Mostrando postagens com marcador Interessante. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Interessante. Mostrar todas as postagens

O Amor da Mãmãe-pássaro. Ilustrações Para Pregadores


O Amor da Mãe-pássaro.
Durante um incêndio em uma floresta, um pássaro demonstrava desespero enquanto tentava aproximar-se do ninho em uma árvore, onde seus filhotes viviam desespero semelhante pela ameaça do fogo e da fumaça que já os alcançava. 
Aquele pássaro sabia que se não conseguisse retirar os filhotes dali, o mais rápido possível, todos seriam queimados. Seus vôos rasantes indicavam as tentativas frustradas de aproximação do ninho, enquanto a árvore começava a queimar-se. Em dado momento, a mãe-pássaro decidiu "invadir" o ninho, cortando
o calor e a fumaça ao pousar junto dos filhotes. 
De imediato, os cobriu com as suas asas enquanto o fogo sapecava tudo, matando-a instantaneamente.
Porém, os filhotes foram salvos pela proteção da mãe. Embora seja a respeito de um pássaro, esse fato ilustra bem o amor demonstrado por uma mãe, mas também aponta para a realidade divina que
alerta:
Pode uma mulher esquecer-se tanto do filho que cria, que se não compadeça dele, do filho do seu ventre? Mas, ainda que  esta se esquecesse, eu, todavia, me não esquecerei de ti (Is
49.15).

A Necessidade De Deus Existente No Mundo Hoje

0 mundo e suas necessidades.
 Evangelizemos os povos.
Um resumo dos continentes,suas populações, seus dialetos, línguas e etnias e e suas necessidades.
 De acordo com dados fornecidos pela ONU (Organização das Nações Unidas), existem aproximadamente 192 países e 54 territórios no mundo. 
Neles se movimenta uma população de quase 7 bilhões de pessoas [5,8 bilhões em 1996]; 
A ONU estima entre 7,10 a 7,83 bilhões o número de habitantes do mundo até 2020. 
A infra-estrutura mundial tem capacidade apenas para dois bilhões + ou -. 
Os outros cinco bilhões vivem sem as condições inadequadas de vida para se ter uma ideia. 
Aqui, portanto, surge a grande necessidade de que Cristo seja levado a estas pessoas e passe fazer parte integrante de suas vidas.  
Somente Ele, que é o Senhor de todos, tem e oferece condições de vida para todos. 
Ele disse: 
“Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei” (M t 11. 28). 
Através desta leitura, iremos frisar a extensão do mundo, suas dificuldades e suas necessidades, que é responsabilidade da igreja militante hoje. Todos devem ser alcançado pela poderosa mensagem do Evangelho de Cristo que é o poder de Deus para a salvação de todos os que creem; as dificuldades também serão superadas e as necessidades supridas.
 O compromisso da Igreja com a evangelização dos povos.
 No início da história humana não existiam as divisões geográficas que há hoje vemos. Também as pessoas passaram a habitar uma mesma região e falavam todos uma só língua. A Bíblia diz que “ ... era toda a terra duma mesma língua, e duma mesma fala” (Gn 11.1). 
Não existia, portanto, nem uma outra língua e nem um outro dialeto. 
Mas a rebeldia dos homens em se opor contra Deus e seu plano divino de povoar a Terra, levou-os a edificar uma cidade e uma torre, chamada de Babel, cujo nome quer dizer “confusão", na planície de Sinear, com o objetivo de não serem “... espalhados sobre a face da terra”. 
Isso fez com que o Senhor confundisse ali a “... sua língua, para que não entenda (entendessem) um a língua do outro... 
Por isso, se chamou o seu nome Babel, porquanto ali confundiu o SENHOR a língua de toda a terra dali os espalhou o SENHOR sobre a face de toda a terra" (Gn 11.1-9).
Flávio Josefo, escritor e historiador judeu que viveu entre 37 e 103 d.C., diz: 
“ Esta diversidade de línguas obrigou a multidão quase que infinita desse povo a se dividir em diversas colônias, segundo Deus os levava, por sua providência. Assim, não somente o meio da terra, mas as margens do mar encheram-se de habitantes; houve mesmo daqueles que embarcaram em embarcações construídas a seu modo e passaram às ilhas. 
Algumas dessas nações conservam ainda os nomes que aqueles que lhe deram origem lhes haviam posto; outras os nomes mudaram e outras, enfim, receberam nomes que eram do agrado daqueles que vinham se estabelecer em seus país, em vez de nomes bárbaros que antes tinham. 
Os gregos foram os principais autores dessa mudança pois, tendo-se tornado senhores de todos esses países, deram nomes e impuseram leis como quiseram aos povos que tinham submetido, usurpando, assim, a glória de passar por seus fundadores”. 

O continente africano.
Africa: 
É o terceiro maior continente do mundo. 
Possuindo uma área de 30.270.643 km², inferior somente ao da América e ao da Ásia. 
É banhado a oeste pelo Oceano Atlântico; a leste pelo mar Vermelho e o Oceano Índico; ao norte pelo mar Mediterrâneo e ao sul pelos oceanos Atlântico e Indico. A população da África hoje é calculada em 747,9 milhões de habitantes.  
a. Seu nome: 
O nome África deriva de avringa ou afri. 
Uma tribo barbera que na antigüidade habitava o norte do continente. 
O nome começou a ser usado pelos romanos a partir da conquista de Cartago para designar províncias a noroeste do mediterrâneo africano (atuais Tunísia e Argélia). 
No século XVI, o nome generalizou-se para todo o continente.
b. Número de países - 53: 
África do Sul. Angola, Argélia, Berim, Botsuana. Burkina, Burundi. Cabo verde. Camarões. Chades, Congo, Costa do Marfim. 
Djibuti, Egito, Eritréia, Etiópia, Gabâo, Gâmbia,Gana, Guiné, Guiné Equatorial, Guiné-Bissau, Ilhas Comores, Lesoto, Libéria, Líbia, Mandagascar, M alavi, M ali, M arrocos, M aurício,Mauritânia, Moçambique, Namíbia, Niger, Nigéria, Quênia, Rehública Centro-Africana. 
Ruanda. São Tomé c Príncipe, Senegal, Serra Leoa,Seychelles, Somália, Suazilândia, Sudão, Tanzânia, Togo, Tunísia,Uganda, Zaire, Zâmbia e Zimbábue, são os países que compõe.

2. O continente americano.
Americano é segundo maior continente do mundo. 
Ele totalizando 42.042.070,20 km² de extensão. 
Designa a porção de terras do hemisfério ocidental divididas em América do Norte, América Central e América do Sul.Sua população total é a segunda maior do mundo, com 781,9 milhões
de habitantes.
a. América do Norte compreende uma área de 23.533.325,00 km² (incluindo Groenlândia e Bafftim). Limita-se ao norte pelo Oceano Ártico; ao sul pelo mar do Caribe, América Central e o Oceano Pacífico; a leste pelo Oceano Atlântico; e a oeste pelo Oceano Pacífico.
 A região possui 391.1 milhões de habitantes.
b. América Central, que totaliza 742.266,70 km², abrange as na­ções do mar do Caribe e os países do istmo [estreita faixa de terra que liga dois continentes ou uma península ao continente] que une a Amé­
rica do Norte à América do Sul e separa o mar do Caribe do Oceano Pacífico. 
Sua população é de 65,9 milhões de habitantes. 
c. América do Sul possui 17.766.478,50 k n f e é banhada ao norte e noroeste pelo mar do Caribe; a nordeste, sudeste e leste pelo Oceano Atlântico; e a oeste pelo Oceano Pacífico. Separa-se da Antártica pelo Hstreito de Drake e une-se à América Central pelo istmo do Panamá. A população da região totaliza 324,9 milhões de habitantes. Seu nome: A origem do nome América deriva do nome de
Américo Vespúcio navegante italiano que chegou pela primeira vez no continente no fim do século XV.
 O compromisso da Igreja com a evangelização dos povos.
 Número de países - 35, assim divididos: 
América do Norte: [3 países]: 
Canadá, Estados Unidos e México. 
A mérica Central: [20 países]: Antígua e Barbuda, Baham as. Barbados, Belizes, Costa Rica, Cuba, Dominica, El Salvador, Granada, Guatemala, Haiti, Honduras, Jamaica, Nicarágua, Panamá. Repú­blica Dominicana, Santa Lúcia, São Cristovâo e Névis. São Vicente e Granadinas, Trinidad e Tobago.
América do Sul: [12 países]: 
Argentina, Bolívia, Brasil. Chile, Colômbia, Equador, Guiana, Paraguai, Peru, Surinam e. Uruguai e
Venezuela.

3. O continente antártico:Antártica: 
É o quinto maior continente do mundo, com uma área de 14.108.000 km². Durante o inverno a Antártica duplica a sua extensão, devido ao congelamento da superfície do oceano. O continente abriga o pólo geográfico sul do planeta, a 90° de latitude Sul e o pólo magnético, cuja localização não é fixa. É cercado pelas águas confluentes dos oceanos Pacífico, Atlântico e Índico. 
 Antártica não possui m oradores permanentes: a presença humana na região restringe-se às equipes de pesquisa. a. Seu nome: 
A origem do nome vem da palavra grega áktos (ursa), usada pelos astrônomos da antigüidade, para designar as constela­ções da Ursa Maior e Menor, pontos de orientação para os navegadores. Posteriormente os romanos passam a utilizar o termo articus como sinônimo de norte ou setentrional. No século II d.C., surge o termo antarcticus, que denomina a região sul ou meridional.
b. Número de países: 
25 países possuem base de pesquisa cientí­fica no continente: África do Sul, Alem anha, Argentina, Austrália, Brasil (com a estação Com andante Ferraz, nas ilhas Shetland do Sul), Chile, China, Coréia do Sul, Equador, Espanha, EUA, Rússia, Finlândia, F rança, ín d ia, Itália, Japão, Nova Zelân d ia, Noruega, Paquistão, Peru, Polônia, Reino Unido, Suécia e Uruguai. Futuram ente outras nações, acredita-se, se instalarão ali. 
Atualmente o inglês é o principal idioma da comunicação mundial, sendo usado na diplomacia, na eco nomia, no turismo , na informática, entre outros setores. 
 O grau elevado de instrução das equipes que lá atuam, todos (com exceção da língua materna de cada 
um) falam inglês).

4. O continente asiático Asia:
 É o maior continente do mundo. 
Sua extensão, de 44.429.857 km (incluindo as partes asiáticas da Federação Russa e da Turquia), corresponde a cerca de 30% da superfície terrestre. É limitada ao norte pelo Oceano Ártico; a leste pelo Oceano Pacífico; ao sul pelo Oceano Índico; a sudoeste pelos mares Vermelho e Mediterrâneo e a oeste pela Europa, com a qual forma uma porção contínua de terras. 
A fronteira convencional com a Europa compreende os montes Urais, o rio Ural, o mar Cáspio, a cadeia de montanhas do Cáucaso e o mar Negro. 
O continente está ligado à África pelo istmo de Suez e separa-se da América pelo Estreito de Bering. Seu território concentra atualmente a m aior população do mundo:
possui 3.506,2 bilhões de pessoas (incluindo a população das partes asiáticas da Rússia e da Turquia).
a. Seu nome: 
O nome Ásia deriva de Asswa e Iasia, como os hititas e egípcios chamavam a costa ocidental e regiões meridionais da Ásia Menor, no segundo m ilênio a.C. Na m itologia grega, é uma das filhas
dos deuses Oceano e Tétis, e irmã de Europa. 
Alguns pesquisadores relacionam o nome com a raiz semítica das palavras esch ou iishos, que significa lugar onde o Sol nasce.
b. Número de países -4 5 : 
Afeganistão, Arábia Saudita, Bangladessh, Barein, Brunei, Butão, Camboja, Catar, Cazaquistào, China, Cingapura, Coréia do Norte, Coréia do Sul, Emirados Árabes Unidos, parte asiática da Rússia, Filipinas, Formosa, Iêmen, índia. Indonésia, Irã, Iraque, Israel, Japão, Jordânia, Kuweit, Laos, Líbano, Omã, Palestina, Paquistão, Quirguízia, Síria, Sri Lanka, Tadjiquistão, Tailândia, Turcomênia, parte asiática da Turquia. Uzbequistão e Vietnã.

