WhatsApp

Kit 5 Tenis Masculino Da Polo Open Original

Translate

QUEM SÃO OS 144.000 SELADOS DO APOCALIPSE ?


QUEM SÃO OS 144000 DE APOCALIPSE ? “E OLHEI, e eis que estava o cordeiro sobre o monte de Sião, e com ele centro e quarenta e quatro mil, que em suas testas tinham escrito o nome dele e o de seu Pai”. O Cordeiro sobre o monte de Sião”. “Sião” é mencionado somente uma vez no Apocalipse e é um termo extremamente interessante. Como certo escritor expressou:
QUEM SÃO OS 144000 DE APOCALIPSE ?
“E OLHEI, e eis que estava o cordeiro sobre o monte de Sião, e com ele centro e quarenta e quatro mil, que em suas testas tinham escrito o nome dele e o de seu Pai”.
O Cordeiro sobre o monte de Sião”. “Sião” é mencionado somente uma vez no Apocalipse e é um termo extremamente interessante. Como certo escritor expressou: “Das 110 vezes que Sião é mencionado, 90 são em termos do grande amor e afeição do Senhor por ela, de modo que o lugar tem grande significação.
 No Novo Testamento, Sião é mencionado nas seguintes passagens: ( Dizei à filha de Sião: Eis que o teu Rei aí te vem, Manso, e assentado sobre uma jumenta, E sobre um jumentinho, filho de animal de carga. Não temas, ó filha de Sião; eis que o teu Rei vem assentado sobre o filho de uma jumenta. Mas chegastes ao monte Sião, e à cidade do Deus vivo, à Jerusalém celestial, e aos muitos milhares de anjos; Por isso também na Escritura se contém: Eis que ponho em Sião a pedra principal da esquina, eleita e preciosa; e quem nela crer não será confundido.  Mt 21.5; Jo 12.15; Hb 12.22; 1Pd 2.6).

