Os Frutos De Um Verdadeiro Arrependimento (Mateus 3: 7-12).

  • Um Verdadeiro  Arrependimento, A pregação de João, essênios, saduceus, Batismo de João.

Os Frutos De Um Verdadeiro  Arrependimento .
Mas, vendo ele muitos dos fariseus e dos saduceus que vinham ao  batismo, disse-lhes: "Raça de víboras, quem vos ensinou a fugir  da ira vindoura. Portanto produzir frutos dignos de  arrependimento? E não supor que vocês podem dizer a si mesmos temos por pai a Abraão, porque eu digo a vocês, que Deus é  capaz de destas pedras suscitar filhos a Abraão.
 E o machado já está  posto à raiz das árvores, cada árvore pois, que não produz bom fruto é cortada e lançada ao fogo. Quanto a mim, eu te batizo com  água para o arrependimento, mas aquele que vem depois de mim  é mais poderoso do que eu, e eu não estou apto para remover suas  sandálias. Ele vos batizará com o Espírito Santo e com fogo. E a pá ele tem na mão, e Ele o fará bem claro a sua eira (limpará seu pátio), e Ele  irá reunir seu trigo no celeiro, mas queimará a palha em fogo  inextinguível, (Evangelho de Mateus 3: 7-12).
Mateus registra aqui uma  amostra da pregação de João Batista. O relato também de Lucas em ( capitulo 3: 1-18), nos  dá mais detalhes, mas a mensagem é a mesma. 
(Um chamado ao arrependimento  e ao batismo).
Que requer uma mudança interior da mente e do coração dos humanos, junto com um ato externo  de transformação, uma mudança e, ainda mais importante, uma forma de viver diferente.
 As "muitas outras exortações" que João batista pregou (Lucas 3:18),  possivelmente, consistia principalmente de mais exemplos como o dos frutos dignos de arrependimento, é como os humanos agem depois de darem créditos ao Evangelho. Veja esse relato:
 ( E eis que havia ali um homem chamado Zaqueu; e era este um chefe dos publicanos, e era rico. E procurava ver quem era Jesus, e não podia, por causa da multidão, pois era de pequena estatura. E, correndo adiante, subiu a uma figueira brava para o ver; porque havia de passar por ali. E quando Jesus chegou àquele lugar, olhando para cima, viu-o e disse-lhe: Zaqueu, desce depressa, porque hoje me convém pousar em tua casa. E, apressando-se, desceu, e recebeu-o alegremente. E, vendo todos isto, murmuravam, dizendo que entrara para ser hóspede de um homem pecador. E, levantando-se Zaqueu, disse ao Senhor: Senhor, eis que eu dou aos pobres metade dos meus bens; e, se nalguma coisa tenho defraudado alguém, o restituo quadruplicado. Lucas 19:2 ao 8).
A pregação de João era simples e sua mensagem foi limitada atendendo se para o que era mais  importante, mas ele cumpre  sua vocação singular como o arauto da vinda grande Rei dos judeus. Esse era o rei dos judeus o Messias prometido com certeza.
(Porque Moisés disse aos pais: O Senhor vosso Deus levantará de entre vossos irmãos um profeta semelhante a mim; a ele ouvireis em tudo quanto vos disser. E acontecerá que toda a alma que não escutar esse profeta será exterminada dentre o povo. E João, ouvindo no cárcere falar dos feitos de Cristo, enviou dois dos seus discípulos a dizer-lhe: 
És tu aquele que havia de vir, ou esperamos outro?
E Jesus, respondendo, disse-lhes: 
Ide, e anunciai a João as coisas que ouvis e vedes: Os cegos vêem, e os coxos andam; os leprosos são limpos, e os surdos ouvem, os mortos são ressuscitados, e aos pobres é anunciado o evangelho. Atos 3:22,23, Mateus 11:2-5).
 Ele João Batista cumpriu  o seu ministério com uma ousadia e coragem e energia  sincera com muita devoção que fez com que o rei dissesse sobre ele.
"Em verdade vos digo que, entre os nascidos de mulher, não surgiu ninguém maior do que João Batista" (Mat. 11:11). Ele foi o maior dos profetas
Na narrativa de 3: 7-12  de Mateus ele concentra-se em quatro elementos principais. 
1 - A congregação .
2 - O  confronto.
3 - A condenação, 
4 - E pela consolação.
Mas, vendo ele muitos dos fariseus e dos saduceus que vinham ao batismo.
Se faz necessário dizer que o batismo de João não era o batismo cristão, mas batizava se eles crescem no que havia de vir, (Jesus) Atos 19.4.
É óbvio que eles teriam de ser batizados com o batismo cristão logo depois.
Perguntou-lhes, então: 
Em que sois batizados então? 
E eles disseram: 
No batismo de João. 
Mas Paulo disse: 
Certamente João batizou com o batismo de arrependimento, dizendo ao povo que cresse no que após ele havia de vir, isto é, em Jesus Cristo. 
E os que ouviram foram batizados em nome do Senhor Jesus, Atos 19:3-5. 
Esse batismo era realizado conforme esta escrito em Mateus 28.
E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-me dado todo o poder no céu e na terra.
Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém, Mateus 28:18-20.
João  foi aquele profeta que anunciava a chegada do Messias Salvador de Israel.
Então Paulo lhes explicou:
O batismo realizado por João foi um batismo de arrependimento. 
Ele ordenava ao povo que cresse naquele que viria depois dele, ou seja, em Jesus!”
O batismo de João era o de arrependimento. Aquele que recebia esse batismo estava reconhecendo-se pecador diante de Deus e acreditava na chegada do Messias.
Já o batismo de Cristo tinha a eficácia de purificar do pecado e conferir a graça ao pecador arrependido.
Tomás de Aquino, afirmou sobre Cristo;
Ele nem precisava receber a remissão dos pecados, dos quais estava isento, nem de receber a graça, da qual tinha a plenitude com Ele.
Talvez este tenha sido o principal motivo pelo qual João Batista ficara desconfortável quando Jesus pediu que fosse batizado por ele. 
João sabia que naquele homem não se encontrava qualquer tipo de pecado. 
Dessa maneira, Jesus não precisava do batismo de João porque não tinha do que se arrepender. Entre o grande número de pessoas que saiu para ver João no deserto (v. 5) foram muitos  dos fariseus e dos saduceus , os quais o Batista lhes deu  um aviso especial e repreensão.
Temos no Novo Testamento três grupos, ou seitas, que tinham se desenvolvido que foram bastante distinta dentro do judaísmo. 
Além dos dois mencionados aqui (e muitas vezes nos Evangelhos e Atos), foram os essênios destacados.
 A maioria dos essênios eram solteiros, mas que  muitas vezes tinham sido adotado quando crianças de outras famílias judias. Esses judeus secretos e ascéticos  viviam em sua maior parte em comunidades isoladas, exclusivos e austeros, na costa noroeste do Mar Morto. 
Eles passaram muito tempo a copiar as Escrituras, e é a eles que devemos a valiosa e útil (Morto Sea Scrolls-descoberto muito proveitoso) Manuscritos Do Mar Morto, por acaso, em 1947, por um jovem pastor árabe. 