5. O continente europeu A Europa: 
É o segundo menor continente do mundo, com uma área de 10.141.912,89 km², incluindo as partes europeias da Rússia e da Turquia. É banhado ao norte pelo Oceano Ártico; a oeste pelo Oceano
Atlântico e ao sul pelo mar Mediterrâneo. 
A fronteira convencional da Europa com a Ásia os povos são de terras denominada Eurásia -compreende os montes Urais, o rio Ural. 
O Mar caspio, a cadeia de montanhas do Cáucaso e o mar Negro. 
Sua população totaliza 745,4 milhões de habitantes. 
Seu nome:  
O nome era usado no século IX e VIII a.C. para designar a parte continental oeste da Grécia. 
Na mitologia grega, é irmã de Ásia e uma das filhas dos deuses Oceano e Tétis. Para alguns pesquisadores, o nome Europa deriva da palavra ereb, que pertence às línguas semíticas
e significa região onde o Sol se põe. 
Numero de países - 48: Albânia, Alem anha, Andorra, Armênia, Áustria, Azerbaijão, Belarus, Bélgica, Bósnia-Hcrzegóvina. Bulgária, Chipre, Croácia, Dinamarca, Eslováquia, Espanha, Estônia, parte européia da Rússia, Finlândia, França, Geórgia, G récia. Holanda, Hungria, Irlanda, Islândia, Itália, Iugoslávia, Letônia, Liechtenstein,Lituânia, Luxemburgo, M acedônia, M alta, M oldávia. Mônaco, N oruega, Polônia, Portugal, Reino Unido [Inglaterra], República Tcheca, Romênia, San M arino, Suécia, Suíça, parte européia da Turquia, Ucrânia e Vaticano.

6. A Oceania Oceania: 
O continente é formado pela Austrália (cujo nome muitas vezes é utilizado para indicar todo continente), Papua Nova Guiné, Nova Zelândia e um grande número de ilhas e arquipélagos dispersos
pelo Oceano Pacífico, por convenção agrupados em Melanésia, Micronésia e Polinésia. 
A área total de sua superfície terrestre, de 8.462.100.4, km² [equivalente ao Brasil], é o menor de todos os continentes. Sua população, totaliza atualmente 28,7 milhões de habitantes. 
Seu nome: 
A origem do nome deriva de Oceano, deus do mar na mitologia grega. O uso da palavra é atribuído ao naturalista francês René Primevére Lessona (1794-1848).
Número de países - 14: Austrália, Fiji, Ilhas Marsahll, Ilhas Salomão, Kiribati, Micronésia, Nauru, Nova Zelândia, Palau, Papua Nova Guiné, Samoa Ocidental, Tonga, Tuvalu, Vanuatu. [Veja o mapa deste continente].
Territórios. Dentro das dimensões geográficas dos continentes acima mencionados, encontram-se cerca de 54 territórios ou departamentos de Ultramar, pertencentes a várias nações.
De acordo com as informações de 1996, são eles: Anguillla, AntiIhas Holandesas. Aruba. Atol Johnston, Bermudas, Ceuta e Melilla Dependência de Ross, Gibraltar. Groenlância, Guiana Francesa, Guam Guadalupe. Hong Kong. Ilhas Aland, Ilhas Christmas, Ilhas Cayman, Ilhas Cocos. Ilhas Faroe, Ilhas Kook, Ilhas Midway, Ilha Wake, Ilhas Virgens Americanas. Ilhas Virgens Britrânicas, Ilhas Wallis e Futuna, Ilhas do Canal, Ilhas Geórgia e Sandwich do Sul, Ilha de Man, Ilhas Pitcaim, Ilhas Turks e Caicos, Ilhas Marinas do Norte, Jan Mayen, Macau, M alvinas, M artinica, M ayotte, M ontserrat, N iue, N ova Caledônia. Norfolt, Polinésia Francesa, Porto Rico, Toquelau, Reunião, Saint-Pierre e Miquelon, Samoa Americana, Santa Helena, Svalbard, Terras Austrais e Antárticas da França, Território Antártico da Australia, Territórios Antárticos da Noruega, Território Antártico do Reino,
Território Britânico do Oceano Índico.
Os nativos através do mundo.
O mundo humano é com posto de diversas famílias e etnias que, segundo a Bíblia, partiram de um só tronco: Adão e sua mulher (At 17.26). 
Cada continente que ia sendo descoberto e ocupado pela presença do homem branco [assim chamado pelos primitivos habitantes daquelas localidades], nele já existiam habitantes primitivos. No Brasil, por exemplo, quando os europeus chegaram, encontraram uma população indígena estimada em três milhões de indígenas. 
São considerados de origem asiática os índios americanos. 
Quando chegaram à América, os europeus encontraram estas terras habitadas por seres humanos. Por pensarem que haviam chegado às índias, deram a esses habitantes o nome de índios, denominação que permaneceu mesmo depois de percebido o engano. 
Em outros países, usa-se mais o adjetivo “nativo” para designar seus primitivos habitantes. Na Oceania, conservou se mais o apelativo aborígenes com relação aos seus primitivos habitantes. A hipótese mais aceita é que os primeiros habitantes das Américas tenham vindo da Ásia e atravessado o estreito de Bering, a Noroeste da América do Norte que separa os Estados Unidos através do Alasca com a Rússia. Quando atravessavam o Estreito de Bering, estes, agru­pados por famílias da língua que falavam, seguiam pelo menos três rotas e pela ordem se organizaram assim:
• Rota 1: Região dos grandes lagos: Estados Unidos da América;
• Rota 2: Região central: México, América Central e do Sul;
• Rota 3: Seguindo para a região Sul: México (os Astecas), América Central (os Maias) e América do Sul (Os Incas).
Os últimos grupos migratórios foram os dos esquimós, que se estabeleceram na região mais setentrional do continente americano. Os pesquisadores opinam que estes nativos são de procedência de alguns ramos mongolóides:
a. Os mongolóides clássicos: um número indeterminado de grupos étnicos nas populações mais antigas do Tibete, da China, das ( oréias, do Japão e da Sibéria, incluindo tribos como a dos buriatos, a leste e a
oeste do Lago Basical; a dos coriaques do norte da Sibéria; a dos giliaques da extremidade mais setentrional de Secalina e no continente ao norte do estuário do Am ur (que parecem ter-se misturado com os ainos); e a dos goldias no Amurmferior e em Ussuri.
b. Os mongolóides árticos', grupos étnicos - especificação: Esquimós, no extremo do nordeste da Ásia, na costa ártica da América do Norte, na Groenlândia. 
O tipo inclui os aleútes das Ilhas Aleutinas e os
Chukchis da costa do nordeste da Sibéria. Evenques ou tungus verdadeiros (am ericanóides): M ongólia, Sibéria, serranias asiáticas ao norte dos Himaláias. C am echadais-C am echáteca; Samoiedos: Península de Cola, mar Branco e regiões do Ieniesi.
c. Os mongolóides do extremo nordeste do continente asiático: São os paleoasiáticos, considerados como o com plexo das antigas populações da Ásia, que migraram cedo para essa extrem a região
periférica. As populações que se acredita hajam migrado mais tarde para o nordeste do continente asiático são consideradas como os neo asiáticos. 
Os Paleoasiáticos: especificação geral: C hukchis, coriaques, com echadais, giliaques, esquim ós, aleútes, iucagires, chuvantsis, ostiagues do lenisei, Ainos. Neo-asiáticos: tribos fínicas, samoiédicas,
turcas, incluindo os iacutos, mongólicos; tungústicas.
índios americanos: grupos étnicos - especificação geral: 
Um nú­mero indeterminado de grupos étnicos da América do Norte, da Amé­rica Central e da América do Sul.Indio-malciios: grupos étnicos especificação geral: 
Indonésia: China do Sul, Indochina, Birmânia [atual M ianmá], Tailândia, Interior do Arquipélago Malaio.
Malaio: em adição à distribuição Indonésia, Peninsula Malaia, índias Orientais Holandesas, Filipinas, Oquinava e ilhas adjacentes. Há, portanto, a possibilidade de que alguns grupos mongóis tenham
imigrado através do Estuário de Amur até as costas do Pacífico e de lá tenham seguido para o Estreito de Bering, instalando-se no Alasca e na parte setentrional dos Estados Unidos. Estudos são fruto de pesquisas.

Palestina / Filiostia ou Israel 1948 ?

A Palestina, assim batizada pelos ingleses, que em latim conhecida como Syria Palaestina, e em árabe trasncrita como Filastin, é uma área localizada entre o Mediterrâneo, na porção oeste; o Rio Jordão e o Mar Morto no Leste; fazendo fronteira no norte com o Líbano, aí chamada de Escada de Tiro; e no sul com o Sinai egípcio, na região denominada Wadi el-Ariche.
Ela é composta por uma planície litorânea, uma extensão de colinas e uma cadeia montanhosa que compreende, no lado oriental, uma faixa de terra praticamente desértica. O espaço geográfico que, até 1948, pertencia completamente à Palestina, está hoje repartida em três regiões – uma corresponde a Israel e as outras, a Faixa de Gaza e a Cisjordânia, habitadas em grande parte por árabes de origem palestina, compreendem o almejado Estado da Palestina, mas continua ocupado por israelenses, na ausência de um tratado de paz definitivo. O povo palestino se encontra atualmente disseminado em países árabes ou em territórios reservados aos refugiados.
Desde a era pré-histórica há registros da história palestina, normalmente associada aos destinos da Fenícia, da Síria e da Transjordânia, fronteiriças ao território palestino. Ela forma uma estreita passagem entre a África e a Ásia, simultaneamente localizando-se próxima à Europa, o que propiciou a exércitos invasores, africanos, asiáticos e europeus, ocuparem incessantemente esta região.
Somente sob o jugo estrangeiro esta área obteve uma certa unificação política.
Por volta do século XV a.C. a Palestina foi conquistada pelos egípcios, sob o poder de Tutmósis III, e politicamente dividida em cidades-estado. Escapando das mãos do Egito no fim da XVIII dinastia, foi resgatada pelo faraó Seti I e depois por Ramsés II. Logo depois esse povo perdeu seu vigor e a região foi sendo dominada pelos Povos do Mar, nos últimos momentos do século XIII a.C. Destes povos se destacam os filisteus, que se estabelecem principalmente no sudoeste, instituindo neste local vários reinos, entre eles Gaza, Asdod, Ascalão, Gat e Ekron. Ao mesmo tempo os hebreus, comandados por Josué, também alcançam estas terras, disputando com os filisteus a posse da Palestina. Quando as tribos hebraicas se unem sob o reinado de Saul, elas se fortalecem e, lideradas posteriormente por David, em I a.C, derrotam os filisteus e instalam a capital de seu reino em Jerusalém. Durante o governo de Salomão este povo vive uma temporada de paz; mas, com a morte deste sábio rei, os hebreus se dividem – no norte nasce o reino de Israel, com a capital situada em Samaria; no sul desponta o reino de Judá, que ocupa primeiro Hebron, depois Jerusalém como sede da monarquia.
Com a exceção de um rápido período de tempo, este território foi constantemente dominado por outros povos – a Assíria, os babilônicos, os persas aquemênidas, os greco-macedônios, é resgatada pelos Asmoneus, de etnia judaica, e então ocupada pelos romanos. Em 66 d.C. os judeus se revoltaram, mas foram sufocados pelo Império Romano, que aproveitou para destruir o templo de Javé, em 70; somente em 131 os hebreus voltam a se rebelar, mas são novamente derrotados por Roma, sob o poder de Adriano, que transforma Jerusalém em Colonia Aelia Capitolia.
Sob o domínio romano, a Palestina vivenciou um período de progresso e desenvolvimento demográfico, sendo habitada em grande parte pelos cristãos, pois o Cristianismo era então a religião adotada pelo Império Bizantino, fruto da cisão do poder romano.
Em 614 os persas Sassânidas completam a ocupação do território palestino, mas em 638 esta área é completamente ocupada pelos árabes muçulmanos. Com esta composição étnica a Palestina é novamente ocupada, desta vez pelo Império Otomano, depois pelos franceses e, logo após o fim da I Guerra Mundial, ela passa para as mãos dos britânicos, que aí permanecem de 1922 a 1948, quando o povo judaico exige a formação de um estado hebraico nesta mesma região, com o nome de Alguns historiadores afirmam que durante muito tempo os palestinenses – antigos habitantes da Palestina -, os filisteus, que emprestaram seu nome, do grego Philistia, a esta região, e os hebraicos, conviveram tranquilamente, em alguns momentos travando batalhas entre si, outras se unindo para expulsar alguma potência estrangeira. Segundo estes pesquisadores, o reino de Israel teria sido ocupado pelos assírios e integrado ao território deste povo, em 722 a.C. Até 1948, quando os judeus reivindicam seu espaço na região da Palestina, não se ouve mais falar de uma organização política com o nome de Israel.
Em 1947 a ONU decide dividir a Palestina entre judeus e árabes, mas estes rejeitam esta decisão e tem início um dos mais complexos e prolongados conflitos entre dois povos que há milênios disputam esta região, principalmente a cidade de Jerusalém – questão até hoje não completamente resolvida.Estado de Israel.

