Que Sinal Haverá Da Sua Vinda e Do Fim Do Mundo? Julgamento Das Nações Na Volta De Jesus Em Glória.

A mensagem de Jesus em Mateus 24-25 é conhecida comumente como o sermão profético, ou sermão das Oliveiras, assim chamado porque foi feito aos discípulos no Monte das Oliveiras. O tema do sermão é a segunda vinda de Cristo ao final desta era atual para estabelecer o seu reino milenar sobre a terra. Não tem a ver com a igreja do século 21.A mensagem foi incitada pelo pedido dos discípulos:“Dize-nos quando sucederão estas coisas e que sinal haverá da tua vinda e da consumação do século”.


A mensagem de Jesus em Mateus 24-25 é conhecida comumente como o sermão profético, ou sermão das Oliveiras, assim chamado porque foi feito aos discípulos no Monte das Oliveiras. O tema do sermão é a segunda vinda de Cristo ao final desta era atual para estabelecer o seu reino milenar sobre a terra. Não tem a ver com a igreja do século 21.A mensagem foi incitada pelo pedido dos discípulos:“Dize-nos quando sucederão estas coisas e que sinal haverá da tua vinda e da consumação do século”.

A resposta de Jesus é a mais longa resposta dada a qualquer pergunta formulada no Novo Testamento. As verdades aqui são absolutamente essenciais para entendermos o retorno de Jesus e os incríveis acontecimentos a ele associados. É a revelação de nosso Senhor, diretamente de seus próprios lábios, sobre a volta de Jesus a terra, em poder e glória.

Os ensinamentos do sermão profético são muito debatidos e frequentemente incompreendidos, pois ele é visto sob as lentes de um sistema teológico ou esquema interpretativo em particular que torna a mensagem aparentemente mais complexa e enigmática pra se entender.Mas os discípulos não eram homens instruídos, e o propósito de Jesus era dar-lhes clareza e encorajamento, não complexidade e ansiedade.

Segunda vinda de Cristo. Isso se refere ao futuro retorno de Cristo à terra ao final da época atual. Embora a Bíblia fale claramente sobre o aparecimento de Cristo como “segunda vez”, a expressão “segunda vinda de Cristo” não aparece em nenhum lugar no Novo Testamento. Muitas passagens, no entanto, falam de sua volta. Só no Novo Testamento ela é mencionada mais de trezentas vezes. Na noite anterior à crucificação, Jesus disse aos seus apóstolos que retornaria (Mt 24.27; Jo 14.3).

Quando Jesus subiu aos céus depois da ressurreição dentre os mortos, dois anjos apareceram aos seus seguidores, dizendo que ele viria da mesma maneira que o haviam visto ir (At 1.11). O Novo Testamento está pleno da expectativa da sua volta, da mesma maneira que os cristãos devem estar hoje. (Fonte: Nelson's New Illustrated Bible Dictionary)

Se lermos Mateus 24.1-25.46, prestando atenção às palavras e trechos em destaque. A construção foi iniciada por Herodes, o Grande, em 20 a.C. ainda estava em construção quando os romanos o destruíram em 70 d.C.; na época de Cristo, era uma das obras arquitetônicas mais ousada e magníficas do mundo da época.não ficará aqui pedra sobre pedra (v. 2) - Sabe se que essa profecia biblica teve seu cumprimento literalmente em 70 d.C.

O calor do incêndio deflagrado por Tito, o general romano, era tão intenso que as pedras se esfarelaram, e as pessoas vinham revirar os escombros para ver se tinha algo de valor,dessa forma não ficou pedra sobre pedra. Que sinal haverá da tua vinda? Era uma pergunta bem interessante, (v. 3) os discípulos não imaginavam uma segunda vinda num futuro distante e sombrio, eles estavam falando da sua volta em triunfo como Messias, um acontecimento que eles assumiram que ocorreria logo a seguir. Dores (v. 8) a palavra significa “dores do parto” e refere-se à escassez de alimentos, terremotos e conflitos que ficarão visivelmente piores ao final da era, em que se aproxima a segunda vinda de Cristo, à medida que se aproxima a chegada do Messias as coisas ficariam mais dificeis.