Mas os essênios tinha pouco contato com  ou influência sobre a sociedade do seu próprio tempo e não são mencionados  muito no Novo Testamento.
Os Fariseus.
Os fariseus , porém, foram um grande contraste com os essênios.
 Eram igualmente um povo separado, mas foram encontrados em sua maior parte nas cidades maiores, como Jerusalém.  Eles eram uma associação muito no mainstream da vida judaica e faziam questão de ser notado ou admirado.  
Jesus expôs como fazer "todos os seus atos a ser  percebido pelos homens, e eles adoravam o lugar de honra nos banquetes e os primeiros assentos nas sinagogas, e respeitosas saudações nas praças, e o ser chamado pelos homens, de rabino" ( Mateus 23: 5-7; cf.. 6: 2, 5).
Não existe nenhuma documentação específica a respeito de exatamente como ou quando essa seita farisaica começou, mas é provável que se desenvolveu a partir de um antigo grupo chamado os hassídicos, cujo nome significa "piedosos" ou "santos".  O hassidismo  surgiu no século II AC , durante o período intertestamentário. 
A Palestina estava sob a regra  helenística (grego) dos reis  Selêucidas por muitos anos. Nesse tempo patriotas judeus, sob a  liderança de Judas Macabeu, lideraram uma revolta  quando Antíoco Epifânio tentou forçar sua  cultura pagã encima da religião judaica. Esse tirano desprezível  profanou o  Templo, sacrificando um porco no altar e forçando a carne sacrificada goela abaixo dos  sacerdotes isso era abominação dupla para os judeus, porque a lei de Moisés, os proibia de comer carne de porco.
( Destes, porém, não comereis; dos que ruminam ou dos que têm unhas fendidas; o camelo, que rumina, mas não tem unhas fendidas; esse vos será imundo; E o coelho, porque rumina, mas não tem as unhas fendidas; esse vos será imundo; E a lebre, porque rumina, mas não tem as unhas fendidas; essa vos será imunda. Também o porco, porque tem unhas fendidas, e a fenda das unhas se divide em duas, mas não rumina; este vos será imundo. Das suas carnes não comereis, nem tocareis nos seus cadáveres; estes vos serão imundos. Porém estes não comereis, dos que somente ruminam, ou que têm a unha fendida: o camelo, e a lebre, e o coelho, porque ruminam mas não têm a unha fendida; imundos vos serão. Nem o porco, porque tem unha fendida, mas não rumina; imundo vos será; não comereis da carne destes, e não tocareis nos seus cadáveres
 Lev. 11: 4-8 ; Dt 14: 7-8).
Quero ressaltar aqui que hoje no tempo da graça esses preceitos já não é necessário guardar.
Hoje todo o tipo de animal é permitido comer. Exatamente porque com Cristo o fim da Lei foi 
decretado.
Portanto, ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa dos dias de festa, ou da lua nova, ou dos sábados, (Porque temos igrejas que guardam o sábado desnecessariamente). Que são sombras das coisas futuras, mas o corpo é de Cristo.
Ninguém vos domine a seu bel-prazer com pretexto de humildade e culto dos anjos, envolvendo-se em coisas que não viu; estando debalde inchado na sua carnal compreensão, E não ligado à cabeça, da qual todo o corpo, provido e organizado pelas juntas e ligaduras, vai crescendo em aumento de Deus. 
Se, pois, estais mortos com Cristo quanto aos rudimentos do mundo, por que vos carregam ainda de ordenanças, como se vivêsseis no mundo, tais como:
Não toques, não proves, não manuseies? (Isso fala  de rituais tis como os da lei de Moises)
As quais coisas todas perecem pelo uso, segundo os preceitos e doutrinas dos homens;
As quais têm, na verdade, alguma aparência de sabedoria, em devoção voluntária, humildade, e em disciplina do corpo, mas não são de valor algum senão para a satisfação da carne. 
Ora, quanto ao que está enfermo na fé, (Aquele que é cristão mas está confuso com isso) recebei-o, não em contendas sobre dúvidas. 
Porque um crê que de tudo se pode comer, e outro, que é fraco, come legumes. O que come não despreze o que não come, e o que não come, não julgue o que come; porque Deus o recebeu por seu. 
Quem és tu, que julgas o servo alheio? 
Para seu próprio senhor ele está em pé ou cai. Mas estará firme, porque poderoso é Deus para o firmar. Um faz diferença entre dia e dia, mas outro julga iguais todos os dias. Cada um esteja inteiramente seguro em sua própria mente. Aquele que faz caso do dia, para o Senhor o faz e o que não faz caso do dia para o Senhor o não faz. 
O que come, para o Senhor come, porque dá graças a Deus; e o que não come, para o Senhor não come, e dá graças a Deus. Porque nenhum de nós vive para si, e nenhum morre para si. 
Porque, se vivemos, para o Senhor vivemos; se morremos, para o Senhor morremos. De sorte que, ou vivamos ou morramos, somos do Senhor.
Porque foi para isto que morreu Cristo, e ressurgiu, e tornou a viver, para ser Senhor, tanto dos mortos, como dos vivos. 
Mas tu, por que julgas teu irmão? 
Ou tu, também, por que desprezas teu irmão? 
Pois todos havemos de comparecer ante o tribunal de Cristo. Porque está escrito:
Como eu vivo, diz o Senhor, que todo o joelho se dobrará a mim, e  toda a língua confessará a Deus. 
De maneira que cada um de nós dará conta de si mesmo a Deus. 
Assim que não nos julguemos mais uns aos outros; antes seja o vosso propósito não pôr tropeço ou escândalo ao irmão.
Eu sei, e estou certo no Senhor Jesus, que nenhuma coisa é de si mesma imunda, a não ser para aquele que a tem por imunda. Para esse é imunda. Mas, se por causa da comida se contrista teu irmão, já não andas conforme o amor. 
Não destruas por causa da tua comida aquele por quem Cristo morreu. 
Não seja, pois, blasfemado o vosso bem.
 Porque o reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo.
Colossenses 2:16-23, Romanos 14:1-17
Os hassidismos estavam entre os  defensores da revolta, até que seus líderes começaram a se tornar mundanos e politizados. Muitos eruditos acreditam que os fariseus , são provavelmente ramo dos  essênios  descendido.
 A palavra fariseu significa "os separados", e membros da seita  diligentemente isso faz jus ao seu nome. 
A entrada para o grupo era estritamente controlada por períodos de estágio com a duração de um ano, durante o qual o candidato a fariseu tinha de provar sua capacidade de seguir a lei dentro de um ritual. Eles separaram-se não só dos gentios,  mas a partir de cobradores de impostos e quaisquer outros a quem eles consideravam base "pecadores" (Lucas 7:39). 
Eles olhavam com desdém para um  judeu comum, a  quem um grupo de fariseus em Jerusalém, uma vez se refere a como "maldito".
( Creu nele porventura algum dos principais ou dos fariseus? Mas esta multidão, que não sabe a lei, é maldita. João 7:48,49). 
Para eles quem cria em Jesus não sabia a lei e era maldito.
Depois de sair do mercado ou qualquer reunião pública, eles teriam o mais  rapidamente possível de realizar lavagens cerimoniais para purificar-se de uma possível contaminação de tocar alguma pessoa impura. 