Atenção Livro Apócrifo Não Aceito Como Inspirado / EVANGELHO SEGUNDO BARTOLOMEU


EVANGELHO SEGUNDO BARTOLOMEU
         Jerônimo e Epifânio citam este apócrifo (Evangelho de Bartolomeu), onde se registra a conversa de Bartolomeu  apóstolo e Cristo com Belial, começando após a Ressurreição.
Adão, o Diabo, o Inferno, Enoch e Elias também são mencionados ao longo desta narrativa, além de Maria também comentar com os apóstolos detalhes da Concepção. Bastante significativo também é o trecho onde Belial comenta sua Queda. 
 Depois que Nosso Senhor Jesus Cristo ressuscitou de entre os mortos, acercou-se dele Bartolomeu e abordou-o desta maneira:    
 — Desvela-nos, Senhor, os mistérios dos céus.   
 Jesus teria respondido:
     — Se não me despojar deste corpo carnal  Bartolomeu, não os poderei desvelar.    
Bartolomeu, pois, acercando-se do Senhor, disse-lhe:     
—Tenho algo a dizer-lhe, Senhor.      
Jesus, por sua vez, respondeu:     
  — Já sei o que me vais dizer.
Dize-me, pois, o que quiseres. Pergunta e eu te darei a razão.       Bartolomeu, então, falou:     
  — Quando ias no caminho da cruz, eu te segui de longe. E te vi a ti, dependurado no lenho, e os anjos que, descendo dos céus, te adoraram. Ao sobrevirem as trevas e eu estava a tudo contemplando. Eu vi como desapareceste da cruz e só pude ouvir os lamentos e o ranger de dentes que se produziram subitamente das entranhas da terra.
Dize-me, Senhor, onde foste depois da cruz.      
Jesus, então, respondeu desta forma:      
 — Feliz de ti, Bartolomeu, meu amado, porque te foi dado contemplar este mistério. Agora podes perguntar-me qualquer coisa que a ti ocorra, porque tudo dar-te-ei eu a conhecer. Quando desapareci da cruz, desci aos Infernos para dali tirar Adão e a todos que com ele se encontravam, cedendo às suplicas do arcanjo Gabriel.       Então disse Bartolomeu:     
  — E o que significa aquela voz que se ouviu?       
Responde-lhe Jesus:       
— Era a voz do Tártaro que dizia a Belial: a meu modo de ver, Deus se fez presente aqui. Quando desci, pois, com meus anjos ao Inferno para romper os ferrolhos e as portas de bronze, dizia ele ao Diabo:
Parece-me que é como se Deus tivesse vindo à terra.
E os anjos dirigiram seus clamores às potestades, dizendo:
Levantai, ó príncipes, as portas e fazei correr as cortinas eternas, porque o Reino da Glória vai descer à terra. E o Inferno disse: quem é esse Rei da Glória que vem do céu a nós?
Mas quando já havia descido quinhentos passos, o Inferno encheu-se de turbação e disse: parece-me que é Deus que baixa à terra, pois ouço a voz do Altíssimo e não o posso agüentar.
E o Diabo respondeu: não percas o ânimo, Inferno; recobra teu vigor, que Deus não desce à terra. Quando voltei  a baixar outros quinhentos passos, os anjos e potestades exclamaram: alçai as portas ao vosso Reino e elevai as cortinas eternas, pois es que está para entrar o Rei da Glória. Disse de novo o Inferno: ai de mim! Já sinto o sopro de Deus chegando.
E disse o Diabo ao Inferno:
para que me assustas, Inferno?
Se somente é um profeta que tem algo semelhante com Deus ... Apanhemo-lo e levemo-lo à presença desses que crêem que está subindo ao céu. Mas replicou o Inferno: e quem é entre os profetas?
Informa-me.
É, por acaso, Enoch, o escritor mui verdadeiro?
 Mas Deus não lhe permite baixar à terra antes de seis mil anos.
Acaso te referes a Elias, o vingador?
Mas este não poderá descer até o final do mundo.
 Que farei?
 Para nossa perdição, é chegado o fim de tudo, pois aqui tenho escrito em minha mão o número dos anos. Belial disse ao Tártaro: não te perturbes. Assegura bem teus poderes e reforça os ferrolhos. Acredita-me, Deus não baixa à terra. Responde o Inferno: não posso ouvir tuas belas palavras. Sinto que se me arrebenta o ventre e minhas entranhas enchem-se de aflição. Outra coisa não pode ser: Deus apresentou-se aqui. Ai de mim! Aonde irei esconder-me de seu rosto, da sua força do grande Rei?
 Deixa-me que me esconda em tuas entranhas, pois fui criado antes de ti. Naquele preciso momento, entrei. Eu o flagelei e o atei com correntes que não se rompem. Depois fiz sair a todos os Patriarcas e voltei novamente para a cruz.     
 — Dize-me, Senhor — disse-lhe Bartolomeu.
 — Quem era aquele homem de talhe gigantesco a quem os anjos levavam em suas mãos?      
Jesus respondeu:       
— Aquele era Adão, o primeiro homem que foi criado, a quem fiz descer do céu à terra. E eu lhe disse: por ti e por teus descendentes fui pregado na cruz. Ele, ao ouvir isso, deu um suspiro e disse: assim, rendo-me a ti, Senhor.      
De novo disse Bartolomeu:       
— Vi também os anjos que subiam diante de Adão e que entoavam hinos, mas um destes, o mais esbelto de todos, não queria subir. Tinha em suas mãos uma espada de fogo e fazia sinais somente a ti. Os demais rogavam que ele subisse ao céu, mas ele não queria. Quando, porém, tu o mandaste subir, vi uma chama que saia de suas mãos e que chegava à cidade de Jerusalém.      
Disse Jesus:       
— Era um dos anjos encarregados de vingar o trono de Deus.
E estava suplicando a mim.
A chama que viste sair de suas mãos feriu o edifício da sinagoga dos judeus para dar testemunho de mim, por terem eles me sacrificado.       Quando falou isso, disse aos apóstolos:       
— Esperai-me neste lugar, porque hoje se oferece um sacrifício no paraíso e ali hei de estar para recebê-los.     
 Falou Bartolomeu:      
 — Qual é o sacrifício que se oferece hoje no paraíso?       Jesus respondeu:       
— As almas dos justos, que saíram do corpo, vão entrar hoje no Éden e, se eu não estiver lá presente, não poderão entrar.     
 Bartolomeu continuou:       
— Quantas almas saem diariamente deste mundo?    
  Disse-lhe Jesus:     
  — Trinta mil.
—   Insistiu Bartolomeu:       
— Senhor, quando te encontravas entre nós ensinando-nos tua palavra, recebia sacrifícios no paraíso?       — Respondeu-lhe Jesus: 
  — Em verdade te digo eu, meu amado, que, quando me encontrava entre vós ensinando-vos a palavra, estava simultaneamente sentado junto de meu Pai.     
 Disse-lhe Bartolomeu:       
— Quantas almas nascem diariamente no mundo?        Responde-lhe Jesus:      
 — Uma só a mais do que as que saem do mundo.     
 Dizendo isto, deu-lhes a paz e desapareceu no meio deles.     
 Estavam os apóstolos em um lugar chamado Chiltura, com Maria, a Mãe de Jesus Cristo. Bartolomeu, acercando-se de Pedro, André e João, disse-lhes:        — Por que não pedimos à cheia de graça que nos diga como concebeu ao Senhor e como pôde carregar em seu seio e dar à luz o que não pôde ser gestado?       Eles vacilaram em perguntar-lhe.      
Disse Bartolomeu a Pedro:       
— Tu, como corifeu e nosso mestre que és, acerca-te e pergunta-lhe.   
   Mas, ao ver todos vacilantes e em desacordo, Bartolomeu acercou-se dela e disse:       
— Deus te salve, Tabernáculo do Altísimo; aqui viemos todos os apóstolos a perguntar-te como concebeste ao que é incompreensível, e como carregaste em teu seio aquele que não pôde ser gestado, ou como, enfim, deste à luz tanta grandeza. 
   Maria respondeu:      
 — Não me interrogueis acerca deste mistério.
Se começar a falar-vos dele, sairá fogo de minha boca e consumirá toda a terra.      
Eles insistiram e Maria, não querendo dar-lhes ouvidos, disse:      
 — Oremos.—     
 Os apóstolos puseram-se de pé atrás de Maria. Esta disse a Pedro:      
 — E tu, Pedro, que és chefe e grande pilar, estás de pé atrás de nós?
 Pois não disse o Senhor que a cabeça do varão é Cristo e a da mulher é o varão?’       Eles replicaram:   
    — O Senhor plantou sua tenda em ti e em tua pessoa houve por bem ser contido. Tu deves ser nossa guia na oração.       Maria, então, disse-lhes:       
— Vós sois estrelas brilhantes do céu. Vós sois os que devem orar.       Disseram eles:        — Tu deves orar, pois que sois a Mãe do Rei Celestial.       Maria colocou-se diante deles e elevando as mãos aos céus começou a dizer:    
— Ó Deus, tu que és o Grande, o Sapientíssimo, o Rei dos séculos, inexplicável, inefável, aquele que com uma palavra deu consistência às magnitudes siderais, aquele que fundamentou em afinada harmonia a excelsitude do firmamento, aquele que separou a obscuridade tenebrosa da luz, aquele que alicerçou em um mesmo lugar os mananciais das águas; tu que deste base à terra, tu que não podendo ser contido nos sete céus, te dignaste a ser contido em mim sem dor alguma, sendo Verbo Perfeito do Pai, por quem todas as coisas foram feitas; da glória, Senhor, a teu magnífico nome, manda-me falar na presença de teus santos apóstolos.    
Terminada a oração, disse:      
— Sentemo-nos no chão e vem tu, Pedro, que és o chefe.
 Senta-te à minha direita e apoia com tua esquerda meu braço. Tu, André faz o mesmo do lado esquerdo. Tu, João, que és virgem, inclina te no meu peito.
 E tu, Bartolomeu, põe-te de joelhos atrás de mim e
apoia minhas costas para que, ao começar falar, meus ossos não se desarticulem.    
Quando fizeram isso, começou ela a falar:    
 — Estando eu no templo de Deus, aonde recebia alimento das mãos de um anjo, apareceu-me certo dia uma figura que me pareceu ser angélica. Mas seu semblante era indescritível, e não levava nas mãos nem o pão nem o cálice, como o anjo que anteriormente tinha vindo a mim.
 Eis que de repente, rasgou-se o véu do templo e sobreveio um grande terremoto.
Joguei-me por terra, não podendo suportar o semblante do anjo, mas ele estendeu-me sua mão e levantou-me. Olhei para o céu e vi uma nuvem de orvalho que aspergiu-me da cabeça aos pés. Então ele enxugou-me com o seu manto e disse-me: salve, cheia de graça, cálice da eleita.
