ALIANÇA ABRAÂMICA

                                                             
O chamado de Abraão marcou o começo da história que revelou a origem da nação israelita, através do qual o Messias  o Jesus salvador, veio ao mundo. Abraão foi chamado na aliança Abraâmica por Deus e respondeu com fé o chamado, aceitando partir para longe do seu lugar de origem, de onde tinha sido criado, e seguir em direção a uma terra desconhecida.


                                                           ALIANÇA ABRAÂMICA
O chamado de Abraão marcou o começo da história que revelou a origem da nação israelita, através do qual o Messias  o Jesus salvador, veio ao mundo. Abraão foi chamado na aliança Abraâmica por Deus e respondeu com fé o chamado, aceitando partir para longe do seu lugar de origem, de onde tinha sido criado, e seguir em direção a uma terra desconhecida. 
Abraão é mencionado pela primeira vez na Bíblia no capítulo onze do livro de Gênesis. 
Já o chamado de Abraão está registrado em Gênesis 12. 
Mas o restante da Escritura, em várias ocasiões, destaca a importância e as implicações desse chamado.  
A nascente de profecias bíblicas começa com a aliança Abraâmica . 
Ora, o SENHOR disse a Abrão: 
Sai-te da tua terra, da tua parentela e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei. E far-te-ei uma grande nação, e abençoar-te-ei e engrandecerei o teu nome; e tu serás uma bênção. E abençoarei os que te abençoarem, e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; e em ti serão benditas todas as famílias da terra, Gênesis 12:1-3. E apareceu o Senhor a Abrão, e disse: À tua descendência darei esta terra. E edificou ali um altar ao Senhor, que lhe aparecera, Gênesis 12:7. Dize, peço-te, que és minha irmã, para que me vá bem por tua causa, e que viva a minha alma por amor de ti. E aconteceu que, entrando Abrão no Egito, viram os egípcios a mulher, que era mui formosa.
E viram-na os príncipes de Faraó, e gabaram-na diante de Faraó; e foi a mulher tomada para a casa de Faraó, Gênesis 12:13-15. E as aves desciam sobre os cadáveres; Abrão, porém, as enxotava.
E pondo-se o sol, um profundo sono caiu sobre Abrão; e eis que grande espanto e grande escuridão caiu sobre ele. Então disse a Abrão: Saibas, de certo, que peregrina será a tua descendência em terra alheia, e será reduzida à escravidão, e será afligida por quatrocentos anos, Mas também eu julgarei a nação, à qual ela tem de servir, e depois sairá com grande riqueza. E tu irás a teus pais em paz; em boa velhice serás sepultado. E a quarta geração tornará para cá; porque a medida da injustiça dos amorreus não está ainda cheia. E sucedeu que, posto o sol, houve escuridão, e eis um forno de fumaça, e uma tocha de fogo, que passou por aquelas metades. Naquele mesmo dia fez o Senhor uma aliança com Abrão, dizendo: « tua descendência tenho dado esta terra, desde o rio do Egito até ao grande rio Eufrates; E o queneu, e o quenezeu, e o cadmoneu, E o heteu, e o perizeu, e os refains,
E o amorreu, e o cananeu, e o girgaseu, e o jebuseu, Gênesis 15:1-21. 
Então o anjo do Senhor bradou a Abraão pela segunda vez desde os céus,E disse: Por mim mesmo jurei, diz o Senhor: Porquanto fizeste esta ação, e não me negaste o teu filho, o teu único filho,
Que deveras te abençoarei, e grandissimamente multiplicarei a tua descendência como as estrelas dos céus, e como a areia que está na praia do mar; e a tua descendência possuirá a porta dos seus inimigos; E em tua descendência serão benditas todas as nações da terra; porquanto obedeceste à minha voz, Gênesis 22:15-18.
Consideraremos agora um dos mais ilustres personagens estabelecidos diante de nós nas páginas das Sagradas Escrituras, aquele que é expressamente designado “o amigo de Deus:
”E cumpriu-se a Escritura, que diz: 
E creu Abraão em Deus, e foi-lhe isso imputado como justiça, e foi chamado o amigo de Deus, Tiago 2:23 , e de quem o próprio Cristo deriva um de Seus títulos, “filho de Abraão”:
 Livro da geração de Jesus Cristo, filho de Davi, filho de Abraão, Mateus 1:1.