Os fariseus formaram um hipócrita, comunidade "santa" no seio da comunidade. Eles eram isolacionistas legalistas que não tinham nenhuma consideração ou respeito para 
aqueles fora de sua seita.  Eles acreditavam fortemente na soberania de Deus e no destino Divino e que só eles eram o verdadeiro Israel. 
Eles se consideravam super espirituais, mas a  sua "espiritualidade" era inteiramente externa, que consistia na busca da observância meticulosa de uma infinidade de rituais e tabus religiosos, a maioria das quais eles e vários outros líderes religiosos tinham elaboradas ao longo dos vários séculos anteriores como suplementos  para a lei de Moisés. 
Estes suplementos eram conhecidos coletivamente como "a tradição  dos anciãos", a respeito da qual Jesus deu aos fariseus uma de suas mais fortes repreensões, acusando-os de "ensinando doutrinas que são preceitos dos homens" (Mat. 15: 2-9). 
Na época de Cristo, os fariseus tinham perdido a maior parte do seu nacionalismo que tinham anteriormente. 
Outra seita, a dos  os Zealotes, tornou-se a associação para aqueles  cuja principal preocupação era a independência judaica. Única lealdade dos fariseus era  a si mesmos, às suas tradições e à sua própria influência e prestígio. Por sua estrita adesão  a essas tradições que esperavam colher grande recompensa no céu. Mas eles foram a  epítome do vazio religioso e hipócritas, como Jesus frequentemente salientado.
Os zelotes eram uma seita judaica radical do tempo de Jesus. Os zelotes acreditavam na luta armada contra os romanos e esperavam um Messias guerreiro. Simão, um dos 12 apóstolos, era conhecido como “o zelote”.
O nome “zelote” vem de “zelo”, que significa devoção fervorosa. 
Os zelotes levaram sua devoção à Palavra de Deus ao extremo, acreditando que deviam fazer tudo para a defender, até matar pessoas. Para os zelotes, a dominação romana era uma afronta que não podia ser tolerada. Israel era a nação escolhida de Deus mas os romanos não criam em Deus nem O honravam. Os judeus não se deviam associar a gentios. Por isso, os romanos precisavam ser expulsos da Terra Santa, usando força.
Os zelotes causaram várias rebeliões violentas contra o império romano, ao longo de cerca de 100 anos. Todas as rebeliões falharam. Uma das maiores rebeliões incitadas pelos zelotes culminou na destruição do templo de Jerusalém, em 70 d.C., como Jesus tinha predito (Marcos 13:1-2., Mat. 15: 7; 22:18; 23:13, 23, 25; etc.). 
Os saduceus
Os saduceus estavam na outra extremidade dos judeus religiosos Spectrum-os  ultraliberais.
 A origem de seu nome é incerto, mas muitos estudiosos modernos acreditam que ele é derivado de Zadok (Sadok na Septuaginta, o Antigo Testamento grego), o nome de um homem que era sacerdote sob Davi (2 Sam. 8:17) e um chefe sob Salomão (1 Reis 01:32). 
Esta seita também surgiu durante o período intertestamental, mas entre a aristocracia sacerdotal. Eles eram comprometedores, tanto religiosamente e politicamente. Eles pouco se importavam com a cultura grega, com sua ênfase em filosofia  e intelectualismo, mas foram muito atraídos para os pragmáticos, romanos nas práticas. Os saduceus alegavam a aceitar a lei de Moisés como a suprema autoridade religiosa e só, e eles desprezavam as tradições legalistas de seus antagonistas, os fariseus. 
Nos tempos do  Novo Testamento, eles ainda estavam intimamente associados com a classe sacerdotal (veja Atos 05:17), na medida em que o terrus sumo sacerdote e Sadducee foram usados quase como sinônimos (como eram os termos escriba e fariseu ). 
Mas eles pouco se  importavam com a religião, especialmente a doutrina, e negavam a existência de anjos, também a ressurreição, e a maioria das coisas sobrenaturais das quais cremos hoje. (Atos 23: 6-8). 
Conseqüentemente, eles viviam apenas para o presente, recebendo tudo o que podiam de quem eles poderiam gentios e judeus companheiros iguais. Eles acreditavam na autonomia humana extrema e  na liberdade ilimitada da vontade. 
Eles se consideravam se donos de seus próprios destinos. 
Os saduceus eram muito menos numerosos do que os fariseus e foram extremamente rico. Entre outras coisas, sob a liderança de Annás eles corriam ao Templo franquias o troca e venda de animais de sacrifício e cobrando exorbitantes valores para esses  serviços.
 Foi, portanto, o negócio dos saduceus que Jesus danificou quando ele expulsou  os cambistas e vendedores de sacrifício para fora do Templo (Matt. 21: 12-13). 
Por causa de sua grande riqueza, ali no Templo a extorsão, e afiliação com os romanos, os 
saduceus eram muito menos popular com seus colegas judeus que eram os fariseus, e que 
era fortemente religiosa mas tiveram alguma medida de lealdade nacional.
Religiosamente, politicamente e socialmente os fariseus e saduceus tinham quase nada 
em comum. Os fariseus eram ritualística; os saduceus eram racionalista.
 Os fariseus eram 
separatistas rigorosos; os saduceus compreendendo colaboradores. 
Os fariseus eram plebeus (a maioria deles tinha um comércio), enquanto os saduceus eram 
aristocratas. Ambos os grupos tiveram membros entre os escribas e foram representados 
no sacerdócio e no Conselho Superior judaico, no Sinédrio; Ainda que eram quase 
constante em oposição um ao outro. 
Durante a época do Novo Testamento sobre a única  base comum exibiram foi oposição a Cristo e Seus seguidores (Mt 22: 15-16, 23, 34-35;  Atos 4:. 1; 23: 6).
Eles tinham um outro motivo religioso e espiritual comum. Os fariseus espera sua 
recompensa no céu, enquanto os saduceus eles esperavam nessa vida, mas a confiança de 
ambos os grupos foi em obras pessoais e auto-esforço. 
Ambos enfatizaram o superficial e não essenciais, e não tinha nenhuma preocupação com a genuína vida espiritual interior ou para o bem-estar de seus semelhantes. 
Isso era "o fermento dos fariseus e saduceus", 
o hipócrita, egoísta, externalismo morto sobre o qual Jesus advertiu seus discípulos (Mt  16: 6.).
Durante a maior parte de sua história, a igreja teve suas próprias marcas de fariseus e  saduceus, os seus ritualistas e seus racionalistas. 
Se olharmos para a salvação e bênção  através de cerimônias prescritas e práticas legalistas, isso é encontra o significado  religioso e propósito em, crenças e padrões existenciais que dão resultados.
 Um deles é conservador  e o outro é liberal, mas a esperança e confiança de ambos os grupos é em si mesmos, no  que eles podem realizar ou realizar por suas próprias ações e vontades.
É provavelmente por causa disso com visão espiritual mais profunda que Mateus fala 
deles como um grupo, e enfatiza pelo uso de um único artigo definido ( a ) em vez de 
dois (" os fariseus e os saduceus "). 
Resulta da resposta de João para eles que ele considerava seu problema básico.