 Deu, então, um golpe com sua mão direita e apareceu um pão muito grande, que colocou sobre o altar do templo. Comeu em primeiro lugar e em seguida deu-o a mim também. Deu outro golpe com a ourela esquerda de sua túnica e apareceu um cálice muito grande e cheio de vinho.
Bebeu em primeiro lugar e em seguida deu-o a mim também. E meus olhos viram um cálice transbordante e um pão. Disse-me, então: ao cabo de três anos, eu te dirigirei novamente minha palavra e conceberás um filho pelo qual será salva toda a criação.
Tu és o cálice do mundo. A paz esteja contigo, minha amada, e minha paz te acompanhará sempre. Após isto, desapareceu de minha presença, ficando o templo como estava anteriormente.       Ao terminar de falar, começou a sair fogo de sua boca. Quando o mundo estava para ser destruído, apareceu o Senhor que disse a Maria:  
   — Não desveles este mistério, porque se o fizerdes no dia de hoje sofrerá a criação inteira um cataclismo.  Os apóstolos, consternados, temeram que o Senhor pudesse irar-se contra eles.      O Senhor caminhou com eles até o Monte  Moria e se sentou no meio deles. Como tinham medo, hesitavam em perguntar-lhe. Jesus incitou-os:      
— Perguntai-me o que quiserdes, pois dentro de sete dias partirei para o meu Pai e já não estarei visível a vós nesta forma.    
Eles, vacilantes, disseram:      
— Permite-nos ver o abismo, como nos prometeste.       Respondeu Jesus:    
 — Melhor seria para vós não verdes o abismo; mas, se o queres, segui-me e o vereis.       Ele os conduziu ao local chamado Cherudik, cujo significado é lugar de verdade, e fez um sinal aos anjos do Ocidente. A terra abriu-se como um livro e o abismo apareceu. Ao vê-lo, os apóstolos prostraram-se em terra, mas o Senhor os ergueu dizendo:      
— Não vos dizia, há pouco, que não vos faria bem verdes o abismo?’    
  Jesus tomou-os de novo e pôs-se a caminho do monte das Oliveiras. Pedro disse a Maria:      
— Oh tu, cheia de graça, roga ao senhor que nos revele os arcanjos celestiais.       Maria respondeu a Pedro:    
 — Oh tu, pedra escolhida por acaso não prometeu ele fundar sua Igreja sobre ti?    
 Pedro insistiu:        — A ti, que és um amplo tabernáculo, cabe perguntar.       Disse Maria:      
— Tu és a imagem de Adão e este não foi formado da mesma maneira que Eva. Observa o sol e vê que, tal qual Adão, ele se avantaja em brilho aos demais astros. Observa também a lua e vê como está enodoada pela transgressão de Eva. Porque pôs
Adão ao oriente e Eva ao Ocidente, ordenando a ambos que ofereçam a face mutuamente.       Quando chegaram ao cimo do monte o Senhor afastou-se um pouco deles, e Pedro disse a Maria:        — Tu és aquela que desfez a infração de Eva, transformando-a de vergonha em regozijo.  Quando Jesus retornou, disse-lhe Bartolomeu:    
 — Senhor, mostra-nos o inimigo dos homens para que vejamos quem é e quais são suas obras, já que nem mesmo de ti se apiedou, fazendo-te pender do patíbulo.       Jesus, fixando nele seu olhar, disse-lhe:        — Teu coração é duro. Não te é dado ver isso que pedes.       Então, Bartolomeu, todo agitado, caiu aos pés de Jesus, dizendo:      
— Jesus Cristo, chama inextinguível, criador da luz eterna, tu que hás dado a graça universal a todos os que te amam e que nos hás outorgado por meio da Virgem Maria o fulgor perene da tua presença neste mundo, concede-nos o nosso desejo.  
  Quando Bartolomeu acaba de falar, o Senhor ergueu-se dizendo:      
— Vejo que é teu desejo ver o adversário dos homens. Mas lembra-te que, ao fitá-lo, não apenas tu mas também os demais apóstolos e Maria caireis por terra e ficareis como mortos.  
  Mas todos lhe disseram:  
  — Senhor, vejamo-lo.    
Então fê-los descer do monte das Oliveiras. E, havendo lançado um olhar enfurecido aos anjos que custodiavam o Tártaro, ordenou a Micael que fizesse soar a trombeta fortemente. Quando este o fez, Belial subiu aprisionado por 6 064 anjos e atado com correntes de fogo.       O dragão tinha de altura mil e seiscentos côvados e de largura, quarenta. Seu rosto era como uma centelha e seus olhos, tenebrosos.
Do seu nariz saía uma fumaça mal-cheirosa e sua boca era como a face de um precipício.       Ao vê-lo, os apóstolos caíram por terra sobre os rostos e ficaram como que mortos. Jesus acercou-se deles, ergueu-os e infundiu-lhes ânimo.        Disse a Bartolomeu:    
 — Pisa com teu próprio pé sua cerviz e pergunta-lhe quais foram suas obras até agora e como engana os homens.       Jesus estava de pé com os demais apóstolos. Bartolomeu, temeroso, ergueu a voz e disse:    
  — Bendito seja desde agora e para sempre o nome de teu reino imortal.    
 Quando ele acabou de dizer isso, Jesus o exortou de novo:    
 — Anda, pisa a cerviz de Belial.       Bartolomeu caminhou apressadamente para Belial e pisou-lhe o pescoço, deixando-o a tremer.       Bartolomeu fugiu assustado, dizendo:  
   — Deixa-me pegar a borda de tuas vestes para que me atreva a aproximar-me dele.       Jesus respondeu-lhe:    
  — Não podes tocar a fímbria das minhas vestes porque não são as mesma que eu tinha antes de ser crucificado.       Disse-lhe Bartolomeu:    
 — Tenho medo, Senhor, de que, assim como não se compadeceu dos anjos, da
mesma maneira me esmague também a mim.       Respondeu Jesus:    
 — Mas por acaso não se acertaram todas as coisas graças à minha palavra e à inteligência de meu Pai? A Salomão se submeteram os espíritos. Vai tu, pois, em meu nome, e pergunta-lhe o que quiseres.       Ao fazer Bartolomeu o sinal da cruz e orar a Jesus, irrompeu um incêndio e as vestes do apóstolo foram tomadas pelas chamas.    
  Disse-lhe então Jesus de novo:        — Pisa, como te disse, na cerviz, de maneira que possas perguntar-lhe qual é o seu poder.       Bartolomeu, pois, se foi e pisou-lhe a cerviz, que trazia oculta até as orelhas, dizendolhe:      
— Dizei-me quem és tu e qual é teu nome.       Bartolomeu, afrouxou-lhe um pouco as ligaduras e lhe disse:    
  — Conta tudo quanto tens feito.       Respondeu Belial:    
  — A princípio me chamava Satanail, que quer dizer mensageiro de Deus, Mas, desde que não reconheci a imagem de Deus, meu nome foi mudado para Satanás, que quer dizer anjo guardião do tártaro.       Bartolomeu falou de novo:  
   — Conta tudo sem nada ocultar.       Ele respondeu:    
 — Juro-te pela glória de Deus que, ainda que quisesse ocultá-lo, ser-me-ia impossível. Está aqui presente aquele que me acusa. E se me fosse possível vos faria desaparecer a todos da mesma maneira que o fiz com aquele que pregou para vós.
 Também fui chamado primeiro anjo porque, quando Deus fez o céu e a terra, apanhou um  punhado de fogo e formou-me a mim primeiro e o segundo foi Micael, e o terceiro Gabriel, e o quarto Rafael, e o quinto Uriel, o sexto Xathsnael e assim outros seis mil anjos, cujos nomes me é impossível pronunciar, pois são os lictores de Deus e me flagelam sete vezes a cada dia e sete vezes a cada noite. Não me deixam um momento e são os encarregados de minar minhas forças. Os anjos vingadores são estes que estão diante do trono de Deus.
 Eles foram criados primeiro.
 Depois destes foi criada a multidão dos anjos: no primeiro céu há cem miríades; no segundo, cem miríades; no terceiro, cem miríades; no quarto, cem miríades; no quinto, cem miríades, no sexto, cem miríades; no sétimo, cem miríades. Fora do âmbito dos sete céus está o primeiro firmamento, onde residem as potestades que exercem sua atividade sobre o homem. Há também outros quatro anjos: Um é Bóreas, cujo nome é Vroil Cherum, tem na mão uma vara de fogo e neutraliza a força que a umidade exerce sobre a terra, para que esta não chegue a secar. Outro anjo está no Aquilon e seu nome é Elvisthá. Etalfatha tem a ser cargo o Aquilon.
E ambos, ele e Mauch, que está na Bóreas, mantêm em suas mãos tochas incendiadas e varas de fogo para neutralizar o frio, o frio dos ventos, de maneira que a terra não se resseque e o mundo não pereça. Cedor cuida do Austro, para que o sol não perturbe a terra, pois  Levenior apaga a chama que sai da boca daquele, para que a terra não seja abrasada. Há outro anjo que exerce domínio sobre o mar e reduz o empuxo das ondas.
O mais não estou a revelar.    
 Insistiu Bartolomeu: 
      — Anda dize-me, malfeitor e mentiroso, ladrão desde o berço, cheio de amargura, engano, inveja e astúcia, velho réptil, trapaceiro, lobo rapace, como te arrumas para induzir os homens a deixar o Deus vivo, criador de todas as coisas, que fez o céu e a terra e tudo que neles está contido? Pois és sempre inimigo do gênero humano.       Disse o Anticristo:    
 — Dir-te-ei. Es aqui uma roda que sobe do abismo e tem sete facas de fogo. A primeira delas tem doze canais.       Perguntou-lhe Bartolomeu:    
  — Quem está nas facas?    
Respondeu o Anticristo:    
 — No canal ígneo da primeira faca ficam os inclinados ao sortilégio, à adivinhação e à arte de encantamento e também os que neles crêem e o buscam, já que por malícia de seu coração buscaram adivinhações falsas. No segundo canal de fogo vão os blasfemos, que maldizem de Deus, de seu próximo e das Escrituras.
Também ficam ai os feiticeiros e os que os buscam e lhes dão crédito. Entre os meus encontram-se também os suicidas, os que se lançam à água, ou se enforcam, ou se ferem com a espada. Todos esses estarão comigo.
No terceiro canal vão os homicidas, os que se entregam à idolatria e os que se deixam dominar pela avareza ou pela inveja, que foi o que me arrojou do céu à terra.
Nos demais canais vão os perjuros, os soberbos, os ladrões, os que desprezam os peregrinos, os que não dão esmolas, os que não ajudam os encarcerados, os caluniadores, os que não amam o próximo e os demais pecadores que não buscam a Deus ou o servem debilmente.
A todos esses eu os submeto ao meu arbítrio.    