“A palavra “Sião” significa “monte ensolarado”. Ainda que a palavra tenha uma ampla aplicação, (incluindo até mesmo o local do templo de Jerusalém, algumas vezes), indica a colina mais a oriental das duas sobre as quais Jerusalém foi edificada.
O monte Sião também é identificado com a Jerusalém “lá de cima” (Mas a Jerusalém que é de cima é livre; a qual é mãe de todos nós   Gl 4.26), e com a cidade de Deus nos céus ( Mas chegastes ao monte Sião, e à cidade do Deus vivo, à Jerusalém celestial, e aos muitos milhares de anjos Hb 12.22)”. A cidade de Davi aqui é era Jerusalém, confira; (Então congregou Salomão os anciãos de Israel, e todos os cabeças das tribos, os chefes dos pais dos filhos de Israel, diante de si em Jerusalém; para fazerem subir a arca da aliança do SENHOR da cidade de Davi, que é Sião.  1Rs 8.1). O templo foi edificado no monte de Moriá; o palácio de Davi, no monte Sião. Portanto, Sião se tornou o lugar escolhido como a sede do governo de Cristo durante o Milênio (E irão muitos povos, e dirão: Vinde, subamos ao monte do Senhor, à casa do Deus de Jacó, para que nos ensine os seus caminhos, e andemos nas suas veredas; porque de Sião sairá a lei, e de Jerusalém a palavra do Senhor. Mas no monte Sião haverá livramento, e ele será santo; e os da casa de Jacó possuirão as suas herdades. Is 2.3; Ob v.17). 
Com ele 144.000.
Novamente há aqui uma visão sobre os 144.000 vistos no capítulo sétimo deste livro. Durante a Grande Tribulação, esse grupo de assinalados são comparado ao “orvalho” ou “chuvisco”, e no Milênio a “leão” (E o remanescente de Jacó estará no meio de muitos povos, como orvalho da parte do Senhor, como chuvisco sobre a erva, que não espera pelo homem, nem aguarda a filhos de homens. E o restante de Jacó estará entre os gentios, no meio de muitos povos, como um leão entre os animais do bosque, como um leãozinho entre os rebanhos de ovelhas, o qual, quando passar, pisará e despedaçará, sem que haja quem as livre. Mq 5.7, 8). Esta passagem, muito provavelmente descreve o quadro do começo do Milênio. No capítulo 12.10, do livro de Apocalipse, João ouve uma grande voz (“no céu”); nesta secção porém, ele ouve uma voz (“do céu”). Evidentemente, que ele não estava no céu e, sim na terra neste momento.
 A visão, trata-se, pois, de uma antecipação:
O Cordeiro, na sua segunda vinda ou “parousia”, reunindo o grupo já mencionado no capítulo 7.4-8. São eles os 144.000 israelitas selados em suas frontes, preservados vivos, durante a grande Tribulação, agora o Senhor os reúne no monte de Sião. Neste versículo é descrita a natureza do selo: Tinham em suas testas o nome do Cordeiro e o de seu Pai.
“E ouvi uma voz do céu, como a voz de muitas águas, e como a voz de um grande trovão; e ouvi uma voz de harpistas, que tocavam com as suas harpas”.
Como a voz de muitas águas”.
 A descrição da palavra “voz” que se repete por quatro vezes no texto em foco, é similar à várias outras que aparecem no Apocalipse. A voz é associada ao “trovão”, conforme também se vê no presente versículo. Há quase sessenta ocorrências da “voz”, neste livro, e com certa variedade de discriminações. ( sobre isso veja em (E o sétimo anjo tocou a sua trombeta, e houve no céu grandes vozes, que diziam: Os reinos do mundo vieram a ser de nosso Senhor e do seu Cristo, e ele reinará para todo o sempre.  Ap 1.15, p.2).
Agora a “voz” assume uma qualidade musical, produzida por instrumentos de cordas. O grande som dos céus se transforma em uma música, e de natureza agradável. Tais simbolismos eram usados para mostrar a “bem-aventurança” daqueles que entrarem nos céus por meio do martírio; e isso visa também a consolar aqueles que em breve seriam  martirizados pelo próprio Anticristo (cf. 6.11,E depois daqueles três dias e meio o espírito de vida, vindo de Deus, entrou neles; e puseram-se sobre seus pés, e caiu grande temor sobre os que os viram. ). Nos versículos que se seguem, são chamados de “primícias”. Isto é, o nome que se dava à parte das coisas que os israelitas adquiriam para oferecer ao Senhor (hoje seria do pastor) (E, quando a filha do sacerdote se casar com homem estranho, ela não comerá da oferta das coisas santas. Semelhantemente toda a oferta de todas as coisas santificadas dos filhos de Israel, que trouxerem ao sacerdote, será sua. Disse mais o Senhor a Arão: Eis que eu te tenho dado a guarda das minhas ofertas alçadas, com todas as coisas santas dos filhos de Israel; por causa da unção as tenho dado a ti e a teus filhos por estatuto perpétuo. Assim também oferecereis ao Senhor uma oferta alçada de todos os vossos dízimos, que receberdes dos filhos de Israel, e deles dareis a oferta alçada do Senhor a Arão, o sacerdote. De todas as vossas dádivas oferecereis toda a oferta alçada do Senhor; de tudo o melhor deles, a sua santa parte. Lv 22.12; Nm 5.9; 18.8; 28 e 29).
Segundo o Dr. J. Davis, renomado teólogo, os primeiros frutos colhidos, penhores das futuras a serem colhidas, pertenciam ao Senhor.
Assim também, os 144.000 são as “primícias” dentre os israelitas comprados para Deus e para o Cordeiro.