Este grupo estava vindo para o batismo, a preposição grega epi ( para ) que está sendo usada  é uma construção que indica claramente o propósito.  À luz do vestido pouco ortodoxa de João e com seu estilo e suas exortações proféticas  autoritária, é de difícil imaginação por 
que os fariseus e saduceus auto-justos e orgulhosos pediriam para ser batizado por 
ele. 
Alguns deles podem ter sido simplesmente curioso, queriam ser batizados. Talvez seja mais provável, no entanto,  que eles suspeitavam que João poderia de fato ser um profeta, como muitas das pessoas  acreditavam (Matt. 14: 5), e que eles queriam para checá-lo mais amiúde, o quanto 
poderiam.
Se ele fosse um profeta genuíno talvez pudessem ganhar a sua aprovação, então o pretexto de espiritualidade e arrependimento, e capitalizar ou mesmo até assumir o movimento 
no caminho como oportunistas religiosos de  hoje. 
Quaisquer que sejam suas razões eram, motivos errados. Eles não estavam buscando a verdade de Deus ou do trabalho  de Deus em suas próprias vidas. Eles não estavam arrependidos, eles não haviam confessado seus pecados, eles não tinham mudado nada, como João já sabia muito bem. 
Eles não estavam realmente procurando a verdadeira justiça que liberta do julgamento vindouro, a ira de Deus. Eram as mesmos presunçosos, hipócritas. Quando eles vieram a se encontrar com João.
A confrontação.
Ele disse-lhes: "Raça de víboras, quem vos ensinou a fugir da ira  vindoura?" (3: 7b)  
A consciência da falsidade e falta de arrependimento dos fariseus e dos saduceus para João é evidente que  ele falara  palavras fortes. 
Eles pretendiam levar a sua hipocrisia até ao ponto  de se submeter ao batismo de João, para  alcançar qualquer objetivo e  motivos que poderiam levar a se aproximar de João. 
Jesus usou o mesmo epíteto (raça de víboras ) para descrever os fariseus em várias ocasiões (Mt 0:34;. 23:33). Vipers ( Echidna ) eram  pequenos mas como cobras do deserto muito venenosas, o que teria sido bastante familiar para João Batista.
Eles foram feitos ainda mais perigoso pelo fato de que, quando ainda, pareciam um galho morto e foram muitas vezes apanhados involuntariamente. Isso é  exatamente o que Paulo fez na ilha de Malta, quando ele foi para pegar lenha para uma  fogueira depois do naufrágio. 
Como indicado pela resposta dos nativos que foram fazer  amizade Paulo e os outros, a mordida da víbora era potencialmente fatal, embora Paulo milagrosamente " não sofrera nenhum dano" (Atos 28: 3-5).
Chamando os fariseus e saduceus uma raça de víboras apontou o perigo da sua hipocrisia, como religioso bem como o fato de que seu trabalho ímpio ter sido repassados a eles pela serpente original (Gn 3: 1-13) através de seus antepassados espirituais , de quem eles eram a ninhada , ou crias. 
Como a víbora do deserto, eles muitas  vezes parecia ser inofensivo, mas a sua marca de santidade (cf. 2 Tm. 3: 5) era muito venenosa e mortal. Em sua série de confrontos contra os escribas e fariseus, Jesus disse: "Vocês  desligaram do reino dos céus os homens, assim vocês não entrarem , nem  permiti que aqueles que estão entrando possam seguir" (Mt 23.: 13). Eles eram responsáveis por manter inúmeros judeus  fora do reino, e, portanto, da salvação e da vida espiritual.
Em Mateus 23:33 Jesus chama os escribas e fariseus "serpentes", bem como uma "raça 
de víboras", sugerindo ainda mais diretamente que seu verdadeiro pai espiritual era 
Satanás, como Ele cobra especificamente em João 8:44 (cf. Rev. 12: 9; 20: 2). 
Esses hipócritas religiosos eram crianças de Satanás que fazem o trabalho enganador dele.
A questão.
 Quem vos ensinou a fugir continua a figura da víbora. 
Um incêndio de um agricultor ao queimar os talos em seu campo após a colheita colocaria víboras e outras  criaturas para fugir antes que das chamas, a fim de escapar. Era uma visão comum em  muitas das regiões mediterrâneas e árabes, em que João, o Batista, sem dúvida, tinha visto 
muitas vezes. 
A implicação é que os fariseus e saduceus estavam esperando o batismo de João para ser uma espécie de seguro contra incêndio espiritual, dando proteção contra as chamas da ira vindoura . O verdadeiro arrependimento e conversão protege da ira de  Deus  e do julgamento, mas profissões superficiais e insinceras ou atos de fé dessa maneira tendem apenas a endurecer as pessoas contra a crença genuína em Deus dando uma falsa sensação de segurança. 
João não seria parte de tal hipocrisia ou farsa. 
Foi o engano do seu verdadeiro mestre, Satanás, e não medo genuíno do juízo de Deus, que os levara para fora para ouvir  João e buscar seu batismo como uma formalidade pretensiosa
.A acusação de João deve ter picado profundamente esses falsos líderes religiosos, que se 
consideravam muito acima do homem comum em sua relação com Deus e Seu reino. 
João e Jesus, caracterizados por eles como enganadores, em vez de líderes enviado por Deus, denunciadores da escuridão espiritual  que eles viviam, como filhos do diabo, em vez de filhos de Deus.
A condenação.
Portanto podem produzir frutos dignos de arrependimento e não acho que vocês possam dizer a si mesmos: 'Temos por pai a Abraão, pois eu vos digo, que Deus é capaz de dessas pedras suscitar filhos a Abraão.
E o machado já está posto à raiz das árvores e toda árvore, pois que não produz bom fruto é cortada e lançada ao fogo. (3: 8-10).
As marcas de um coração verdadeiramente arrependido são frutos dignos de arrependimento, ou como Paulo descreveu-os ao rei Agripa, "ações apropriadas ao arrependimento" (Atos 26:20). Em seu relato paralelo Lucas menciona vários exemplos do tipo de fruta que João estava falando. 
Para a multidão geral, ele disse: 
"Deixe o homem que tem duas túnicas compartilhar com quem não tem nenhuma, e aquele que tem comida faça o mesmo" (Lucas 3:11). Para os coletores de impostos, ele disse, "Colete não mais do que o que lhe foi ordenado que" (v. 13), e alguns soldados, ele disse: "Não leve dinheiro de ninguém pela força, ou acusar alguém falsamente, e se contentar-se com o seu salário "(v. 14).
Como Tiago aponta: 
"A fé, se não tiver obras, é morta" (Tiago 2:17). 
João diz em sua primeira epístola: 
"Aquele que pratica a justiça é justo, assim como ele é justo" (1 João  3: 7); e que "se alguém diz:" Eu amo a Deus, e odiar a seu irmão, é mentiroso, pois quem não ama a seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê "(4:20 ). 
As nossas ações para com nossos semelhantes são indicadores de nossa verdadeira atitude para 
com Deus. Axios ( de acordo com ) tem a idéia de raiz de ter o mesmo peso ou valor, e, portanto, de ser adequado. 
