de Flávio Josefo e da literatura apócrifa. A Bíblia pouco nos informa sobre esses acontecimentos. logicamente, “Inter bíblico” quer dizer “entre a Bíblia”, ou melhor, “entre os dois Testamentos”, isto é, entre o Antigo e o Novo Testamento. 
Daí também decorre a designação “Intertestamentário”. 
 O Período Inter bíblico tem início com a interrupção da atividade profética entre o povo de Deus. Malaquias foi o último profeta a transmitir as palavras do Senhor até o começo do ministério de João Batista, o último dos profetas.
 O ministério de Malaquias pode ser datado entre 470 a.C. a 433 a.C. 
O seu livro foi escrito em alguma data desse período. 
 Malaquias termina com a promessa do precursor do Messias (Ml 4.4-6; 3.1). 
Mateus 3.1 é o cumprimento fiel dessa profecia. 
No entanto, entre a profecia (Ml 3.1) e seu cumprimento (Mt 3.1), transcorreram nada menos de 400 anos. 
Em ligeiros traços, temos aqui uma parte significativa da história do povo de Deus. 
 No transcurso dos anos, houve mudanças radicais, na terra e na vida do povo do Senhor, como também na vida e nos costumes das nações gentias. 
O mapa-múndi passou por transformações. 
A história das apuradas civilizações oscila grandemente. 
 Enquanto poderosíssimas civilizações eram sepultadas pelas armas brutais dos inimigos incontidos, outras surgiam aqui e acolá, graças às armas vitoriosas de povos conquistadores. 
Assim, os geógrafos-historiadores contemporâneos ou semi contemporâneos desses acontecimentos registraram em seus escritos as diversas transformações pelas quais o mundo de então passou. 
Os 400 anos do Período Inter bíblico caracterizam-se pela cessação da revelação bíblica, pelo silêncio profundo em que Deus permaneceu em relação ao seu povo, pois durante esse tempo nenhum profeta se levantou em nome de Deus. 
 No silêncio desesperador desses 400 anos, o Senhor deixou que os esforços dos homens na resolução de problemas espirituais falhassem; que a filosofia se desmoronasse; que o poder material enfadasse as almas; que a imoralidade religiosa desiludisse a todos, mesmo os corações mais ímpios; que a corrupção campeasse e atingisse as raias da depravação, mostrando assim ao homem a inutilidade de tais sistemas e instituições. 
 Em 500 e poucos anos, os judeus foram derrotados, levados ao cativeiro; sua metrópole fora destruída, seu templo profanado e derrubado. 
Depois de duras provas pelas quais passaram, eles tornaram a Jerusalém, reedificaram a cidade, reconstruíram o templo e prosseguiram na sua história brilhante e ascendente, cujo término se verificou em 70 da nossa era, na destruição de Jerusalém pelos romanos. 
 Durante o Período Inter bíblico os judeus viveram sob o domínio consecutivo de três nações: 
Pérsia, Grécia e Roma. 
O fundo histórico que vai nos interessar desses povos é aquele que diz respeito à atuação dessas nações diretamente na vida do povo de Deus.
 Entre a dominação grega e a romana, encontra-se o “Período Macabeu”, em que os judeus retomaram o controle de sua nação e experimentaram um período de independência política e religiosa. Com Herodes um Edomeu no comando.
Esse é o tempo que decorre entre o fim do Antigo Testamento e os acontecimentos do Novo Testamento. Esse tempo é conhecido como “Período Inter bíblico”, que marca o silêncio profético de Malaquias até a pregação de João Batista no Novo Testamento. 
Durante muito tempo, esse período de silêncio recebeu pouca atenção pelos eruditos em Bíblia. 
Além de conduzir nós a uma viagem de Abraão a Malaquias, o Período Inter bíblico revela as transformações pelas quais o judaísmo passou entre os persas, os gregos e os romanos até se tornar o que era nos dias de Jesus nascido em Belém. 
 Esse período também elucida como surgiram as principais seitas do judaísmo como: 
Os saduceus, os fariseus e os enigmáticos essênios; as instituições judaicas, como o sinédrio e a sinagoga. 
E o mais importante: Explica como Deus agiu na preparação social e espiritual do mundo para a vinda do Messias.   
Aproximadamente quatrocentos anos depois do final do Antigo Testamento, quando começa a era Inter bíblica, são quatrocentos anos que passou de Malaquias a Mateus do final do Reinado de Alexandre Magno, a maior de todas as profecias foi cumprida, o nascimento, vida, morte a ressurreição do Messias prometido. 