“E cantavam um como cântico novo diante do trono, e diante dos quatro animais e dos anciãos; e ninguém podia aprender aquele cântico, senão os cento e quarenta e quatro mil que foram comprados da terra”. Cantavam um como cântico novo”.
O cântico do Senhor, é declarado nas Escrituras como “um novo cântico” ( E pôs um novo cântico na minha boca, um hino ao nosso Deus; muitos o verão, e temerão, e confiarão no Senhor. Cantai ao SENHOR um cântico novo, cantai ao SENHOR toda a terra. Louvai ao SENHOR. Cantai ao SENHOR um cântico novo, e o seu louvor na congregação dos santos. Sl 40.3; 96.1; 149.1) e só pode aprendê-lo aqueles que estão com seus pés em um lugar firme “como o monte de Sião, que não se abala, mas permanece para sempre” (Os que confiam no SENHOR serão como o monte de Sião, que não se abala, mas permanece para sempre.  Sl 125.1).
Não devemos nos esquecer de que os 144.000 regozijam-se porque foram “comprados dentre os homens”. Temos a frase dupla “comprados da terra” (um lugar pecaminoso) e “comprados como primícias” (os primeiros). Algumas versões dizem: “comprados” ou “resgatados” em lugar de “redimidos”. A última vez que vimos o Cordeiro ele estava diante do trono, no céu (9.9); aqui ele está na cidade Santa, Sião ou Jerusalém.
É bem provável que simbolicamente o monte Sião, signifique lugar de vitória e libertação. O Salmo 2, promete que o Ungido do Senhor será colocado “...sobre... o monte de Sião”. No Novo Testamento, todavia, Sião se tornou “a cidade do Deus vivo, à Jerusalém celestial” como já vimos (Hb 12.22). Os 144.000 são todos novas criaturas, e por este motivo entoam “um novo cântico” ao Cordeiro que os resgatou.
 “Estes são os que não estão contaminados com mulheres; porque são virgens.
Estes são os que seguem o Cordeiro para onde quer que vai. Estes são os que dentre os homens foram comprados como primícias para Deus e para o Cordeiro”.
Não estão contaminados com mulheres”.
A sabedoria divina divide este versículo em quatro partes distintas, como segue:
(a) Não estão contaminados.
É esta uma das razões que os faz “primícias” à semelhança de Cristo as primícias dos que dormem (  1Co 15.20). Isso não quer dizer (segundo se depreende) que os 144.000 são somente homens (ainda Mas de fato Cristo ressuscitou dentre os mortos, e foi feito as primícias dos que dormem.
que a expressão “não se contaminaram com mulheres” tenha esse sentido), ou meninos recém-nascidos que creram no Senhor, como tem sido interpretado por alguns eruditos.
 (b) São virgens.
Devemos compreender isto no sentido espiritual também (Então o reino dos céus será semelhante a dez virgens que, tomando as suas lâmpadas, saíram ao encontro do esposo.  Mt 25.1 e ss), em contraste com a igreja apóstata (14.8 de apocalipse), que espiritualmente era uma “prostituta que lá estava” (17.1 e ss). 
Significa que não foram desviados da fidelidade ao Senhor essa virgindade.
 Conservaram em si mesmos seu amor virginal.( Porque estou zeloso de vós com zelo de Deus; porque vos tenho preparado para vos apresentar como uma virgem pura a um marido, a saber, a Cristo. Vós, maridos, amai vossas mulheres, como também Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela. Tenho, porém, contra ti que deixaste o teu primeiro amor. 2Co 11.2; Ef 5.25-27; Ap 2.4.
 (c) São os que seguem o Cordeiro.
Essas palavras estão de acordo com o que lemos em(E, passando, viu Levi, filho de Alfeu, sentado na alfândega, e disse-lhe: Segue-me. E, levantando-se, o seguiu. E Jesus, olhando para ele, o amou e lhe disse: Falta-te uma coisa: vai, vende tudo quanto tens, e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, toma a cruz, e segue-me. E disse a outro: Segue-me. Mas ele respondeu: Senhor, deixa que primeiro eu vá a enterrar meu pai. No dia seguinte quis Jesus ir à Galiléia, e achou a Filipe, e disse-lhe: Segue-me. Mc 2.14; 10.21; Lc 9.59; Jo 1.43 e 21.19), que falam sobre as exigências do discipulado cristão e sobre o fato que Cristo chama alguns para “segui-lo”.
As exigências feitas por Cristo ao discipulado é “renúncia total”, e logo a seguir: “tomar a cruz”.
O caráter dos 144.000 demonstra isso muito bem, a seriedade em suas vidas e no seu caráter, os declarou “pioneiros da fé” não fingida durante o sombrio tempo de extrema apostasia.
(d) Como primícias.
Isso é dito também acerca de Cristo, em primeiro Coríntios 15.20 como já vimos anteriormente, quando Paulo faz uma importante defesa sobre a “ressurreição”.
Paulo diz que Cristo ressuscitou, como o emblema expressivo, da ressurreição da imortalidade. Na qualidade de “colheita”, Cristo foi o primeiro exemplar.
 No presente texto, os 144.000 foram também aceitos como os primeiros exemplares a aceitarem o testemunho de Cristo, e por cuja razão são contados como “primícias”, e “seguidores” do Cordeiro para onde quer que vai.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Responderemos a todos sempre que necessário.Obrigado pela visita ao site.

O Crente Pode Se Vestir Como Quiser? Não haverá traje de homem na mulher, e nem vestirá o homem roupa de mulher; porque, qualquer que faz isto, abominação é ao Senhor teu Deus. Deuteronômio 22:5

Quando lemos passagens como esta percebemos que Deus queria realmente proteger a sua criação de tomar rumos aos quais Ele não aprovaria. E ...