Como é a Doutrina Da Eleição? Uma Vez Salvo Salvo Para Sempre?

Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo;
Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo;
Como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dele em amor; E nos predestinou para filhos de adoção por Jesus Cristo, para si mesmo, segundo o beneplácito de sua vontade,
Para louvor da glória de sua graça, pela qual nos fez agradáveis a si no Amado,
Em quem temos a redenção pelo seu sangue, a remissão das ofensas, segundo as riquezas da sua graça, que ele fez abundar para conosco em toda a sabedoria e prudência; descobrindo-nos o mistério da sua vontade, segundo o seu beneplácito, que propusera em si mesmo, De tornar a congregar em Cristo todas as coisas, na dispensação da plenitude dos tempos, tanto as que estão nos céus como as que estão na terra, Efésios 1:3-10
A escolha por Deus daqueles que creem em Cristo é uma doutrina importante;
Porque os que dantes conheceu também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos.
E aos que predestinou a estes também chamou; e aos que chamou a estes também justificou; e aos que justificou a estes também glorificou.
Que diremos, pois, a estas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós? 
Aquele que nem mesmo a seu próprio Filho poupou, antes o entregou por todos nós, como nós não dará também com ele todas as coisas?
Quem intentará acusação contra os escolhidos de Deus? 
É Deus quem os justifica, Romanos 8:29-33
Não que a palavra de Deus haja faltado, porque nem todos os que são de Israel são israelitas; Nem por serem descendência de Abraão são todos filhos; mas: Em Isaque será chamada a tua descendência. Isto é, não são os filhos da carne que são filhos de Deus, mas os filhos da promessa são contados como descendência.
Porque a palavra da promessa é esta: Por este tempo virei, e Sara terá um filho.
E não somente esta, mas também Rebeca, quando concebeu de um, de Isaque, nosso pai; Porque, não tendo eles ainda nascido, nem tendo feito bem ou mal (para que o propósito de Deus, segundo a eleição, ficasse firme, não por causa das obras, mas por aquele que chama), Foi-lhe dito a ela: 
O maior servirá ao menor. 
Como está escrito: Amei a Jacó, e odiei a Esaú.
Que diremos pois? 
Que há injustiça da parte de Deus? 
De maneira nenhuma.
Pois diz a Moisés: 
Compadecer-me-ei de quem me compadecer, e terei misericórdia de quem eu tiver misericórdia. Assim, pois, isto não depende do que quer, nem do que corre, mas de Deus, que se compadece. Porque diz a Escritura a Faraó: Para isto mesmo te levantei; para em ti mostrar o meu poder, e para que o meu nome seja anunciado em toda a terra. Logo, pois, compadece-se de quem quer, e endurece a quem quer.
dir-me-ás então: Por que se queixa ele ainda? Porquanto, quem tem resistido à sua vontade?
Mas, ó homem, quem és tu, que a Deus réplicas? 
Porventura a coisa formada dirá ao que a formou: 
Por que me fizeste assim?
Ou não tem o oleiro poder sobre o barro, para da mesma massa fazer um vaso para honra e outro para desonra?
E que direis se Deus, querendo mostrar a sua ira, e dar a conhecer o seu poder, suportou com muita paciência os vasos da ira, preparados para a perdição;
Para que também desse a conhecer as riquezas da sua glória nos vasos de misericórdia, que para glória já dantes preparou,
Os quais somos nós, a quem também chamou, não só dentre os judeus, mas também dentre os gentios?
Como também diz em Oséias: 
Chamarei meu povo ao que não era meu povo;
E amada à que não era amada.
E sucederá que no lugar em que lhes foi dito:
Vós não sois meu povo;
Aí serão chamados filhos do Deus vivo, Romanos 9:6-26
A eleição (gr. eklegoe) refere-se à escolha feita por Deus, em Cristo, de um povo para si mesmo, a fim de que sejam santos e inculpáveis diante dEle (cf. 2Ts 2:13). Essa eleição é uma expressão do amor de Deus, que recebe como seus todos os que recebem seu Filho Jesus (Jo 1:12). A doutrina da eleição abarca as seguintes verdades: 
A eleição é cristo cêntrica, a eleição de pessoas ocorre somente em união com Jesus Cristo. Deus nos elegeu em Cristo para a salvação aqueles que se propuser em seguir o Evangelho (1.4; ver v. 1,). 
O próprio Cristo é o primeiro de todos os eleitos de Deus. 
A respeito de Jesus, Deus declara:
 “Eis aqui o meu servo, que escolhi” (Mt 12:18; cf. Is 42:1, 6; 1Pe 2:4). 
Ninguém é eleito sem estar unido a Cristo pela fé. 
 A eleição é feita em Cristo, pelo seu sangue; 
“Em quem [Cristo]... pelo seu sangue” (1.7). 
O propósito de Deus, já existia antes da criação (1.4), e era ter um povo para si mediante a morte redentora de Jesus Cristo na cruz. 
Sendo assim, a eleição é fundamentada na morte sacrificial de Cristo, no Calvário, para salvar dos nossos pecados os que se prontificaram a seguir (At 20:28; Rm 3:24-26). 
A eleição em Cristo é em primeiro lugar coletiva, a eleição de um povo (1.4,5, 7, 9; 1Pe 1:1; 2.9). 