 Tornou, então, Bartolomeu:        — Dize-me, diabo mentiroso e insincero! Fazes tu essas coisas pessoalmente ou por intermédio de teus iguais?    
 Respondeu-lhe o Anticristo:    
  —Oh se eu pudesse sair e fazer essas coisas por mim mesmo! Em três dias destruiria o mundo inteiro. Desgraçadamente, porém, nem eu nem nenhum dos que foram arrojados juntamente comigo podemos sair. Temos, todavia, outros ministros mais fracos que, por sua vez, atraem outros colegas ao quais emprestamos nossa vestimentas e mandamos semear insídias que enredem as almas dos homens com muita suavidade, afagando-as, para que se deixem dominar pela embriaguez, a avareza, a blasfêmia, o homicídio, o furto, a fornicação, a apostasia, a idolatria, o abandono da Igreja, o desprezo da Cruz, o falso testemunho, enfim, tudo o que Deus abomina. Isso é o que nós fazemos. A uns nós os deitamos ao fogo.
 A outros, nós os lançamos das árvores para que se afoguem. A uns rompemos pés e mãos e a outros lhes arrancamos os olhos. Estas e outras coisas são o que fazemos. Oferecemos ouro e prata e tudo mais que é cobiçável no mundo e àqueles que não conseguimos que pequem despertos fazemo-los pecar adormecidos. Também direi os  nomes dos anjos de Deus que nos são contrários. Um deles chama-se Mermeoth, que é o que domina as tempestades.
 Meus satélites o conjuram e ele lhe dá permissão para que habitem onde queiram; mas ao voltar se incendeiam. Há outros cinqüenta anjos que têm debaixo do seu poder o raio.
Quando algum espírito, dentre os nossos, quiser sair pelo mar ou pela terra, esses anjos desferem contra ele uma descarga de pedra. Com isso ateiam o fogo e fazem fender as rochas e as árvore. E quando conseguem dar conosco nos  perseguem, obedecendo ao mandato daquele a quem servem. Graças a esse mandato, tu podes exercer poder sobre mim, pelo que me vejo obrigado, muito a meu pesar, a revelar
te o segredo e as coisas que não pensava dizer-te.       Continuou Bartolomeu:    
  — Que tens feito e o que continuas fazendo ainda?
 Revela-me, Satanás!        Este respondeu:    
  — Tinha pensado não confessar-te todo o segredo, mas, por aquele que preside ao Universo, cuja cruz me lançou ao cativeiro, não posso ocultar-te nada.       Disse o Senhor Jesus a Bartolomeu:        — Afrouxa-lhes as ligaduras e ordena-lhe que retorne a seu lugar até a vinda do Senhor. Quanto ao mais, já me encarregarei eu mesmo de revelar-vos. Porque é necessário nascer de novo para que aqueles que passaram pela prova possam entrar no Reino dos céus, de onde foi expulso este inimigo por sua soberba, juntamente com aqueles de cujo conselho se servia.  
  Após isso, disse o apóstolo Bartolomeu ao Anticristo:      
— Volta condenado e inimigo dos homens, ao abismo até a vinda de Nosso Senhor Jesus Cristo, o qual há de vir julgar os vivos e mortos e ao mundo inteiro por meio do fogo e a condenar-te a ti e a todos os teus semelhantes. Não tentes daqui em diante continuar praticando isso que foste obrigado a revelar.  Satanás, lançando vozes misturadas com rugidos e gemidos, disse:    
 — Ai de mim, que tenho me servido de mulheres para enganar a tantos e acabei por ser burlado por uma virgem! Agora vejo-me aferrolhado e atado com cadeias de fogo pelo seu filho e estou ardendo de péssima maneira. Ó virgindade, que estás sempre contra mim! Ainda não se passaram os sete mil anos. como, pois, me vi condenado a confessar as coisas que acabo de dizer?    
 O apóstolo Bartolomeu, admirando a audácia do inimigo e confiando no poder do salvador, disse a Satã:      
— Dize-me, imundíssimo demônio, a causa pela qual foste banido do mais alto do céu. Pois prometeste revelar-me tudo.    
Respondeu o Diabo:    
  — Quando Deus se propôs a formar Adão, pai dos homens, à sua imagem, ordenou a quatro anjos que trouxessem terra das quatro partes do globo e água dos quatro rios do paraíso. Eu estava no mundo naquela ocasião e o homem passou a ser um animal vivente nos quatros rincões da terra onde eu estava. Então Deus o abençoou porque era sua imagem. Depois vieram render-lhe suas homenagens Micael, Gabriel e Uriel.
Quando voltei ao mundo, disse-me o arcanjo Micael: adora essa figura que Deus fez segundo sua vontade. Eu me dei conta de que a criatura havia sido feita de barro e disse: eu fui feito de fogo e água e antes do que este.
Eu não adoro o barro da terra. De novo me disse Micael: adora-o, antes que o Senhor se aborreça contigo. Eu repliquei: o Senhor não se irritará comigo. Eu vou colocar meu trono contra o dele. Então Deus enfureceu-se comigo, mandou abrir as comportas do céu e me arrojou à terra. Depois que fui expulso, perguntou o Senhor aos demais anjos que estavam às minhas ordens se se dispunham a render-se diante da obra que havia feito com suas mãos e eles disseram: assim como vimos que nosso chefe não dobrou sua cerviz, da mesma maneira não adoraremos um ser inferior a nós. Naquele momento mesmo foram eles expulsos como eu. Ficamos adormecidos durante um período de quarenta anos.
Ao despertar, percebi que dormiam os que estavam abaixo de mim e os despertei, seguindo meu capricho. Depois discuti com eles uma forma de lograr o homem por cuja causa fui expulso do céu. Tomada a
resolução, descobri como podia seduzi-lo. Tomei em minhas mãos umas folhas de figueira, enxuguei com elas o suor do meu peito e das minhas axilas e atirei-as ao rio. Eva, então, ao beber daquela água, conheceu o desejo carnal e o ofereceu ao marido. A ambos pareceu doce o sabor e não deram conta do amargo de haverem prevaricado. Se não houvessem bebido dessa água, jamais poderia eu enredá-los, pois outro meio eu não tinha para poder superá-los senão esse.    
 O apóstolo Bartolomeu pôs-se a orar, dizendo :    
  — Oh, Senhor Jesus cristo! Ordena-lhe que entre no Inferno porque se mostra insolente comigo.        Disse Jesus Cristo a Satã:        —Vai, desce ao abismo e fica ali até minha chegada.       No mesmo instante o Diabo desapareceu.       Bartolomeu, caindo aos pés de Nosso Senhor Jesus Cristo, começou a dizer, banhado em lágrimas:      
— Abba! Pai! Tu que continuas sendo único e glorioso Verbo do Pai, por que foram feitas todas as coisas; tu, a quem não te puderam conter os sete céus e que tiveste por habitar o seio de uma Virgem; a quem a Virgem gerou e deu à luz sem dor; tu, Senhor, elegeste aquela a quem verdadeiramente pudeste chamar mãe, rainha e escrava. Mãe, porque por ela te dignaste descer e dela tomaste carne mortal. E rainha porque a constituíste rainha das virgens. Tu que chamas os quatro rios e eles obedecem tuas ordens e se apressam a servi-te.
O primeiro, o rio dos Filósofos, para a unidade da Igreja e da Fé, que foi revelada no mundo. O segundo, o Geon, porque foi feito da terra, ou também pelos dois testamentos. O terceiro, o tigre, porque aos que cremos no Pai, no Filho e no Espirito Santo, Deus único por quem foram feitas todas as coisas no céu e na terra, nos foi revelada a Trindade sempiterna, que está nos céus. O quarto, o Eufrates, porque tu te dignaste saciar toda alma vivente por meio do banho da regeneração, que representava a imagem dos Evangelhos que correm por toda a órbita da Terra e que te dignaste anunciar por teus servos, para que, por meio da confissão e da fé, sejam salvos todos os que crêem em teu nome grande e terrível e em teus santos Evangelhos, de maneira que possam alcançar a vida que ainda não possuem.       Continuou Bartolomeu:    
 — É lícito revelar estas coisas a todos os homens.    
Disse-lhe Jesus:      
— Pode dá-las a conhecer a todos que sejam crentes e observem este mistério que acabo de desvendar-vos. Pois entre os gentios há alguns que são idólatras, ébrios, fornicadores, maldosos, feiticeiros, malvados, que seguem as artimanhas do inimigo e que odeiam o próximo.
Todos esses não são dignos de ouvir esse mistério.
Mas são dignos de ouvi-lo todos os que guardam meus mandamentos, os que recebem em si as palavras de Vida eterna que não têm fim, e todos os que têm fim, e todos os que têm parte nos céus com os Santos, justos e fiéis no reino do meu Pai. Todos aquele que se hajam conservado imunes ao erro da iniquidade e hajam seguindo o caminho da salvação e da justiça, devem ouvir este mistério. E tu, Bartolomeu, és feliz, juntamente a tua geração.       Bartolomeu, ao escrever todas essas coisas que ouviu dos lábios de Nosso Senhor Jesus Cristo, mostrou toda sua alegria no rosto e bendisse o Pai, o Filho e o Espirito Santo, dizendo:      
— Glória a Ti, Senhor, redentor dos pecadores, vida dos justo, amante da castidade.
      O Senhor disse, então, batendo no peito:      
— Eu, sou bom, manso e benigno, misericordioso e clemente, forte e justo, admirável e santo, médico e defensor de órfãos e viúvas, remunerador dos justos e fiéis, juiz de vivos e mortos, luz de luz e resplendor da claridade, consolador dos atribulados e cooperador dos pupilos; Alegrai-vos comigo, amigos meus, e recebei meu presente.
Hoje vou dar-vos um dom celeste. A todos os que em mim tenham depositado suas aspiração e sua fé, e a vós, estou galardoando com a vida eterna.       Bartolomeu e os demais apóstolos puseram-se a glorificar o Senhor Jesus, dizendo:    
  — Glória a ti, pai dos céus, rei da vida eterna, foco de luz inextinguível, sol radiante e resplendor da claridade perpétua, reis dos reis, senhor dos senhores. A ti seja dada a magnificência, a glória, o império, o reino, a honra e o poder, juntamente com o Pai e o Espirito Santo. Bendito seja o Senhor Deus de Israel porque nos visitou e redimiu seu povo da mão de seus inimigos e usou conosco de misericórdia e justiça.
Louvai a Nosso Senhor Jesus Cristo todas as nações e crede que ele é o juiz de vivos e mortos e o salvador dos fiéis. O qual vive e reina, juntamente com o Pai e o Espirito Santo, por todos os séculos dos séculos.       