Período Inter bíblico, também chamado de Período Intertestamentário é o período compreendido entre Malaquias (Antigo Testamento) e Mateus (Novo Testamento).
Este intervalo de tempo foi de 400 anos aproximadamente, sendo profetizado por escritores bíblicos:
 Já não vemos os nossos sinais, já não há profeta, nem há entre nós alguém que saiba até quando isto durará.Eis que vêm dias, diz o Senhor DEUS, em que enviarei fome sobre a terra; não fome de pão, nem sede de água, mas de ouvir as palavras do SENHOR. E irão errantes de um mar até outro mar, e do norte até ao oriente; correrão por toda a parte, buscando a palavra do Senhor, mas não a acharão.
Naquele dia as virgens formosas e os jovens desmaiarão de sede, Salmos 74:9, Amós 8:11-13.
Nesse período não havia profeta, pois Deus preparava a transição do Velho pra o Novo Testamento,  Isso causou muita perplexidade em toda a nação de Israel. 
Mais de cem predições Bíblicas se cumpriram entre esses acontecimentos.  
Como a chegada da semente da mulher Jesus, que esmagaria a cabeça de satanás, conforme Gêneses.
E porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua semente e a sua semente; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar, Gênesis 3:15.
Isto aconteceu por meio morte de Jesus Cristo na cruz, pelo que mudou a história do mundo inteiro. “Está consumado”, disse JESUS, ao entregar o espirito.
E também conduziram outros dois, que eram malfeitores, para com ele serem mortos.
E, quando chegaram ao lugar chamado a Caveira, ali o crucificaram, e aos malfeitores, um à direita e outro à esquerda. E dizia Jesus: Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem. E, repartindo as suas vestes, lançaram sortes. E o povo estava olhando. E também os príncipes zombavam dele, dizendo: Aos outros salvou, salve-se a si mesmo, se este é o Cristo, o escolhido de Deus.
E também os soldados o escarneciam, chegando-se a ele, e apresentando-lhe vinagre.
E dizendo: Se tu és o Rei dos Judeus, salva-te a ti mesmo.
E também por cima dele, estava um título, escrito em letras gregas, romanas, e hebraicas: ESTE É O REI DOS JUDEUS.
E um dos malfeitores que estavam pendurados blasfemava dele, dizendo: Se tu és o Cristo, salva-te a ti mesmo, e a nós.
Respondendo, porém, o outro, repreendia-o, dizendo: Tu nem ainda temes a Deus, estando na mesma condenação?
E nós, na verdade, com justiça, porque recebemos o que os nossos feitos mereciam; mas este nenhum mal fez.
E disse a Jesus: Senhor, lembra-te de mim, quando entrares no teu reino.
E disse-lhe Jesus: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso.
E era já quase a hora sexta, e houve trevas em toda a terra até à hora nona, escurecendo-se o sol;
E rasgou-se ao meio o véu do templo.
E, clamando Jesus com grande voz, disse: Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito. E, havendo dito isto, expirou, Lucas 23:32-46.
Porque Jesus se entregou ? 
Porque Ele era imortal, logo deveria render o espirito, uma vês que não tinha pecado, não deveria morrer. 
Só morre quem é pecador. 
Paulo escrevendo aos romano capítulo três que o salário do pecado é a morte. Logo só nós que recebemos o salario do pecado, os humanos. Nós morremos porque somos herdeiros da natureza pecaminosa de Adão. 
Portanto, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens por isso que todos pecaram. Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus nosso Senhor, Romanos 5:12Romanos 6:23
Ao morrer e ressuscitar Cristo põe fim ao grande conflito das eras. Chega o fim o Antigo Testamento. 
Sobre os escritos dessa época, vale dizer que existem porém não estão na bíblia porque são apócrifos.
Jesus foi o segundo Adão  enviado por Deus para salvar a humanidade e dar inicio a um novo tempo para todos dando oportunidade de se retratarem diante de Deus e serem perdoados dos pecados, anulando assim a condenação que haveria sobre essa pessoa.
Assim está também escrito: O primeiro homem, Adão, foi feito em alma vivente; o último Adão em espírito vivificante, 1 Coríntios 15:45.
Jesus chegou e inaugurou  a dispensação da graça, pela qual é possível o ser humano ser salvo, mesmo sendo imperfeito por não atingir o grau de santidade que gostaria.