Verdadeiro arrependimento não só deveria, mas vai ter obras  correspondentemente genuínas, demonstrada em atitudes e ações. Relacionamento correto com Deus traz relacionamento correto com nossos companheiros seres humanos,  pelo menos tanto quanto a nossa parte está na causa (cf. Rom. 12:18). 
Aqueles que afirmam conhecer a Cristo, que afirmam que nascer de novo, vai demonstrar uma nova maneira de viver que corresponda ao novo nascimento. Os fariseus e saduceus sabia muita coisa sobre o arrependimento. Que Deus perdoa plena e livremente os pecados do penitente é uma doutrina básica do judaísmo. 
Os rabinos antigos diziam: 
"Grande é o arrependimento, pois traz a cura para o mundo. 
Grande é o arrependimento, para que ele chegue ao trono de Deus", e, "Um homem pode disparar uma flecha por alguns estádios, mas o arrependimento chega a o trono de Deus. 
" Alguns rabinos sustentavam que a lei foi criado há dois mil anos antes de o mundo, mas que o arrependimento foi criada antes mesmo da lei. 
O significado claro de arrependimento no  judaísmo sempre foi uma mudança na atitude do homem para com Deus, que resulta em uma reforma moral e religiosa da conduta do indivíduo. O grande estudioso judeu medieval Maimonides disse do conceito judaico tradicional de arrependimento: 
"o que é o arrependimento? 
Arrependimento é que o pecador abandona o seu pecado, coloca-lo para fora de seus pensamentos, e totalmente resolve em sua mente que ele nunca vai fazer isso de novo?. "Tal entendimento do arrependimento é basicamente consistente com o ensino do Antigo Testamento. O arrependimento sempre envolve uma mudança de vida, uma renúncia ao 
pecado e fazer justiça. 
O Senhor declarou através de Ezequiel: 
"Quando o justo se apartar da sua justiça, e cometendo iniqüidade, então ele morrerá, mas quando o ímpio se converter da sua impiedade e as práticas de justiça e retidão, viverá por eles." (Ez 33.: 18-19). 
Oséias implorou: 
"Volta, ó Israel, para o Senhor, teu Deus, para você ter tropeçado  por causa de sua iniqüidade Tome palavras com você e voltar para o Senhor disse a ele: 'Tira toda a iniquidade, e recebe o bem'.". (Os. 14: 1-2). Depois do aviso relutante, mas poderosa de Jonas a Nínive, "Deus viu as suas obras, que se converteram do seu mau caminho, [e] então Deus se arrependeu do mal que tinha dito que traria sobre eles. 
E Ele  não fez isso" ( Jonas 3:10). 
Nínive trouxe frutos dignos de arrependimento. A idéia de que o arrependimento é evidenciado pela renúncia do pecado e de uma vida reta não se originou com João Batista, mas tinha sido uma parte integrante do judaísmo ortodoxo. 
Rabinos fiéis havia ensinado que uma das passagens mais importantes da Escritura foi: "Lavai-vos, tornar-se limpos;. Remover o mal de seus atos de minha vista Cessar de fazer o mal, aprendei a fazer o bem, buscar a justiça, convencerá o implacável, Defender o órfão, defendei a causa da viúva "(Is. 1: 16-17).
Teólogo Erich Sauer, em O Triunfo do Crucificado (. Grand Rapids: Eerdmans, 1951, p 67), fala de arrependimento como "uma ação tríplice.
 No entender que significa  conhecimento do pecado, nos sentimentos que significa dor e tristeza;. e na vontade que significa uma mudança de mente ". 
O verdadeiro arrependimento antes de tudo envolve a compreensão e discernimento, aconsciência intelectual da necessidade de purificação moral e espiritual e mudança. 
Em segundo lugar, ela envolve nossas emoções. 
Chegamos a sentir a necessidade de que a nossa mente sabe. 
Em terceiro lugar, que envolve ações apropriadas que resultam de o que nossa mente conhece e nosso coração sente. O reconhecimento do pecado pessoal é o primeiro passo importante. 
Mas, por si só é inútil, até mesmo perigoso, porque tende a fazer uma pessoa pensar que o mero 
reconhecimento é tudo o que é necessário. 
Um faraó endureceu admitiu seu pecado (Ex. 09:27), a Balaão vacilante admitiu que a sua (Num. 22:34), gananciosa vontade reconheceu sua (Joué. 7:20), e um Saul insincero confessou sua (1 Sam. 15:24). 
O jovem rico que perguntou a Jesus como ter a vida eterna retirou-se triste, mas não arrependido 
(Lucas 18:23). Mesmo Judas, desesperando-se com a traição de Jesus, disse aos chefes dos sacerdotes e pelos anciãos,. "Pequei, traindo sangue inocente" (Mat. 27: 4). 
Todos esses homens reconheceram o seu pecado, mas nenhum deles se arrependeu. Eles estavam experimentando o que Paulo chamou de "a tristeza do mundo", que "produz a morte" em 
vez do "tristeza segundo Deus", que "produz um arrependimento" (2 Cor. 7: 10-11). O verdadeiro arrependimento inclui um profundo sentimento de injustiça e do pecado contra Deus. Davi começa a seu grande salmo penitencial  gritando: "Tem misericórdia de mim, ó Deus, segundo a tua benignidade, de acordo com a grandeza da Tua compaixão apaga as minhas transgressões" (Sl 51: 1.). 
Ele não apenas viu claramente o seu pecado, mas profundamente sentida sua necessidade de se livrar dele. Em outro salmo, ele declarou: "Quando fiquei em silêncio sobre o meu pecado, meu corpo definhava por eu gemer durante todo o dia" (Sl. 32: 3). A dor de verdadeiro arrependimento é como o de Davi. É a dor de ofensa contra um Deus  santo, e não simplesmente se arrepender sobre as consequências pessoais do nosso pecado. 
Tristeza sobre ser descoberto ou sobre sofrendo dificuldades ou disciplina por causa do nosso pecado não é a tristeza segundo Deus; e não tem nada a ver com o arrependimento. 
Esse tipo de dor é, mas arrependimento egoísta, a preocupação com a auto e não para Deus. Limitou-se adiciona ao pecado original.
Mesmo reconhecimento do pecado e do sentimento de ofensa a Deus não completar 
arrependimento. Se for genuíno, que irá resultar numa mudança de vida que leva frutos dignos de arrependimento. Davi, depois de confessar e expressando grande remorso pelo seu pecado contra Deus, determinou que, com a ajuda de Deus, ele iria abandonar seu pecado e voltar-se para a justiça. "Cria em mim um coração puro, ó Deus, e renova um espírito inabalável dentro de mim, ... 
Então, ensinarei aos transgressores os teus caminhos, e os pecadores serão convertidos a Ti" (Sl. 51:10, 13). Fruta é sempre visto na Escritura como o comportamento manifestado (cf. Mat. 7:20).
A grande puritano Tomé Goodwin foi chamado para o arrependimento com estas palavras 
marcantes: 
Cair sobre os teus joelhos diante dele, e com um coração partido à água, reconhecer, 
porque  tua traição e rebeliões contra ele que nunca tinha de te machucar; e reconhecer se com uma corda pronto equipada para o teu pescoço por tuas próprias mãos, como servos de que Ben-Hadade usava. 