Albert Einstein Minha Condição Humana Me Fascina

Minha condição humana me fascina disse. Albert Einstein Minha Condição Humana Me Fascina . O homem pode, é certo, fazer o que quer, mas não pode querer o que quer. Não posso me preocupar com o sentido ou a finalidade de minha existência, nem da dos outros, porque, do ponto de vista estritamente objetivo, é absurdo. E no entanto, como homem, alguns ideais dirigem minhas ações e orientam meus juízos.

Minha condição humana me fascina disse;
 Conheço o limite de minha existência e ignoro por que estou nesta terra, mas às vezes o pressinto. Pela experiência cotidiana, concreta e intuitiva, eu me descubro vivo para alguns homens, porque o sorriso e a felicidade deles me condicionam inteiramente, mas ainda para outros que, por acaso, descobri terem emoções semelhantes às minhas.
E cada dia, milhares de vezes, sinto minha vida corpo e alma  integralmente tributária do trabalho dos vivos e dos mortos. Gostaria de dar tanto quanto recebo e não paro de receber. Mas depois experimento o sentimento satisfeito de minha solidão e quase demonstro má consciência ao exigir ainda alguma coisa de outrem. Vejo os homens se diferenciarem pelas classes sociais e sei que nada as justifica a não ser pela violência. Sonho ser acessível e desejável para todos uma vida simples e natural, de corpo e de espírito.
Recuso-me a crer na liberdade e neste conceito filosófico. Eu não sou livre, e sim às vezes constrangido por pressões estranhas a mim, outras vezes por convicções íntimas. Ainda jovem, fiquei impressionado pela máxima de Schopenhauer:
“O homem pode, é certo, fazer o que quer, mas não pode querer o que quer”;
e hoje, diante do espetáculo aterrador das injustiças humanas, esta moral me tranquiliza e me educa. Aprendo a tolerar aquilo que me faz sofrer. Suporto então melhor meu sentimento de responsabilidade. Ele já não me esmaga e deixo de me levar, a mim ou aos outros, a sério demais. Vejo então o mundo com bom humor.
 Não posso me preocupar com o sentido ou a finalidade de minha existência, nem da dos outros, porque, do ponto de vista estritamente objetivo, é absurdo. E no entanto, como homem, alguns ideais dirigem minhas ações e orientam meus juízos.
Porque jamais considerei o prazer e a felicidade como um fim em si e deixo este tipo de satisfação aos indivíduos reduzidos a instintos de grupo. Em compensação, foram ideais que suscitaram meus esforços e me permitiram viver. Chamam-se o bem, a beleza, a verdade. Se não me identifico com outras sensibilidades semelhantes à minha e se não me obstino incansavelmente em perseguir este ideal eternamente inacessível na arte e na ciência, a vida perde todo o sentido para mim. Ora, a humanidade se apaixona por finalidades irrisórias que têm por nome a riqueza, a glória, o luxo. Desde moço já as desprezava. Tenho forte amor pela justiça, pelo compromisso social. Mas com muita dificuldade me integro com os homens e em suas comunidades.
Não lhes sinto a falta porque sou profundamente um solitário. Sinto-me realmente ligado ao Estado, à pátria, a meus amigos, a minha família no sentido completo do termo.
Mas meu coração experimenta, diante desses laços, curioso sentimento de estranheza, de afastamento e a idade vem acentuando ainda mais essa distância. Conheço com lucidez e sem prevenção as fronteiras da comunicação e da harmonia entre mim e os outros homens. Com isso perdi algo da ingenuidade ou da inocência, mas ganhei minha independência. Já não mais firmo uma opinião, um hábito ou um julgamento sobre outra pessoa. Testei o homem. É inconsistente. A virtude republicana corresponde a meu ideal político.
Cada vida encarna a dignidade da pessoa humana, e nenhum destino poderá justificar uma exaltação qualquer de quem quer que seja. Ora, o acaso brinca comigo. Porque os homens me testemunham uma incrível e excessiva admiração e veneração. Não quero e não mereço nada. Imagino qual seja a causa profunda, mas quimérica, de seu sentimento. Querem compreender as poucas idéias que descobri. Mas a elas consagrei minha vida, uma vida inteira de esforço ininterrupto. Fazer, criar, inventar exigem uma unidade de concepção, de direção e de responsabilidade.
Reconheço esta evidência. Os cidadãos executantes, porém, não deverão nunca ser obrigados e poderão escolher sempre seu chefe. 8 Ora, bem depressa e inexoravelmente, um sistema autocrático de domínio se instala e o ideal republicano degenera. A violência fascina os seres moralmente mais fracos. Um tirano vence por seu gênio, mas seu sucessor será sempre um rematado canalha. Por esta razão, luto sem tréguas e apaixonadamente contra os sistemas dessa natureza, contra a Itália fascista de hoje e contra a Rússia soviética de hoje.
A atual democracia na Europa naufraga e culpamos por esse naufrágio o desaparecimento da ideologia republicana. Aí vejo duas causas terrivelmente graves. Os chefes de governo não encarnam a estabilidade e o modo da votação se revela impessoal. Ora, creio que os Estados Unidos da América encontraram a solução desse problema. Escolhem um presidente responsável eleito por quatro anos. Governa efetivamente e afirma de verdade seu compromisso. Em compensação, o sistema político europeu se preocupa mais com o cidadão, com o enfermo e o indigente. Nos mecanismos universais, o mecanismo Estado não se impõe como o mais indispensável. Mas é a pessoa humana, livre, criadora e sensível que modela o belo e exalta o sublime, ao passo que as massas continuam arrastadas por uma dança infernal de imbecilidade e de embrutecimento.
A pior das instituições gregárias se intitula exército. Eu o odeio. Se um homem puder sentir qualquer prazer em desfilar aos sons de música, eu desprezo este homem... Não merece um cérebro humano, já que a medula espinhal o satisfaz.
Deveríamos fazer desaparecer o mais depressa possível este câncer da civilização. Detesto com todas as forças o heroísmo obrigatório, a violência gratuita e o nacionalismo débil. A guerra é a coisa mais desprezível que existe.
Preferiria deixar-me assassinar a participar desta ignomínia. No entanto, creio profundamente na humanidade. Sei que este câncer de há muito deveria ter sido extirpado. Mas o bom senso dos homens é sistematicamente corrompido.
E os culpados são: escola, imprensa, mundo dos negócios, mundo político. O mistério da vida me causa a mais forte emoção. É o sentimento que suscita a beleza e a verdade, cria a arte e a ciência. Se alguém não conhece esta sensação ou não pode mais experimentar espanto ou surpresa, já é um mortovivo e seus olhos se cegaram. Aureolada de temor, é a realidade secreta do mistério que constitui também a religião. Homens reconhecem então algo de impenetrável a suas inteligências, conhecem porém as manifestações desta ordem suprema e da Beleza inalterável. Homens se confessam limitados e seu espírito não pode apreender esta perfeição. E este conhecimento e esta confissão tomam o nome de religião.
 Deste modo, mas somente deste modo, soa profundamente religioso, bem como esses homens. Não posso imaginar um Deus a recompensar e a castigar o objeto de sua criação.
 Não posso fazer ideia de um ser que sobreviva à morte do corpo. Se semelhantes idéias germinam em um espírito, para mim é ele um fraco, medroso e estupidamente egoísta.
Não me canso de contemplar o mistério da eternidade da vida. Tenho uma intuição da extraordinária construção do ser. Mesmo que o esforço para compreendê-lo fique sempre desproporcionado, vejo a Razão se manifestar na vida.
QUAL O SENTIDO DA VIDA?
Tem um sentido a minha vida?
A vida de um homem tem sentido?
Posso responder a tais perguntas se tiver espírito religioso.
 Mas, “fazer tais perguntas tem sentido?”
Respondo: “Aquele que considera sua vida e a dos outros sem qualquer sentido é fundamentalmente infeliz, pois não tem motivo algum para viver”.
COMO JULGAR UM HOMEM?
De acordo com uma única regra determino o autêntico valor de um homem: em que grau e com que finalidade o homem se libertou de seu Eu?
PARA QUÊ AS RIQUEZAS?
Todas as riquezas do mundo, ainda mesmo nas mãos de um homem inteiramente devotado à idéia do progresso, jamais trarão o menor desenvolvimento moral para a humanidade. Somente seres humanos excepcionais e irrepreensíveis suscitam idéias generosas e ações elevadas. Mas o dinheiro polui tudo e degrada sem piedade a pessoa humana.
Não posso comparar a generosidade de um Moisés, de um Jesus ou de um Gandhi com a generosidade de uma Fundação Carnegie qualquer. COMUNIDADE E PERSONALIDADE
Ao refletir sobre minha existência e minha vida social, vejo claramente minha estrita dependência intelectual e prática. Dependo integralmente da existência e da vida dos outros. E descubro ser minha natureza semelhante em todos os pontos à natureza do animal que vive em grupo. Como um alimento produzido pelo homem, visto uma roupa fabricada pelo homem, habito uma casa construída por ele.
O que sei e o que penso, eu o devo ao homem. E para comunicá-los utilizo a linguagem criada pelo homem.
Mas quem sou eu realmente, se minha faculdade de pensar ignora a linguagem disse  hainsteim?
Sou, sem dúvida, um animal superior, mas sem a palavra a condição humana é digna de lástima. Portanto reconheço minha vantagem sobre o animal nesta vida de comunidade humana. E se um indivíduo fosse abandonado desde o nascimento, seria irremediavelmente um animal em seu corpo e em seus reflexos. Posso concebê-lo, mas não posso imaginá-lo. Eu, enquanto homem, não existo somente como criatura individual, mas me descubro membro de uma grande comunidade humana. Ela me dirige, corpo e alma, desde o nascimento até a morte.
Meu valor consiste em reconhecê-lo.
Sou realmente um homem quando meus sentimentos, pensamentos e atos têm uma única finalidade: a comunidade e seu progresso. Minha atitude social portanto determinará o juízo que têm sobre mim, bom ou mau. Contudo, esta afirmação primordial não basta. Tenho de reconhecer nos dons materiais, intelectuais e morais da sociedade o papel excepcional, perpetuado por inúmeras gerações, de alguns homens criadores de gênio.
Sim, um dia, um homem utilizou o fogo pela primeira vez; sim, um dia ele cultivou plantas alimentícias; sim, ele inventou a máquina a vapor. O homem solitário pensa sozinho e cria novos valores para sua comunidade.
Inventa assim novas regras morais e modifica a vida social. A personalidade criadora deve pensar e julgar por si mesma, porque o progresso moral da sociedade depende exclusivamente de sua independência. A não ser assim, a sociedade estará inexoravelmente votada ao malogro, e o ser humano privado da possibilidade de comunicar. Defino uma sociedade sadia por este laço duplo.
Somente existe por seres independentes, mas profundamente unidos ao grupo. Assim, quando analisamos as civilizações antigas e descobrimos o desabrochar da cultura européia no momento do Renascimento italiano, reconhecemos estar a Idade Média morta e ultrapassada, porque os escravos se libertam e os grandes espíritos conseguem existir.
 Hoje, que direi da época, do estado, da sociedade e da pessoa humana?
 Nosso planeta chegou a uma população prodigiosamente aumentada se a comparamos às cifras do passado. Por exemplo, a Europa encerra três vezes mais habitantes do que há um século. Mas o número de personalidades criadoras diminuiu.
E a comunidade não descobre mais esses seres de que tem necessidade essencial. A organização mecânica substituiu-se parcialmente ao homem inovador. Esta transformação se opera evidentemente no mundo tecnológico, mas já em proporção inquietadora também no mundo científico.
A falta de pessoas de gênio nota-se tragicamente no mundo estético.
Pintura e música degeneram e os homens são menos sensíveis. Os chefes políticos não existem e os cidadãos fazem pouco caso de sua independência intelectual e da necessidade de um direito moral. As organizações comunitárias democráticas e parlamentares, privadas dos fundamentos de valor, estão decadentes em numerosos países. Então aparecem as ditaduras. São toleradas porque o respeito da pessoa e o senso social estão agonizantes ou já mortos. Pouco importa em que lugar, em quinze dias, uma campanha da imprensa pode instigar uma população incapaz de julgamento a um tal grau de loucura, que os homens se prontificam a vestir a farda de soldado para matar e se deixarem matar. E seres maus realizam assim suas intenções desprezíveis. A dignidade da pessoa humana está irremediavelmente aviltada pela obrigação do serviço militar e nossa humanidade civilizada sofre hoje deste câncer. Por isso, os profetas, comentando este flagelo, não cessam de anunciar a queda iminente de nossa civilização. Não faço parte daqueles futurólogos do Apocalipse, porque creio em um futuro melhor e vou justificar minha esperança. A atual decadência, através dos fulminantes progressos da economia e da técnica, revela a amplidão do combate dos homens por sua existência. A humanidade aí perdeu o desenvolvimento livre da pessoa humana. Mas este preço do progresso corresponde também a uma diminuição do trabalho.
 O homem satisfaz mais depressa as necessidades da comunidade. E a partilha científica do trabalho, ao se tornar obrigatória, dará a segurança ao indivíduo. Portanto, a comunidade vai renascer. Imagino os historiadores de amanhã interpretando nossa época. Diagnosticarão os sintomas de doença social como a prova dolorosa de um nascimento acelerado pelas bruscas mutações do progresso. Mas reconhecerão uma humanidade a caminho.