Mas, vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei, Para remir os que estavam debaixo da lei, a fim de recebermos a adoção de filhos, Gálatas 4:4,5.
Cristo veio na plenitude dos tempos.
Em seu curto ministério Jesus deixou tudo o que teríamos que saber sobre isso. 
Ele separou e treinou discípulos para dar continuidade a sua obra, o seu trabalho. 
Ele delegou poder aqueles que se dispuserem a segui-lo. 
E Jesus, andando junto ao mar da Galiléia, viu a dois irmãos, Simão, chamado Pedro, e André, seu irmão, os quais lançavam as redes ao mar, porque eram pescadores;
E disse-lhes: Vinde após mim, e eu vos farei pescadores de homens.
Então eles, deixando logo as redes, seguiram-no.
E, adiantando-se dali, viu outros dois irmãos, Tiago, filho de Zebedeu, e João, seu irmão, num barco com seu pai, Zebedeu, consertando as redes;
E chamou-os; eles, deixando imediatamente o barco e seu pai, seguiram-no, Mateus 4:18-22.
Os detalhes da sua morte nos deixa perplexos e cocados. 
Disse Ele o Filho do Homem será preso.
Bem sabeis que daqui a dois dias é a páscoa; e o Filho do homem será entregue para ser crucificado, Mateus 26:2.
 Manietado e morto. 
Mas para nós não nos afligirmos que depois de três dias ressuscitará.
Em dado momento, devido clima de tensão  gerado pelos seus ensinos que eram contra-versos  ao dos seus compatriotas Ele foi preso. 
Mas uma vês Ele se permitiu ser preso, porque Ele tinha poder de não se deixar prender. Era plano de Deus que ele fosse preso e morto.
E, estando ele ainda a falar, eis que chegou Judas, um dos doze, e com ele grande multidão com espadas e varapaus, enviada pelos príncipes dos sacerdotes e pelos anciãos do povo. E o que o traía tinha-lhes dado um sinal, dizendo: O que eu beijar é esse; prendei-o. 
E logo, aproximando-se de Jesus, disse: 
Eu te saúdo, Rabi; e beijou-o. Jesus, porém, lhe disse: Amigo, a que vieste? 
Então, aproximando-se eles, lançaram mão de Jesus, e o prenderam. 
E eis que um dos que estavam com Jesus, estendendo a mão, puxou da espada e, ferindo o servo do sumo sacerdote, cortou-lhe uma orelha. Então Jesus disse-lhe:
 Embainha a tua espada; porque todos os que lançarem mão da espada, à espada morrerão.
Ou pensas tu que eu não poderia agora orar a meu Pai, e que ele não me daria mais de doze legiões de anjos?
Como, pois, se cumpririam as Escrituras, que dizem que assim convém que aconteça?
Então disse Jesus à multidão: Saístes, como para um salteador, com espadas e varapaus para me prender? Todos os dias me assentava junto de vós, ensinando no templo, e não me prendestes.
Mas tudo isto aconteceu para que se cumpram as escrituras dos profetas. Então, todos os discípulos, deixando-o, fugiram.
E os que prenderam a Jesus o conduziram à casa do sumo sacerdote Caifás, onde os escribas e os anciãos estavam reunidos.
E Pedro o seguiu de longe, até ao pátio do sumo sacerdote e, entrando, assentou-se entre os criados, para ver o fim.
Ora, os príncipes dos sacerdotes, e os anciãos, e todo o conselho, buscavam falso testemunho contra Jesus, para poderem dar-lhe a morte, Mateus 26:47-59.
Ao ressuscitar Ele ficou quarenta dias com os discípulos dando as últimas instruções e disse que voltaria a ultima vês que foi visto foi lá em Israel no monte das oliveiras de onde subiu junto com dois anjos.
Fiz o primeiro tratado, ó Teófilo, acerca de tudo que Jesus começou, não só a fazer, mas a ensinar,
Até ao dia em que foi recebido em cima, depois de ter dado mandamentos, pelo Espírito Santo, aos apóstolos que escolhera;
Aos quais também, depois de ter padecido, se apresentou vivo, com muitas e infalíveis provas, sendo visto por eles por espaço de quarenta dias, e falando das coisas concernentes ao reino de Deus, Atos 1:1-3
Qual o objetivo da sua vinda? 