Isto é, confessando que, se ele vai pendurar-te para cima, ele pode .... Diga a Ele para que Ele possa mostrar a sua justiça sobre ti, se ele quiser; e apresentar teu peito nu, a tua alma de ódio, como um rabo e marca para ele, se ele, por favor, para atirar suas flechas para dentro e embainhar a espada. 
Só desejava  que  ele se lembrasse que ele embainhou a espada primeiro nas entranhas de seu Filho, 13: 7, quando ele fez a sua alma como oferta pelo pecado. ( Os trabalhos de Tomé Goodwin [Edinburgh: Tiago Nichol, 1863], 7: 231) Outra Puritan, William Perkins, escreveu:
 "A tristeza segundo Deus faz brotar tristeza pelo pecado, porque é pecado. 
Faz qualquer homem com essa disposição e  mente, que se não tivesse consciência para acusar, algum diabo de aterrorizar,  nenhum dos juízes para acusar ou condenar, ao inferno para tormento, ainda assim ele seria humilhado e ficaria de joelhos por seus pecados, porque ele ofendeu um amoroso, misericordioso e longânimo Deus. "
Em última análise, é claro, que um arrependimento como esse é um dom de Deus. Falando ao 
Sinédrio, o conselho judaico supremo, Pedro e alguns dos outros Apóstolos, disse:"Ele [Jesus] é aquele que Deus exaltou a Sua mão direita como Príncipe e Salvador, para conceder a Israel o arrependimento e perdão dos pecados "(Atos 5:31).
 Algum tempo mais tarde, depois que ele próprio tinha finalmente sido persuadido por Deus que os 
gentios eram elegíveis para o reino (10: 1-35), Pedro conseguiu convencer céticos cristãos 
judeus em Jerusalém, que, em seguida, "glorificavam a Deus, dizendo:" Bem, então , Deus concedeu também aos gentios o arrependimento para a vida "(11:18). Paulo chamando Timóteo de um gentil a servo do Senhor, proclamando a verdade para os perdidos, na esperança de arrependimento que "Deus lhes conceda o que leva ao conhecimento da verdade, e eles podem vir a seus sentidos e escapar da armadilha do diabo, tendo sido mantida em cativeiro por ele para cumprirem a sua vontade "(2 Tim. 2: 25-26).
É evidente que não foi dado por Deus o arrependimento que os fariseus e saduceus professada antes de João. De todas as pessoas deveriam conhecer o significado do  verdadeiro arrependimento, mas não o fizeram.  Eles eram hipócritas e impostores, como  João sabia muito bem. 
Ele tinha visto absolutamente nenhuma evidência de verdadeiro  arrependimento, e ele pediu para ver tais provas, antes que ele iria batizá-los. Como no  caso de todos os batismos desde João, para que estes sejam sinais exteriores de  transformação interior.
As palavras de João para aqueles líderes religiosos era ao mesmo tempo uma repreensão e um convite: Portanto trazer frutos dignos de arrependimento . 
"Você não  mostraram nenhuma evidência disso", ele dizia, "mas agora você tem oportunidade de 
verdadeiramente se arrependem, se você dizer isso. Me mostre que você tiver ativado a partir de sua hipocrisia ímpios a piedade genuína, e eu estarei contente de vos batizo . 
" Os rabinos ensinavam que as portas do arrependimento nunca fecham, que o arrependimento é como o mar, porque uma pessoa pode banhar-se nele a qualquer hora. Rabbi Eleezar disse: 
"É a maneira do mundo, quando um homem insultou seu companheiro em público, e depois de um tempo, procura se reconciliar com ele, para que o outro diz, 'Você me insultar publicamente, e agora você seria reconciliou-me entre nós dois sozinhos! Vá trazer os homens em cuja presença me insultou, e eu vou ser reconciliado com você. ' Mas Deus não é assim. Um homem pode ficar e ferroviário e blasfemar no mercado eo Santo diz: 
"Arrependam-se entre nós dois sozinhos, e eu vos receberei. '" (Citado em William Barclay, O Evangelho de Mateus [ Filadélfia: 
Westminster, 1975], 1:56).
Alguns anos atrás, um homem bem conhecido no ministério público de forma aberta e 
repetidamente ridicularizado um colega ministro. Depois de muitos meses de críticas, o primeiro homem decidiu que ele estava errado no que ele tinha feito e foi para o outro ministro pedindo seu perdão. Foi relatado que o que tinha sido criticado respondeu: "Você me atacou publicamente e você deve pedir desculpas publicamente. Quando você fizer eu vou te perdoar."
Não há nenhuma razão para acreditar que João Batista destina-se a humilhar os fariseus e saduceus ou exigir algum tipo de demonstração pública de sua sinceridade. Mas ele insistiu em ver provas válidas de verdadeiro arrependimento e não seria partido ao seu usá-lo para promover seus próprios fins egoístas e ímpios.
Saber o que eles estavam pensando provavelmente, João continuou, e não supor que você pode dizer a si mesmos. "Temos por pai a Abraão." Eles acreditavam que o simples fato serem descendentes de Abraão, os membros da raça escolhida de Deus, fe-los espiritualmente seguro. Não é assim, João disse,  eu digo a vocês, que Deus é capaz destas pedras suscitar filhos a Abraão .
 Descendência de Abraão não era um passaporte para o céu. Foi uma grande vantagem em conhecer e compreender a vontade de Deus isso sim (Romanos 3: 1-2; 9: 4-5.).
Mas sem fé nEle que a vantagem torna-se uma condenação mais severa. Se o próprio Abraão foi justificado apenas pela sua fé pessoal (Gen. 15: 6;  Rom. 4: 1-3) (. Romanos 3: 21-22), assim não  poderia seus descendentes esperar ser justificado  em alguma outra maneira sem fé.Muitos judeus do Novo Testamento acreditavam, e muitos judeus ortodoxos do nosso  próprio tempo ainda acredita, que simplesmente seu judaísmo lhes assegura um lugar no reino de Deus. Os rabinos ensinavam que "todos os israelitas têm uma porção no mundo vindouro." Eles ensinam os "entregando méritos dos pais participando", que passavam o mérito espiritual para seus descendentes. 
Alguns até ensinou que Abraão estava de guarda às  portas do inferno, ou no inferno, voltando-se para trás qualquer israelita que por acaso fosse para lá. Eles alegaram que era mérito de Abraão que permitiu que navios judeus navegassem com segurança nos mares, que faziam chover em suas lavouras, que permitiram a Moisés receber a lei e para entrarem no céu, e que fez com que Davi fizesse orações e ser ouvido.
Esse era o tipo de presunção que eles tinha, e queriam enfiar isso guela a baixo de Jesus. João Batista os repreendeu. Sem ou com a  descendência de Abraão, não importa o quão geneticamente sejamos, não poderia isso nos fazer certa pessoa ficar bem com Deus. Jesus contradizia as reivindicações similares de outro grupo de fariseus, exceto em termos ainda 
mais fortes do que João. Depois que eles hipocritamente afirmaram: 
"Nosso pai é Abraão," Jesus disse: "Se vocês são filhos de Abraão, fazeis as obras de Abraão. Mas como não são, vocês estão procurando matar-me, um homem que lhe disse a verdade , que ouviu de Deus.  Este Abraão não fez "(João 8: 39-40). Nosso Senhor passou a dizer que suas ações  provaram que seu pai era, na verdade, Satanás. 