Ele não somente foi o único a partir de quem a favorecida nação de Israel nasceu, mas ele também é chamado de  “o pai de todos os que creem”:
 (E recebeu o sinal da circuncisão, selo da justiça da fé quando estava na incircuncisão, para que fosse pai de todos os que crêem, estando eles também na incircuncisão; a fim de que também a justiça lhes seja imputada, Romanos 4:11). 
Não é a desse post texto, rever aqui a vida notável deste homem; no entanto, a história de Abraão.
De um modo geral, pelo menos está tão intimamente ligada com a aliança que o Senhor fez com ele, Que é quase impossível dar qualquer exposição deste último, sem prestar alguma atenção à primeira. 
No entanto, seremos obrigados a passar por muitos episódios interessantes de suas experiências, se quisermos manter a nossa linha de pensamento sobre a aliança  Abraâmica. 
Dentro dos termos razoáveis são:
Um período de mais ou menos 300 anos se passou desde o tempo que o Senhor havia feito um  pacto com Noé, ou aliança Noiaica, depois do grande diluvio que veio sobre a terra, e o aparecimento de Abraão no cenário da história sagrada no planeta. 
 Podemos então dizer  aqui brevemente duas coisas que ocorreram exatamente nesse período, e fazemo-lo por causa da influência que elas têm e a luz que lança sobre nosso assunto presente. 
A primeira delas é a notável profecia proferida por Noé que se deu em Gênesis 9:25-27: E disse: Maldito seja Canaã; servo dos servos seja aos seus irmãos. E disse: Bendito seja o Senhor Deus de Sem; e seja-lhe Canaã por servo. Alargue Deus a Jafé, e habite nas tendas de Sem; e seja-lhe Canaã por servo.
Passando pelos tristes incidentes que imediatamente precederam e deram origem à previsão, pode se   observar particularmente os seus pronunciamentos, pois ela intimou o futuro a desenrolar do propósito da graça de Deus. 
Isso é expresso pela primeira vez em: 
“Bendito seja o Senhor Deus de Sem”, ou como deveria ser traduzido mais interessantemente: 
“Bendito seja [ou “Louvado seja”] Jeová, o Deus de Sem”. 
Esta é a primeira vez nas Escrituras que encontramos Deus denominando-Se o Deus de qualquer pessoa individual. 
Além disso, foi como Jeová que Ele Se relacionou com Sem.
Jeová é Deus fazendo a Si mesmo conhecido em uma relação pactual, é Deus em Sua personalidade manifesta como tomando pessoas em Seu favor livre. É Deus concedendo a revelação de Suas instituições de redenção aos humanos visando a sua salvação. 
Estes deveriam ser a porção específica de Sem, em nítido contraste com a maldição pronunciada sobre Cão, e não sobre Sem simplesmente como um indivíduo, mas como o cabeça de uma parte distinta da raça humana dali para frente rumo a salvação da humanidade até a volta de Jesus. 
 Com essa fala  Deus deveria estar em relação mais próxima, era uma distinção espiritual a que eles fruiriam, a relação da aliança, uma proximidade sacerdotal. 
Uma participação especial no favor Divino é o que foi indicado nesta primitiva previsão a respeito de Sem. 
 Seus descendentes deveriam ser uma linhagem através da qual a bênção Divina fluiria, culminando na primeira vinda de Jesus para salvar a humanidade, e era entre eles que Jeová seria conhecido, e onde o Seu reino deveria ser estabelecido. 
“Alargue Deus a Jafé, e habite nas tendas de Sem”.
 O significado óbvio da primeira cláusula da palavra profética é que Deus daria a Jafé uma numerosa posteridade, com territórios muito extensos, o que foi cumprido no fato de que eles não apenas obtiveram a posse realmente de toda a Europa, as Américas do Norte e do Sul e a Austrália, mas também uma grande parte da Ásia. 
A provisão de Jafé deveria ser a mais enérgica e ambiciosa dos descendentes de Noé, dando-se a colonização a operações difusas, avançando em seu caminho e estabelecendo-se por toda parte. 
Mas é com a segunda cláusula de Gênesis 9:27 que agora estamos mais preocupados: 
“E habite nas tendas de Sem”. 