O ESTADO DIANTE DA CAUSA INDIVIDUAL
Faço a mim mesmo uma antiquíssima pergunta. Como proceder quando o Estado exige de mim um ato inadmissível e quando a sociedade espera que eu assuma atitudes que minha consciência rejeita? É clara minha resposta. Sou totalmente dependente da sociedade em que vivo. Portanto terei de submeter-me a suas prescrições. E nunca sou responsável por atos que executo sob uma imposição irreprimível. Bela resposta! Observo que este pensamento desmente com violência o sentimento inato de justiça. Evidentemente, o constrangimento pode atenuar em parte a responsabilidade. Mas não a suprime nunca. E por ocasião do processo de Nuremberg, esta moral era sentida sem precisar de provas. Ora, nossas instituições, nossas leis, costumes, todos os nossos valores se baseiam em sentimentos inatos de justiça.
Existem e se manifestam em todos os homens. Mas as organizações humanas, caso não se apoiem e se equilibrem sobre a responsabilidade das comunidades, são impotentes. Devo despertar e sustentar este sentimento de responsabilidade moral; é um dever em face da sociedade. Hoje os cientistas e os técnicos estão investidos de uma responsabilidade moral particularmente pesada, porque o progresso das armas de extermínio maciço está entregue à sua competência. Por isto julgo indispensável a criação de uma “sociedade para a responsabilidade social na Ciência”.
Esclareceria os problemas por discuti-los e o homem aprenderia a forjar para si um juízo independente sobre as opções que se lhe apresentarem. Ofereceria também um auxílio àqueles que têm uma necessidade imperiosa do mesmo.
Porque os cientistas, uma vez que seguem a via de sua consciência, estão arriscados a conhecer cruéis momentos.
O BEM E O MAL
Em teoria, creio dever testemunhar o mais vivo interesse por alguns seres por terem melhorado o homem e a vida humana. Mas interrogo-me sobre a natureza exata de tais seres e vacilo. Quando analiso mais atentamente os mestres da política e da religião, começo a duvidar intensamente do sentido profundo de sua atividade. Será o bem?
 Será o mal?
Em compensação, não sinto a menor hesitação diante de alguns espíritos que só procuram atos nobres e sublimes. Por isto apaixonam os homens e os exaltam, sem mesmo o perceberem. Descubro esta lei prática nos grandes artistas e depois nos grandes sábios. Os resultados da pesquisa não exaltam nem apaixonam.
 Mas o esforço tenaz para compreender e o trabalho intelectual para receber e para traduzir transformam o home Quem ousaria avaliar o Talmude em termos de quociente intelectual? RELIGIÃO E CIÊNCIA
Todas as ações e todas as imaginações humanas têm em vista satisfazer as necessidades dos homens e trazer lenitivo a suas dores. Recusar esta evidência é não compreender a vida do espírito e seu progresso. Porque experimentar e desejar constituem os impulsos primários do ser, antes mesmo de considerar a majestosa criação desejada.
Sendo assim, que sentimentos e condicionamentos levaram os homens a pensamentos religiosos e os incitaram a crer, no sentido mais forte da palavra?
Descubro logo que as raízes da ideia e da experiência religiosa se revelam múltiplas. No primitivo, por exemplo, o temor suscita representações religiosas para atenuar a angústia da fome, o medo das feras, das doenças e da morte. Neste momento da história da vida, a compreensão das relações causais mostra-se limitada e o espírito humano tem de inventar seres mais ou menos à sua imagem. Transfere para a vontade e o poder deles as experiências dolorosas e trágicas de seu destino. Acredita mesmo poder obter sentimentos propícios desses seres pela realização de ritos ou de sacrifícios. Porque a memória das gerações passadas lhe faz crer no poder propiciatório do rito para alcançar as boas graças de seres que ele próprio criou.
A religião é vivida antes de tudo como angústia. Não é inventada, mas essencialmente estruturada pela casta sacerdotal, que institui o papel de intermediário entre seres temíveis e o povo, fundando assim sua hegemonia. Com frequência o chefe, o monarca ou uma classe privilegiada, de acordo com os elementos de seu poder e para salvaguardar a soberania temporal, se arrogam as funções sacerdotais. Ou então, entre a casta política dominante e a casta sacerdotal se estabelece uma comunidade de interesses.
Os sentimentos sociais constituem a segunda causa dos. fantasmas religiosos. Porque o pai, a mãe ou o chefe de imensos grupos humanos, todos enfim, são falíveis e mortais. Então a paixão do poder, do amor e da forma impele a imaginar um conceito moral ou social de Deus. Deus- Providência, ele preside ao destino, socorre, recompensa e castiga. Segundo a imaginação humana, esse Deus-Providência ama e favorece a tribo, a humanidade, a vida, consola na adversidade e no malogro, protege a alma dos mortos. É este o sentido da religião vivida de acordo com o conceito social ou moral de Deus.
Nas Sagradas Escrituras do povo judeu manifesta-se claramente a passagem de uma religião-angústia para uma religião-moral. As religiões de todos os povos civilizados, particularmente dos povos orientais, se manifestam basicamente morais. O progresso de um grau ao outro constitui a vida dos povos. Por isto desconfiamos do preconceito que define as religiões primitivas como religiões de angústia e as religiões dos povos civilizados como morais.
Todas as simbioses existem mas a religião-moral predomina onde a vida social atinge um nível superior. Estes dois tipos de religião traduzem uma ideia de Deus pela imaginação do homem. Somente indivíduos particularmente ricos, comunidades particularmente sublimes se esforçam por ultrapassar esta experiência religiosa.
Todos, no entanto, podem atingir a religião em um último grau, raramente acessível em sua pureza total. Dou a isto o nome de religiosidade cósmica e não posso falar dela com facilidade já que se trata de uma noção muito nova, à qual não corresponde conceito algum de um Deus antropomórfico.
O ser experimenta o nada das aspirações e vontades humanas, descobre a ordem e a perfeição onde o mundo da natureza corresponde ao mundo do pensamento.r a totalidade do Ente como um todo perfeitamente inteligível.
Notam-se exemplos desta religião cósmica nos primeiros momentos da evolução em alguns salmos de Davi ou em alguns profetas. Em grau infinitamente mais elevado, o budismo organiza os dados do cosmos, que os maravilhosos textos de Schopenhauer nos ensinaram a decifrar segundo Einstein . Ora, os gênios-religiosos de todos os tempos se distinguiram por esta religiosidade ante o cosmos.
Ela não tem dogmas nem Deus concebido à imagem do homem, portanto nenhuma Igreja
ensina a religião cósmica. Temos também a impressão de que os hereges de todos os tempos da história humana se nutriam com esta forma superior de religião.
Contudo, seus contemporâneos muitas vezes os tinham por suspeitos de ateísmo, e às vezes, também, de santidade. Considerados deste ponto de vista, homens como Demócrito, Francisco de Assis, Spinoza se assemelham profundamente. Como poderá comunicar-se de homem a homem esta religiosidade, uma vez que não pode chegar a nenhum conceito determinado de Deus, a nenhuma teologia? Para mim, o papel mais importante da arte e da ciência consiste em despertar e manter desperto o sentimento dela naqueles que lhe estão abertos.
Estamos começando a conceber a relação entre a ciência e a religião de um modo totalmente diferente da concepção clássica. A interpretação histórica considera adversários irreconciliáveis ciência e religião, por uma razão fácil de ser percebida. Aquele que está convencido de que a lei causal rege todo acontecimento não pode absolutamente encarar a ideia de um ser a intervir no processo cósmico, que lhe permita refletir seriamente sobre a hipótese da causalidade.
Não pode encontrar um lugar para um Deus a angústia, nem mesmo para uma religião social ou moral: de modo algum pode conceber um Deus que recompensa e castigaensina a religião cósmica. Temos também a impressão de que os hereges de todos os tempos da história humana se nutriam com esta forma superior de religião. Contudo, seus contemporâneos muitas vezes os tinham por suspeitos de ateísmo, e às vezes, também, de santidade. Considerados deste ponto de vista, homens como Demócrito, Francisco de Assis, Spinoza se assemelham profundamente. Como poderá comunicar-se de homem a homem esta religiosidade, uma vez que não pode chegar a nenhum conceito determinado de Deus, a nenhuma teologia? Para mim, o papel mais importante da arte e da ciência consiste em despertar e manter desperto o sentimento dela naqueles que lhe estão abertos. Estamos começando a conceber a relação entre a ciência e a religião de um modo totalmente diferente da concepção clássica. A interpretação histórica considera adversários irreconciliáveis ciência e religião, por uma razão fácil de ser percebida. Aquele que está convencido de que a lei causal rege todo acontecimento não pode absolutamente encarar a idéia de um ser a intervir no processo cósmico, que lhe permita refletir seriamente sobre a hipótese da causalidade. Não pode encontrar um lugar para um Deus-angústia, nem mesmo para uma religião social ou moral: de modo algum pode conceber um Deus que recompensa e castiga, já que o homem age segundo leis rigorosas internas e externas, que lhe proíbem rejeitar a responsabilidade sobre a hipótese-Deus, do mesmo modo que um objeto inanimado é irresponsável por seus movimentos. Por este motivo, a ciência foi acusada de prejudicar a moral. Coisa absolutamente injustificável. E como o comportamento moral do homem se fundamenta eficazmente sobre a simpatia ou os compromissos sociais, de modo algum implica uma base religiosa. A condição dos homens seria lastimável se tivessem de ser domados pelo medo do castigo ou pela esperança de uma recompensa depois da morte. É portanto compreensível que as Igrejas tenham, em todos os tempos, combatido a Ciência e perseguido seus adeptos. Mas eu afirmo com todo o vigor que a religião cósmica é o móvel mais poderoso e mais generoso da pesquisa científica. Somente aquele que pode avaliar os gigantescos esforços e, antes de tudo, a paixão sem os quais as criações intelectuais científicas inovadoras não existiriam, pode pesar a força do sentimento, único a criar um trabalho totalmente desligado da vida prática. Que confiança profunda na inteligibilidade da arquitetura do mundo e que vontade de compreender, nem que seja uma parcela minúscula da inteligência a se desvendar no mundo, devia animar Kepler e Newton para que tenham podido explicar os mecanismos da mecânica celeste, por um trabalho solitário de muitos anos. Aquele que só conhece a pesquisa científica por seus efeitos práticos vê depressa demais e incompletamente
a mentalidade de homens que, rodeados de contemporâneos céticos, indicaram caminhos aos indivíduos que pensavam como eles.
Ora, eles estão dispersos no tempo e no espaço, já que o homem age segundo leis rigorosas internas e externas, que lhe proíbem rejeitar a responsabilidade sobre a hipótese-Deus, do mesmo modo que um objeto inanimado é irresponsável por seus movimentos.
Por este motivo, a ciência foi acusada de prejudicar a moral. Coisa absolutamente injustificável. E como o comportamento moral do homem se fundamenta eficazmente sobre a simpatia ou os compromissos sociais, de modo algum implica uma base religiosa. A condição dos homens seria lastimável se tivessem de ser domados pelo medo do castigo ou pela esperança de uma recompensa depois da morte. É portanto compreensível que as Igrejas tenham, em todos os tempos, combatido a Ciência e perseguido seus adeptos. Mas eu afirmo com todo o vigor que a religião cósmica é o móvel mais poderoso e mais generoso da pesquisa científica. Somente aquele que pode avaliar os gigantescos esforços e, antes de tudo, a paixão sem os quais as criações intelectuais científicas inovadoras não existiriam, pode pesar a força do sentimento, único a criar um trabalho totalmente desligado da vida prática. Que confiança profunda na inteligibilidade da arquitetura do mundo e que vontade de compreender, nem que seja uma parcela minúscula da inteligência a se desvendar no mundo, devia animar Kepler e Newton para que tenham podido explicar os mecanismos da mecânica celeste, por um trabalho solitário de muitos anos. Aquele que só conhece a pesquisa científica por seus efeitos práticos vê depressa demais e incompletamente
a mentalidade de homens que, rodeados de contemporâneos céticos, indicaram caminhos aos indivíduos que pensavam como eles. Ora, eles estão dispersos no tempo e no espaço. Aquele que devotou sua vida a idênticas finalidades é o único a possuir uma imaginação compreensiva destes homens, daquilo que os anima, lhes insufla a força de conservar seu ideal, apesar de inúmeros malogros.
A religiosidade cósmica prodigaliza tais forças. Um contemporâneo declarava, não sem razão, que em nossa época, instalada no materialismo, reconhece-se nos sábios escrupulosamente honestos os únicos espíritos profundamente religiosos. Um pouco sobre  Albert Einstein.