Na história do homem rico e Lázaro o homem rico no inferno aborda Abraão como "Pai", e Abraão, falando do céu, ouve  o homem rico, foi então  contada por Abraão a historia ", entre nós e vós há um grande abismo, de modo que aqueles que desejam vir aqui não possam, e da mesma sorte os que quiseram ir daqui para lá. "(Lucas 16: 25-26).
 Um filho de Abraão no inferno foi além do pensamento deles. 
Os judeus geralmente consideravam que os gentios  seriam os ocupantes do inferno obviamente, mas não, é qualquer um que ousar não crer em Deus. Sem fé vida e sem esperança, são como pedras mortas, sem um reconhecimento de Deus. 
Quanto um relacionamento correto com  Deus está em curso os humanos se sentem seguros.. Pode ser que João tenha jogado em  figura ao declarar que Deus é capaz de destas pedras suscitar filhos a Abraão , ou seja, verdadeiros filhos de Abraão  que vêm para o Senhor, como fez Abraão, pela fé quando saiu de Ur. 
Quando o centurião romano pediu a  Jesus para curar seu servo dizendo apenas a palavra, Jesus respondeu: 
"Em verdade eu vos digo, eu não encontrei tão grande fé com ninguém aqui em Israel. E eu vos digo que muitos virão do oriente e oeste, e reclinar-se à mesa com Abraão, e Isaque, e Jacó, no reino dos céus, mas os filhos do reino [ie, israelitas] serão lançados nas trevas exteriores; naquele lugar ali haverá pranto e ranger de dentes "(Mateus 8: 10-12.).
Na pregação de João, como nos profetas do Antigo Testamento, o julgamento estava intimamente ligado com a salvação na vinda do Messias. Esses homens de Deus não viram nenhuma diferença entre Sua vinda para salvar e sua vinda para julgar. Isaías escreveu sobre o "brotar" que iria "na primavera vir a partir do tronco de Jessé, descendente de Davi, e um ramo de suas  raízes sairia" que "decidiria com justiça para os aflitos da terra, e feriria a terra com a vara de sua boca, e com o sopro dos seus lábios mataria os ímpios "(Is. 11: 1, 4). 
Falando novamente do Messias, Isaías escreveu: "O Espírito do Senhor está sobre mim, porque o Senhor me  ungiu para anunciar a boa nova aos pobres; ... para proclamar o ano favorável do Senhor, e o dia da vingança de nosso Deus "(Is 61: 1-2; cf. Joel 3.). Em sua bênção do Menino  Jesus no Templo, Simeão disse dele: 
"Eis que este é nomeado para queda e elevação de  muitos em Israel" (Lucas 2:34). Israel experimentou uma antecipação do juízo de Deus na devastação de Jerusalém e na destruição do Templo nos anos AD 70, isso apenas cerca de 40 anos depois da pregação de João Batista.
 Cada incrédulo do  mesmo modo enfrentará um julgamento certo quando ele morre, e mesmo antes da morte  pessoas podem sofrer julgamentos de Deus por causa 
do pecado e rebelião como Davi, os filhos de Coré, os filhos de Eli. Como o livro de Provérbios nos (:;: 3-22; 3: 2 1 32-33 33-35; etc.) lembra repetidamente, Deus da a certeza de que, em última instância, e até mesmo, em grande medida, nesta vida, a boa vontade colher e bondade e o mal vai colher o mal a aqueles que o semeiam(cf.  Rom. 2: 5-11).
João aparentemente acreditava que o julgamento final de Deus era iminente. Porque o Messias tinha chegado, o machado já estava posto à raiz das árvores, toda árvore, pois que não produz bom fruto é cortada e lançada ao fogo . 
No final de cada época de colheita o fazendeiro iria passar por sua vinha ou pomar procurando plantas que tinha não tinha bons frutos. Estas seriam cortadas para dar espaço para as videiras e árvores produtivas e para mantê-los como  nutrientes do solo que eram necessárias para boas plantas. 
A árvore estéril era uma árvore sem valor e  inútil, só serve para ser cortada e lançada ao fogo . Jesus usou uma figura semelhante ao descrever falsos discípulos.
 "Se alguém não permanecer em mim, é lançado fora, como um ramo, e seca, e reuni-los, e lançá-los a no fogo, e ardem" (João 15: 6). 
Arrependimento de mentira é inútil, isso significa absolutamente nada para Deus. Fogo é um símbolo bíblico frequente do tormento do castigo divino e julgamento.  Por causa da maldade excepcional, de Sodoma e Gomorra elas foram destruídas por "enxofre e fogo, da parte do Senhor do céu" (Gen. 19:24).
 Após rebelião contra Josué, Coré, e seus homens, e suas casas foram engolidas pela terra e "desceram vivos ao Seol ... fogo também veio do Senhor e consumiu os duzentos e cinqüenta homens que ofereciam o incenso sem autorização" (Num. 16:32 -33, 35). 
Em seu papel como um justo juiz, Deus é frequentemente chamado de "um fogo consumidor" (Ex 
24:17; Dt 4:24; 9:.. 3; etc.). No último capítulo, no Antigo Testamento, Malaquias fala da vinda dia que vai ser "queimado como uma fornalha, e todo o arrogante e todo malfeitor será como joio, e no dia que está chegando vai colocá-las em chamas" (Mal 4. : 1). 
A pregação de João pegou onde muito bem e ele não parou, e o próprio Jesus falou muitas vezes de o fogo do inferno (Mateus 5:22, 29;. Marcos 9:43, 47; Lucas 03:17; etc.). 
João estava falando especificamente aos fariseus e saduceus que não se arrependeram, mas  sua mensagem de julgamento foi o de cada pessoa, de cada árvore ... que não produz bom fruto , que se recusa a voltar se para Deus para o perdão e salvação e, portanto, não tem nenhuma evidência, de bons frutos , de arrependimento genuíno.
 A salvação não é verificada por meio de um ato passado, mas pelo a presente fecundidade.
Quanto a mim, eu te batizo com água para o arrependimento, mas aquele que vem depois de mim é mais poderoso do que eu, e eu não estou apto para remover suas sandálias; Ele vos batizará com o Espírito Santo e com fogo. E sua pá ele tem na mão, e Ele irá limpar bem a sua eira; e Ele irá reunir seu trigo no celeiro, mas queimará a palha em fogo inextinguível (3: 11-12).
Com a mensagem do juízo João também dá uma medida de esperança e consolação. Aqui ele fala especificamente do Messias, que tinha vindo a fim de que ninguém precisa enfrentar o julgamento de Deus. Primeiro, João explica como o seu batismo, difere do que o do Messias.
Eu vos batizo com água para arrependimento batismo de João refletiu um ritual que os judeus muitas vezes tinham usado quando um gentio aceitava o Deus de Israel. A cerimônia era a marca de uma pessoa de fora que viria se tornar uma parte do povo escolhido.  No ministério de João marcou enfatizou a lavagem exterior de arrependimento , que preparava uma pessoa para a vinda do Rei. 