Ele deveria gozar da comunhão nos altos privilégios espirituais de Sem. 
Jafé seguiria sob a proteção Divina e seria admitido às bênçãos que eram a porção peculiar, mas não a porção exclusiva de Sem. 
Lançando a luz do Novo Testamento sobre esta antiga profecia, encontramos claramente anunciado que foi através da linhagem de Sem que os dons da graça e as bênçãos da salvação dos humanos, fluiriam imediatamente. 
No entanto, longe de estar limitado a esta parte da família humana, a maior porção dela (Jafé) também poderia compartilhar o seu bem. 
Os Semitas deveriam tê-la em primeira mão, mas os descendentes de Jafé também participariam nas mesmas. 
“A exaltação da descendência de Sem ao relacionamento mais próximo a Deus, não era de forma que eles mantivessem o privilégio somente para si, mas que primeiramente o obteriam, eles deveriam admitir os filhos de Jafé, os habitantes das ilhas, no compartilhar com eles das bênçãos, e espalhá-la tão vastamente quanto a sua raça difusa pudesse se estender”. 
 Aqui, então, nesta previsão inicial através de Noé, podemos ver o princípio do que é depois mais plenamente desenvolvido nas Escrituras. 
Era apenas por habitar nas tendas de Sem que Jafé poderia entrar no lugar onde a bênção Divina seria encontrada, o que, na linguagem do Novo Testamento é apenas outra maneira de dizer que a partir dos judeus, que a salvação dos humanos,  flui para os gentios. 
Mas antes de desenvolver um pouco mais esse pensamento, vamos falar sobre, um ponto muito marcante expressado por um eloquente teólogo:
 E. W. Hengstenberg em sua mui sugestiva obra em três volumes sobre a Cristologia do Antigo Testamento. 
Em meio a suas notas secas e técnicas sobre o texto Hebraico, ele mostra que, “como a reação contra o pecado de Cão teria se originado com Sem (Gênesis 9:23), Jafé apenas uniu-se nela e assim, no futuro, a rica casa da salvação e piedade estaria com Sem, a quem Jafé, em perceptível necessidade da salvação, se aproximaria” para participar da salvação também.
A “mãe de todos as Alianças foi a de Abraão de redenção” .
 As bênçãos de Deus, a partir desta aliança, estenderia-se por sobre toda a humanidade para a salvação da alma, através dos tempos. 
A aliança abraâmica é um acordo um pacto incondicional, em que Deus revela sua soberania ao eleger Abraão e seus descendentes e passar-lhe os seus decretos. 
  “Uma aliança incondicional pode ser definida como um ato soberano de Deus, por meio do qual Deus se obriga em caráter incondicional a oferecer promessas, bênçãos e condições específicas ao povo com quem a aliança é firmada. 
Este tipo de aliança é caracterizada pela fórmula :
“Eu o farei”, que declara a determinação de Deus em fazer exatamente como prometeu”  Sem furo.
 A estrutura do pacto ou  o tratado, foi utilizado no segundo milênio antes de Cristo, e destaca então a natureza incondicional da aliança com Abraão.
 A Bíblia contém três tipos de alianças principais: 
(1) O pacto de concessão real.
(2) O tratado entre um Soberano e um vassalo.
(3) Um pacto entre iguais. 
Um a concessão real é uma aliança, firme e incondicional, fundamentada no desejo de um rei de um soberano,  com obrigação de cumprir ou recompensar um servo leal. 
Com o exemplo, podemos citar a aliança abraâmica (G n 12.1-3; 15).
A aliança davídica (2 Sm 7.8-17).
E a aliança do território de Israel (Dt 30.1-10). 
Em Gênesis 15, poderemos ver que Deus confirmou e selou a aliança abraâmica de uma forma muito  singular. 
Fez Abrão cair em um sono profundo e comprometeu-se a manter a aliança, a despeito da resposta de Abraão. 
Visto que Deus foi o único a empenhar sua palavra neste pacto, trata-se de uma aliança claramente incondicional, baseada exclusivamente em Deus na Sua palavra. 
Podemos, portanto, ficar absolutamente confiantes de que Ele manterá sua palavra e fará com que todas as cláusulas das  alianças com os humanos se cumpram na história a seguir.

Comentários