Os eleitos são chamados “o seu [Cristo] corpo” (1.23; 4.12), “minha igreja” (Mt 16:18), o “povo adquirido” por Deus (1Pe 2:9) e a “noiva” de Cristo (Ap 21:9). Logo, a eleição é coletiva e abrange o ser humano como indivíduo, somente à medida que este se identifica e se une ao corpo de Cristo, que é a igreja verdadeira (1.22,23; ver escritos de Robert Shank, Elect in the Son (Eleitos no Filho). É uma eleição como a de Israel no AT (ver Dt 29:18-21; 2Rs 21:14; 
A eleição para a salvação e a santidade do corpo de Cristo são inalteráveis. 
Mas individualmente a certeza dessa eleição depende da condição da fé pessoal e viva em Jesus Cristo, e da perseverança na união com Ele. 
O apóstolo Paulo demonstra esse fato da seguinte maneira: 
(a) O propósito eterno de Deus para a igreja é que sejamos “santos e irrepreensíveis diante dele” (1.4). 
Isso se refere tanto ao perdão dos pecados (1.7) como à santificação e santidade. 
O povo eleito de Deus está sendo conduzido pelo Espírito Santo em direção à santificação e à santidade (ver Rm 8:14; Gl 5:16-25). 
O apóstolo enfatiza repetidas vezes o propósito supremo de Deus (ver 2.10; 3.14-19; 4.1-3, 13,14; 5.18). 
(b) O cumprimento desse propósito para a igreja como corpo não falhará: 
Cristo a apresentará “a si mesmo igreja gloriosa... santa e irrepreensível”. 
Vós, maridos, amai vossas mulheres, como também Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por el. Para a santificar, purificando-a com a lavagem da água, pela palavra. Para a apresentar a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, mas santa e irrepreensível, Efésios 5:25-27
(c) O cumprimento desse propósito para o ser humano individualmente, como dentro da igreja é condicional. Cristo nos apresentará “santos e irrepreensíveis diante dele”.
E ele é a cabeça do corpo, da igreja; é o princípio e o primogênito dentre os mortos, para que em tudo tenha a preeminência. Porque foi do agrado do Pai que toda a plenitude nele habitasse, E que, havendo por ele feito a paz pelo sangue da sua cruz, por meio dele reconciliasse consigo mesmo todas as coisas, tanto as que estão na terra, como as que estão nos céus. A vós também, que noutro tempo éreis estranhos, e inimigos no entendimento pelas vossas obras más, agora contudo vos reconciliou
No corpo da sua carne, pela morte, para perante ele vos apresentar santos, e irrepreensíveis, e inculpáveis.
Se, na verdade, permanecerdes fundados e firmes na fé, e não vos moverdes da esperança do evangelho que tendes ouvido, o qual foi pregado a toda criatura que há debaixo do céu, e do qual eu, Paulo, estou feito ministro, Colossenses 1:18-23.
Somente se continuarmos na fé isso ocorrerá. 
A Bíblia mostra isso claramente: 
Cristo irá “vos apresentar santos, e irrepreensíveis, e inculpáveis, se, na verdade, permanecerdes fundados e firmes na fé e não vos moverdes da esperança do evangelho” (Cl 1:22, 23). 
A eleição para a salvação em Cristo é oferecida a todos vejam:(Jo 3:16, 17; 1Tm 2:4-6; Tt 2:11; Hb 2.9), e torna-se uma realidade para cada pessoa consoante seu prévio arrependimento e fé, ao aceitar o dom da salvação em Cristo (2.8; 3.17; cf. At 20:21; Rm 1:16; 4:16). 
Mediante a fé, o Espírito Santo admite o crente ao corpo eleito de Cristo (a igreja) (1 Co 12:13), e assim ele torna-se um dos eleitos.
 Daí, tanto Deus quanto o homem têm responsabilidade na eleição (ver Rm 8:29; 2Pe 1:1-11). 
A predestinação (gr. proorizo) significa “decidir de antemão” e se aplica aos propósitos de Deus inclusos na eleição. 
A eleição é a escolha feita por Deus, “em Cristo”, de um povo para si mesmo (a igreja verdadeira). 
A predestinação abrange o que acontecerá ao povo de Deus (todos os crentes genuínos em Cristo). 
Deus predestina seus eleitos a serem: 
(a) Chamados (Rm 8:30); 
(b)Justificados (Rm 3:24; 8:30); 
(c) Glorificados (Rm 8:30); 
(d) Conformados à imagem do Filho (Rm 8:29); 
(e) Santos e inculpáveis (1.4); 
(f) Adotados como filhos (1.5); 
(g) Redimidos (1.7); 
(h) Participantes de uma herança (1.14); 
(i) Para o louvor da sua glória (1.12; 1Pe 2:9); 
(j) Participantes do Espírito Santo (1.13; Gl 3:14); 
(l) Criados em Cristo Jesus para boas obras (2.10). 
A predestinação, assim como a eleição, refere-se ao corpo coletivo de Cristo (a verdadeira igreja), e abrange indivíduos somente quando seres humanos estão neste corpo mediante a fé viva em Jesus Cristo (cf. At 2:38-41; 16:31). 
No tocante à eleição e predestinação, podemos aplicar a analogia de um grande navio viajando para o céu. Deus escolhe o navio (a igreja) para ser sua própria nau. Cristo é o Capitão e Piloto desse navio. Todos os que desejam estar nesse navio eleito, podem fazê-lo mediante a fé viva em Cristo. 
Enquanto permanecerem no navio, acompanhando seu Capitão, estarão entre os eleitos. Caso alguém abandone o navio e o seu Capitão, deixará de ser um dos eleitos. 
A predestinação concerne ao destino do navio e ao que Deus preparou para quem nele permanece. Deus convida todos a entrar a bordo do navio eleito mediante Jesus Cristo

Comentários