São vários: 
Julgar as nações.  As nações serão julgadas pessoalmente por Jesus . 
Porque o Filho do homem virá na glória de seu Pai, com os seus anjos; e então dará a cada um segundo as suas obras.
E quando o Filho do homem vier em sua glória, e todos os santos anjos com ele, então se assentará no trono da sua glória;
E todas as nações serão reunidas diante dele, e apartará uns dos outros, como o pastor aparta dos bodes as ovelhas;
E porá as ovelhas à sua direita, mas os bodes à esquerda.
Então dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai, possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo;
Porque tive fome, e destes-me de comer; tive sede, e destes-me de beber; era estrangeiro, e hospedastes-me;
Estava nu, e vestistes-me; adoeci, e visitastes-me; estive na prisão, e foste me ver.
Então os justos lhe responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome, e te demos de comer? ou com sede, e te demos de beber?
E quando te vimos estrangeiro, e te hospedamos? ou nu, e te vestimos?
E quando te vimos enfermo, ou na prisão, e fomos ver-te?
E, respondendo o Rei, lhes dirá: Em verdade vos digo que quando o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes.
Então dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos;
Porque tive fome, e não me destes de comer; tive sede, e não me destes de beber;
Sendo estrangeiro, não me recolhestes; estando nu, não me vestistes; e enfermo, e na prisão, não me visitastes.
Então eles também lhe responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome, ou com sede, ou estrangeiro, ou nu, ou enfermo, ou na prisão, e não te servimos?
Então lhes responderá, dizendo: Em verdade vos digo que, quando a um destes pequeninos o não fizestes, não o fizestes a mim,  Mateus 16:27.  Mateus 25:31-45.
Lembrando que antes da ressureição ele veio para salvar nós dos nossos pecados, e nos perdoar para que não sejamos condenados ao inferno, depois da nossa morte e ressurreição. 
Porque o ser humano também ressuscitará?
Ora, se se prega que Cristo ressuscitou dentre os mortos, como dizem alguns dentre vós que não há ressurreição de mortos?
E, se Cristo não ressuscitou, logo é vã a nossa pregação, e também é vã a vossa fé.
E assim somos também considerados como falsas testemunhas de Deus, pois testificamos de Deus, que ressuscitou a Cristo, ao qual, porém, não ressuscitou, se, na verdade, os mortos não ressuscitam.
Porque, se os mortos não ressuscitam, também Cristo não ressuscitou.
E, se Cristo não ressuscitou, é vã a vossa fé, e ainda permaneceis nos vossos pecados.
E também os que dormiram em Cristo estão perdidos.
Se esperamos em Cristo só nesta vida, somos os mais miseráveis de todos os homens, 1 Coríntios 15:12-19.
Porque não fomos feitos para morrer. 
O ser humano vai ressuscitar para ser julgado de corpo alma e espirito. 
Nos fazemos coisas ruins com o corpo, vamos ser julgados com o corpo.
Período Interbíblico, também chamado de Período Intertestamentário é o período compreendido entre Malaquias (Antigo Testamento) e Mateus (Novo Testamento). Este intervalo de tempo foi de 400 anos aproximadamente, sendo profetizado por escritores bíblicos:  Já não vemos os nossos sinais, já não há profeta, nem há entre nós alguém que saiba até quando isto
E vi um grande trono branco, e o que estava assentado sobre ele, de cuja presença fugiu a terra e o céu; e não se achou lugar para eles. E vi os mortos, grandes e pequenos, que estavam diante de Deus, e abriram-se os livros; e abriu-se outro livro, que é o da vida. E os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras, Apocalipse 20:11,12.
Ao final das ressurreições e julgamentos Deus estabelecerá uma nova era onde habitará a justiça.
E mostrou-me o rio puro da água da vida, claro como cristal, que procedia do trono de Deus e do Cordeiro.
No meio da sua praça, e de um e de outro lado do rio, estava a árvore da vida, que produz doze frutos, dando seu fruto de mês em mês; e as folhas da árvore são para a saúde das nações.
E ali nunca mais haverá maldição contra alguém; e nela estará o trono de Deus e do Cordeiro, e os seus servos o servirão.  E verão o seu rosto, e nas suas testas estará o seu nome.
E ali não haverá mais noite, e não necessitarão de lâmpada nem de luz do sol, porque o Senhor Deus os ilumina; e reinarão para todo o sempre, Apocalipse 22:1-5.


 

Comentários