Como o apóstolo Paulo explicou muitos anos mais tarde, "João batizou com  o batismo do arrependimento, dizendo ao povo que cresse naquele que viria depois dele, isto é, em Jesus" (Atos 19: 4). O segundo batismo mencionado aqui é pelo Messias, um batismo por Aquele João diz que vem depois de mim , e que é mais poderoso do que eu , cujas sandálias não sou digno de remover.
João foi não foi para remover a sandália . Uma das tarefas mais humildes de um escravo naqueles tempos.  Estava a retirar as sandálias de seu mestre e todos os convidados e, em seguida, lavando  seus pés porque era humilde. 
Era o símbolo próprio Jesus usada para ensinar seus discípulos a ser servos (João 13: 5-15). A humildade de João, uma marca de sua estatura espiritual, é evidente nesta  descrição do como ele anunciava e é consistente com a sua expressão em João 3:30 que "Convém que ele cresça e que eu diminua".
Entre as formas em que o Messias seria mais poderoso do que João estaria em Seu  batismo com o Espírito Santo . O Espírito Santo foi prometido por Jesus aos seus  discípulos como "outro Consolador, para que fique convosco para sempre; que é o  Espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê nem o conhece, mas  vós o conheceis porque ele habita convosco e estará em vós "(João 14: 16-17). 
No dia de Pentecostes (Atos 2: 1-4) e durante a formação inicial da igreja (Atos 8: 5-17; 10: 44-48; 
19: 1-7), o Espírito Santo prometido veio sobre os discípulos, batizando-los e estabelecê-los no corpo de Cristo. Embora sem esses sinais que frequentam dramáticas, cada crente, uma vez que o tempo é batizado na igreja e em Cristo com o Espírito de Deus. 
"Pois em um só Espírito fomos todos nós batizados em um corpo, quer judeus, quer gregos, quer escravos, quer livres" (1 Cor. 12:13). A palavra de João sobre o Espírito Santo deve ter sido reconfortante e emocionante para  os fiéis judeus entre seus ouvintes, aqueles que esperavam para o dia em que Deus iria "derramar [Suas] Espírito sobre toda a humanidade" (Joel 2:28), quando ele ia "aspergir  água pura sobre [eles]", e "dar [a eles] um coração novo e porei um espírito novo dentro  [eles]" (Ez. 36: 25-26). Naquele dia eles iriam finalmente ser batizado no próprio poder e pessoa do próprio Deus.
O terceiro batismo mencionado aqui é a de fogo . Muitos intérpretes levar isso para ser uma parte do batismo do Espírito Santo, que começou no dia de Pentecostes e que nesse caso foi acompanhado por "línguas de fogo" (Atos 2: 3). 
Mas o relato de Atos diz que essas línguas "apareceu a eles" (isto é, os discípulos de espera) ", como de fogo." Eles não estavam fogo, mas parecia línguas de fogo. Em sua última promessa do breve retorno do batismo com o Espírito Santo, Jesus não disse nada sobre o fogo real ser uma parte da experiência (Atos 1: 5).
 E quando, pouco tempo depois, Cornélio e sua família foram batizados com o Espírito Santo, nenhum fogo estava presente (Atos 10:44; 11:16; cf. 08:17; 19: 6). Outros intérpretes levar o fogo para representar uma limpeza espiritual, conforme descrito na citação acima de Ezequiel. Mas nada no texto de Ezequiel, no contexto da mensagem de João aqui, ou na referência de Pentecostes, para as línguas ", como de fogo"  refere-se a tal limpeza.
Por conseguinte, parece melhor considerar fogo como representando vinda do julgamento  de Deus, que, como vimos, é tão freqüentemente nas Escrituras simbolizada pelo fogo. Em ambos os versículos anteriores e seguintes (10, 12) João claramente usa fogo  para representar julgamento e punição. É impossível que a referência do meio para o fogo diria respeito a um assunto completamente diferente. Ambos os versículos adjacentes  contrastar os destinos dos crentes e não crentes, aqueles que dar bons frutos e aqueles que  não o fazem (v. 10) e do trigo e do joio valioso inútil (v. 12). 
Portanto, parece lógico e natural para tomar o versículo 11 também como um contraste entre os crentes (os  batizados com o Espírito Santo ) e os incrédulos (aqueles batizados com o fogo do juízo de Deus). Como nos últimos dois versículos, João novamente dá consolação aos crentes, mas  alertando para os incrédulos: 
E sua pá ele tem na mão, e Ele irá limpar bem a sua eira; e Ele irá reunir seu trigo no celeiro, mas queimará a palha em fogo inextinguível. A figura é alterado para o de um agricultor que tenha acabado de colher sua safra de grãos. Na Palestina, como em muitas outras partes do mundo antigo, os agricultores fizeram uma eira por escolher uma ligeira depressão no solo, ou cavando um, se necessário, geralmente em uma colina, onde a brisa poderia ser pego. 
O solo, então, ser molhado e embalado para baixo até que foi muito difícil.
 Ao redor do perímetro do piso, que foi talvez trinta ou quarenta metros de diâmetro, rochas seriam empilhados para manter o grão no lugar.  Após os talos de grãos foram colocados no chão, um boi ou uma junta de bois, iria arrastar pesadas peças de madeira ao redor sobre o grão, separando os de trigo do joio , ou palha. 
Em seguida, o agricultor tomaria uma pá e jogue uma pilha de grãos para o ar. O vento soprava a palha de distância, enquanto os grãos, sendo mais pesado, cairia de volta para o chão. Eventualmente, não restaria nada, mas o bom e útil trigo . De forma semelhante, o Messias irá separar todos que pertence a Ele e, como um agricultor, Ele reunirá seu trigo no celeiro , onde será sempre seguro e protegido. 
Também de forma semelhante ao fazendeiro, ele vai queimar a palha em fogo inextinguível . 
O tão esperado Messias iria mesmo realizar ambas as funções, embora não no tempo e sequência que João e os profetas antes dele poderia ter pensado.  A  separação final e a decisão final será apenas a segunda vinda de Cristo, quando os  incrédulos "irão para o castigo eterno, mas os justos para a vida eterna" (Mat. 25:46).
 Essa cena é apresentada de forma dramática por nosso Senhor na parábola do joio (Mat. 13: 
36-43) e a parábola da rede de arrasto (Mat. 13: 47-50). Introdução de João para a pessoa e ministério do Messias preparou o povo para a chegada de seu Rei.
A  separação final e a decisão final será apenas a segunda vinda de Cristo, quando os  incrédulos "irão para o castigo eterno, mas os justos para a vida eterna" (Mat. 25:46).  Essa cena é apresentada de forma dramática por nosso Senhor na parábola do joio (Mat. 13:  36-43) e a parábola da rede de arrasto (Mat. 13: 47-50). Introdução de João para a pessoa e ministério do Messias preparou o povo para a chegada de seu Rei.
Fonte; JOHN MacArthur, COMENTÁRIO DO NOVO TESTAMENTO.

FALAMOS SOBRE A SEGUNDA VINDA DE CRISTO. O MILENIO NO FINAL DOS TEMPOS? SALVAÇÃO DA ALMA? DESCOBRINDO SOBRE A ETERNIDADE. VEJA AQUI DOCUMENTÁRIOS.PLAYBACKS