Perseverar até o fim... será salvo (v. 13)disse Ele. A Escritura ensina em muitos lugares que Deus, como parte de sua obra redentora, assegura a nossa perseverança, é não podemos desistir, aqueles que se afastarem de Cristo dão prova conclusiva de que, nunca foram verdadeiros crentes (1 Jo 2.19). O abominável da desolação (v. 15).Essa é uma profecia que originalmente se referia à profanação do templo por Antíoco Epifanes, rei da Síria, no século 22 a.C. Antíoco ele invadiu Jerusalém em 168 a.C., transformou o altar num santuário para Zeus e até sacrificou animais imudo nele. Entretanto, Jesus estava claramente se referindo a um futuro “abominável da desolação” quando o anticristo instalará uma imagem no templo durante a tribulação futura.

Grande tribulação (v. 21), as frases “não têm havido” e “nem haverá jamais” juntamente com a descrição que as acompanhas identificaram esta como o tempo ainda futuro em que a ira de Deus será derramada sobre a terra. Não acrediteis (v. 26). Ninguém deveria considerar as afirmações de messias autonomeados como vemos ainda hoje pelo mundo, porque todos eles serão falsos.

Quando Cristo retornar, isso será algo evidente a todos osque tiverem na terra, (vs. 27-28). O sol escurecerá (v. 29), tais fenômenos são ma característica comum da profecia sobre o Dia do Senhor. de uma a outra extremidade dos céus (v. 31)todos os “eleitos” dos céus e da terra são recolhidos e reunidos diante de Cristo, esse será o ápice da história do mundo, que inaugurará o reino milenar de Cristo conforme(veja Ap 20.4). Esta geração (v. 34) não significa à nossa geração, mas as pessoas que estava viva no tempo de Cristo, pois “tudo isto” (vs. 15-31) não “aconteceu” na época em que viveram, mais provavelmente uma referência à geração viva no tempo em que essas dores de parto começarem que na verdade éo final dos tempos.

Dia e hora (v. 36)? O tempo exato não cabe a ninguém saber, ao contrário, a ênfase da doutrina da segunda vinda de Cristo está na fidelidade, vigilância, mordomia, expectativa e preparação. Um será tomado, e outro será deixado.. (vs. 40-41), em julgamento não no arrebatamento (veja v. 39), não é uma referência ao arrebatamento dos crentes salvos descrito em 1 Tessalonicenses 4.16-17

Dez virgens (25.1)? Isto são, damas de honra não a igreja. Um casamento judeu começaria na casa da noiva quando o noivo chegasse para realizar a cerimônia do casamento. Depois, uma procissão se seguiria, enquanto o noivo levava a noiva para a sua casa para concluir as festividades. Num casamento noturno, as “lâmpadas” (na verdade, tochas) seriam necessárias para a procissão iluminar o caminho. Talentos (v. 15)? Um talento não era um dom ou habilidade, mas uma medida de peso, e não uma moeda específica, pois um talento de ouro valia mais que um talento de prata.

Homem severo (v. 24)? A caracterização que ele faz do mestre o difama como um oportunista cruel e impiedoso, “ceifando e ajuntando” em lugares onde não teria direito, obviamente o homem não conhece verdadeiramente seu mestre. A todo o que tem, se lhe dará (v. 29) os beneficiários da divina graça herdam bênçãos imensuráveis além da vida eterna e do favor de Deus. Porém, aqueles que desdenharem as riquezas da bondade, clemência e longanimidade de Deus, enterrando-as no chão e, ao contrário, apegando-se aos bens torpes e efêmeros deste mundo, no final perderão tudo o que têm

Se assentará no trono da sua glória (v. 31) aqui se fala sobre o reino terreno de Cristo não o céu, descrito em Apocalipse 20.4-6, ovelhas... cabritos (vs. 32-33) crentes e incrédulos, respectivamente. Castigo eterno... vida eterna (v. 46) a mesma palavra grega é usada em ambas as instâncias, sugerindo que a punição dos iníquos é tão infindável quanto as bênçãos dos justos.

Comentários