DEUS LUTA POR ISRAEL A Guerra dos Seis Dias 1967


Naquele tempo, os egípcios serão como mulheres, e tremerão, e temerão por causa do movimento da mão do Senhor dos Exércitos, porque ela se há de mover contra eles. E a terra de Judá será um espanto para o Egito (Is 19.16,17).
Embora a O NU tenha determinado a partilha da Palestina em dois Estados — Israel e Jordânia — os judeus tiveram de garantir o seu direito de propriedade da terra às suas próprias custas. A guerra começou no dia da partida dos britânicos, 14 de maio de 1948, e mais uma vez o pequeno "Davi" teve de defrontar- se com o "gigante Golias". Poucos
acreditavam que o novo Estado durasse duas semanas. Como poderiam setecentos mil judeus, mal armados, proteger cidades desguarnecidas contra mais de trinta milhões de ferozes inimigos equipados com o mais moderno material bélico? Conta se, que os comandantes árabes já escolhiam as casas de Tel-Aviv que pretendiam ocupar. Às tropas foram prometidos os despojos da guerra: mulheres e produto do saque.
Mas nada disso aconteceu.
 Logo tornou-se evidente que na realidade os kibutzim (fazendas coletivas] estavam muito bem colocados, pois formavam uma cadeia de fortins na periferia de Israel. Os acampamentos da fronteiras dividiram-se para uma ação final.
As crianças foram enviadas ao interior do país. Os colonos cavaram redutos subterrâneos [...] Uma história clássica de defesa é a de Negba, no caminho egípcio, no Negueve. O novo kibutz não passava de uma fileira de cabanas à volta de uma torre para água feita de concreto armado, em pleno deserto [...] Foi construída uma completa fortaleza subterrânea, com cozinha, casamatas e um hospital; assessorado por um médicos e quatro enfermeiras.
Totalmente cercados pelo inimigo estava Israel, abastecidos apenas pelos "Piper Cubs", todos os edifícios da superfície arrasados, os defensores de Negba resistiram durante meses e saíram vitoriosos.
Seis mil bombas caíram sobre Negb em um único dia, antes do ataque, na madrugada de 2 de junho, quando apareceram sete tanques egípcios, seguidos por sete carros blindados e dois mil homens. Um par de"Spitfires" tripulados por árabes roncavam sobre suas cabeças; um deles foi abatido a tiros de fuzil. Esperando que os tanques chegassem a uma distância de 200 jardas, os colonos ali habitantes acionaram sua única bazuca.
O primeiro tiro pôs um tanque fora de combate.
 Dois tiros se perderam não atingiram alvos.
Os dois tiros restantes atingiram um tanque cada.
Um outro tanque, a cinco jardas dos defensores, atingidos por granadas de mão explodiu.
Dois outros bateram em minas e explodiram também.
 O último fugiu.
Chegou então a infantaria, e a batalha durou cinco horas.
As perdas foram pesadas, mas Negba agüentou firme.
Os colonos saíam à noite arrastando-se para regar suas mudas. Sua resistência ultrapassou os limites da bravura. Isto foi explicado na frase de guerra "ein brayra" que significa "não há escolha". Os judeus não tinham para onde bater em retirada.
Batidos vergonhosamente em todas as frentes de batalha pelo minúsculo mas heróico povo israelita, os países árabes consolavam-se uns aos outros dizendo que haviam perdido a batalha, mas não a guerra. 
Esta, realmente, transferiu-se dos campos da Palestina para as tribunas das organizações internacionais, de onde a nova nação judaica foi alvo das maiores intrigas e ameaças por parte dos seus inimigos feridos e humilhados.
Acreditando na feroz ameaça de seus irmãos de sangue, muitos árabes residentes em Israel, ao iniciar-se o conflito de 1948, abandonaram o país para que os judeus fossem varridos do mapa. e exterminados.
 Porém, como tal não ocorreu, esses deslocados foram mantidos fora de Israel para fins de propaganda política. Confinados numa área designada pelas Nações Unidas, os refugiados foram alimentados diuturnamente por uma ardilosa campanha anti-semítica e explorados ao máximo pelos inimigos do Estado judeu.
Nasser, o coronel egípcio que se rendeu em 1948 no mesmo local onde Golias caiu diante de Davi, apoderou-se do governo do Egito e tentou unir o seu povo pelo ódio aos judeus, como fizera Hitler na Alemanha.
 Ele instigou seus irmãos refugiados, e desses campos grupos assassinos treinados, chamados fedayrrí, foram enviados ao território de Israel para destruir e matar. Enquanto se multiplicavam os atentados à soberania do novo Estado e à vida de seus cidadãos, agravava-se a guerra fria.
As potências mundiais, extremamente dependentes dos recursos petrolíferos da Mesopotâmia, deixaram-se envolver cada vez mais no problema palestino, sugerindo soluções para a paz e ao mesmo tempo procurando consolidar sua influência na região, através de vasto fornecimento de modernos equipamentos militares.
 Dessa maneira, a situação na Terra Santa transformou-se num perigoso barri! de pólvora. 
Em 1956, todo o ódio árabe, alimentado dia a dia desde 1948, transbordou. Nasser apoderou-se do canal de Suez e ameaçou Israel. Já por diversas vezes gritara ele que haveria de vingar sua derrota de 1948, empurrando os judeus até o mar.
 Mas o primeiro-ministro Ben-Gurion resolveu atacar primeiro, numa rápida e fulminante campanha. E os israelenses, comandados por Moshe Dayan, limparam o Sinai, localizando e destruindo as bases inimigas, onde encontraram vastos depósitos de armas russas.
Seis dias de muita glória
As derrotas de 1948 e 1956 não bastaram para que os povos árabes aceitassem a realidade inegável da existência de Israel como nação e de sua firme determinação de manter a independência do país mesmo às custas de enormes sacrifícios.
Armados pelas grandes potências e estimulados por seus governos belicosos, os árabes, liderados pelo ditador egípcio Gamai Abdel Nasser, planejaram e tentaram, em junho de 1967, a destruição do Estado judeu recém criado.
 Foram seis dias de medo e apreensão em todo o mundo, de terrível surpresa e humilhação para os invasores e de grandes e inesquecíveis glórias para a jovem nação israelense. Em 26 de maio de 1967, Nasser assustou o mundo com uma arrogante ameaça:
 "Nosso objetivo básico é destruir Israel". Falava na qualidade de comandante supremo das numerosas e bem armadas forças árabes. Mas os seus ambiciosos intentos, perfeitamente praticáveis do ponto de vista da lógica humana, não foram alcançados.
Os soldados judeus, constituindo talvez o mais eficiente exército do mundo, enfrentaram heroicamente os inimigos em uma grande e sangrenta batalha, destroçaram por completo o seu moderníssimo equipamento bélico e ampliaram, para quase quatro vezes, o território de seu país.
Os prejuízos sofridos pelos árabes, em preciosas vidas humanas e em caríssimo armamento, foram deveras impressionantes. Nos seis dias de guerra a baixa foi de,  dez mil egípcios, 15 mil jordanianos e milhares de sírios, iraquianos e combatentes de outros países.
 Somente o Egito perdeu quatrocentos aviões, seiscentos tanques e milhares de peças de artilharia, munições, armas leves e veículos, superando o valor de um bilhão e meio de dólares! Em toda a guerra apenas setecentos soldados judeus perderam a vida.
Como a maioria das guerras, a de junho de 1967 foi conseqüência de estimativas mal feitas por vários dos implicados.
Se houve alguma responsabilidade pelas grandes perdas infligidas aos árabes, ela é inteiramente dos soviéticos. Foram os soviéticos que incitaram os árabes a movimentos perigosos.
Como resultado de mais esse confronto bélico, Jerusalém passou inteiramente para o domínio israelita no dia 8 de junho.
A sua reunificação pôs termo a uma série de restrições impostas pelas autoridades jordanianas aos cristãos, como:
1. proibindo a aquisição de terras na cidade ou em seus arredores;
 2. obrigando os membros da Irmandade do Santo Sepulcro a se tornarem cidadãos jordanianos, sendo eles gregos desde o sexto século;
3. exigindo dos cristãos a guarda dos dias de repouso semanal dos muçulmanos;
4.abolindo as isenções de impostos a que tinham direito as instituições cristãs.
Sob o domínio israelense, Jerusalém tornou-se uma cidade aberta, onde há liberdade de culto para todas as religiões, e onde o progresso está presente em todos os setores de sua vida. A cada ano, um número cada vez maior de turistas visitam a cidade.
 Sua população fixa, que era de 165 mil em 1948 e de apenas 261 mil em 1967, subiu para perto de quinhentos mil em 1999, considerando-se toda a área da Grande Jerusalém.
O empenho do governo em proteger os lugares sagrados de Jerusalém pode ser notado em uma lei aprovada em 27 de junho de 1967, segundo a qual os santos lugares seriam protegidos contra qualquer violação, assim como contra qualquer intento de dificultar aos membros das diversas religiões a liberdade de acesso aos lugares que lhes são sagrados ou pelos quais sentem veneração. A profanação dos santos lugares seria punida com até sete anos de prisão.
Tanto antes como durante a Guerra dos Seis Dias, a então União Soviética empenhou-se vigorosamente pela vitória árabe. Aos inimigos de Israel ela forneceu armas e munições em abundância, orientou o seu uso e finalmente empurrou-os para o desastre. Mas a União Soviética não esperava a derrocada de seus aliados e protegidos, e teve de suportar vergonhosamente essa dura realidade.
Moral e psicologicamente, ela também sofreu o revés da guerra. "Proibido para judeus"
Em decorrência da gigantesca campanha empreendida pelos aliados dos países árabes após a derrota destes em 1967, com o fim de obrigar os judeus a um recuo em suas fronteiras de segurança, o jornalista norte-americano Eric Hoffer publicou o seguinte artigo no Los Angeles Times:
Os judeus são um povo singular: coisas permitidas a outras nações são proibidas aos judeus.
 Outras nações expulsam milhares de pessoas e ninguém fala de um problema de refugiados. A Rússia o fez; a Polônia e a Checosiováquia também; a Turquia expulsou um milhão de franceses; a Indonésia mandou embora não se sabe exatamente quantos chineses. E ninguém disse uma palavra sobre refugiados.
 Mas no caso de Israel, os árabes deslocados tornaram-se eternos refugiados.Todo o mundo insiste em que Israel deve trazer de volta cada árabe. Arnold Toynbee considera o deslocamento dos árabes uma atrocidade maior do que as que foram cometidas pelos nazistas. Outras nações, quando vitoriosas no campo de batalha, ditam os termos da paz.
Mas quando Israel vence, deve clamar pela paz. Todo mundo espera que os judeus sejam os únicos verdadeiros cristãos deste mundo.
Outras nações, quando derrotadas, sobrevivem e se recuperam. Mas se Israel tivesse sido derrotada, teria sido destruída e varrida do mapa. Se Nasser tivesse vencido em junho do ano passado [1967], ele teria varrido Israel do mapa e ninguém teria levantado um dedo para salvar os judeus. Nenhum compromisso dos judeus com qualquer governo, incluindo-se o dos Estados Unidos, valeu o papel em que foi escrito.
Há uma grita geral em todo o mundo contra o ultraje quando pessoas são mortas no Vietnã ou quando dois negros são executados na Rodésia.Mas quando Hitler assassinou os judeus ninguém protestou. Os suecos, que estão prontos a romper relações com os Estados Unidos por aquilo que é feito no Vietnã, não se mexeram quando Hitler assassinava judeus. Mandaram para Hitler minério de ferro da melhor qualidade, além de rolamentos, e abasteceram seus trens de tropas que se dirigiam para o Noroeste. Os judeus estão sozinhos no mundo. Se Israel sobreviver será exclusivamente por causa dos esforços judeus. E dos recursos judeus [,..]21
Pela sua eloqüência, a opinião de Eric Hoffer dispensa comentários e expressa uma realidade que já não pode ser negada. Israel precisa viver! Mas acerca desse isolamento de Israel, escreveu um jornalista judeu:
No curto período de nossa história nacional, nós nos acostumamos à idéia de que estamos mais ou menos isolados dentro da família das nações. Tão logo a cortina se ergueu, os ingleses' nos traíram, por uma questão de tradição; depois, foram os russos que passaram para o outro lado do corredor; os franceses nos jogaram um embargo nas costas assim que sentiram uma inebriante aragem de petróleo bruto; e os alemães esfriaram consideravelmente, tão
DEUS LUTA POR ISRAEL 69
logo compreenderam as vantagens inerentes à derrota militar. Quem mais? U Thant nos odiou até a medula dos nossos ossos desde o princípio, por causa de nossas pequenas dimensões, e quanto aos nossos amigos norte-americanos, o ardor deles arrefece assim que as eleições presidenciais se encerram. [...] E agora só nos restam os judeus do mundo.22
Assombro e milagre
As espetaculares vitórias dos judeus têm sido um assombro para o mundo. Como pode uma pequena nação, habitada por menos de três milhões de pessoas, levar à bancarrota nada menos que 14 países aliados, com uma população superior a cem milhões? Nenhuma resposta, fora da Bíblia Sagrada, pode satisfazer plenamente a razão humana.
A Palavra de Deus fala com uma clareza meridiana dos últimos sucessos israelenses no Oriente Médio: E os plantarei na sua terra, e não serão mais arrancados da sua terra que lhes dei, diz o Senhor, teu Deus [Am 9.15], Naquele tempo, os egípcios serão como mulheres, e tremerão, e temerão por causa do movimento da mão do Senhor dos Exércitos, porque ela se há de mover contra eles.
 E a terra de Judá será um espanto para o Egito; todo aquele a quem isso se anunciar se assombrará, por causa do propósito do Senhor dos Exércitos, do que determinou contra eles [Is 19.16,17].
Nesses dois textos, a Palavra de Deus afirma que os judeus seriam plantados na sua terra, de onde não seriam mais arrancados, e que os egípcios seriam como mulheres diante de Israel. Quão à risca essas palavras têm sido
cumpridas! O medo dos soldados egípcios diante do exército israelense tem sido tão grande que, muitas vezes, os judeus não encontraram a mínima resistência. Antes da Guerra dos Seis Dias, em 1967, o otimismo dos árabes era evidente e se manifestava nos discursos de seus chefes.Nasser,discursando a 29 de maio daquele ano, portanto uma semana antes do início do conflito, afirmou solenemente:
O povo árabe tem que lutar. Esperamos o dia propício para estar plenamente preparados. Agora nos sentimos bastante fortes e, se entrarmos na batalha contra Israel, Deus nos ajudará e haveremos de triunfar. Com esta certeza decidimos dar os passos atuais.23
"Atingimos o estágio crucial da guerra", alardeava a rádio do Cairo. A rádio de Amã advertiu os israelenses: "É melhor fugir agora, enquanto não chegamos. Vocês sabem como os árabes exercem a sua vingança. Vocês serão todos mortos; portanto, é melhor abandonar o país agora, enquanto ainda há tempo".24
Nada disso ocorreu. Aluf Shlomo Goren, principal capelão do exército israelita, redigiu uma prece para os soldados judeus recitarem antes dos combates, baseada em passagens bíblicas:
Ouve, ó Israel, hoje vos achegais à peleja contra os vossos inimigos; que se não amoleça o vosso coração; não temais nem tremais, nem vos aterrorizeis diante deles; pois o Senhor vosso Deus é quem vai convosco, a pelejar contra os que pelejam contra mim.
 Pega do escudo e da rodela, e levanta-te em minha ajuda. Porque eis que teus inimigos se alvoroçam, e os que te aborrecem levantaram a cabeça. Astutamente formam conselho contra o teu povo, e conspiram contra os teus protegidos.
Os judeus foram vitoriosos e muitos voltaram do campo de batalha convertidos e relatando os milagres que tinham visto com os próprios olhos. Um jornal cristão de Jerusalém publicou alguns desses milagres, salientando que, de maneira estranha e inexplicável, centenas de tanques e canhões inimigos nem sequer chegaram a entrar em ação; muitos aviões de combate egípcios não estavam preparados, apesar do alerta total; o radar não funcionava devidamente e, por vezes, o alarme dos ataques aéreos só era ouvido quando as fortalezas voadoras de Israel já haviam atingido os seus objetivos e regressavam ilesas às suas bases.
Muitos soldados contaram que, em situações difíceis, quando já não havia nenhuma possibilidade de sobrevivência,"um varão de branco apareceu por alguns segundos entre as fileiras, e os egípcios, tomados de repentino assombro, fugiram em debandada". Alguns paraquedistas que partiram com a missão de desalojar o inimigo de uma posição estratégica chegaram ao local como turistas, porque os egípcios fugiram sem disparar um só tiro se quer!
Em Sharm-el-Sheik, dois páraquedistas israelenses depararam-se com um enorme tanque egípcio do qual sobressaíam as cabeças de dois soldados.
"Por que será que eles não nos matam disseram para si mesmos?"
 Pensei. "Ou será uma emboscada?
Mas por que fazer uma emboscada, se nos vêem perfeitamente?"
O meu companheiro e eu nos movíamos vagarosamente, cuidadosamente, em direção ao tanque — mas os dois soldados que o tripulavam não se mexiam; pareciam rígidos.
"O que será?
Que aconteceu?"
 Contamos 18 soldados egípcios dentro daquele tanque, e todos estavam vivos e com saúde — e todos eles levantaram as suas armas em rendição a nós!
O tanque estava cheio de armas, canhões carregados e prontos a semear a morte e a destruição. Perguntamos aos soldados por que é que não disparavam. 
"Não podemos explicar", responderam eles. "Quando vimos os soldados israelitas, as nossas mãos ficaram paralisadas — não pudemos mover os dedos — e um medo terrível se apossou de nós. E é só.
O jovem judeu Abraham Eliezer, cristão evangélico, que serviu nessa guerra, testifica:
Antes da Guerra dos Seis Dias, um homem idoso andava pelas ruas de Jerusalém predizendo exatamente o que se iria passar e o dia em que o conflito principiaria. Ele declarou que o Deus de Israel está vivo e que prometeu estar com o seu povo durante a batalha.
A profecia cumpriu-se literalmente.
Deus lutou por Israel na Guerra dos Seis Dias, pois de outra forma nunca poderíamos vencer, tal a desproporção dos exércitos em cena. Depois da guerra, alguns dos meus companheiros disseram-me que as nossas forças haviam avançado com tanta rapidez, em determinada zona, que tomaram um campo de aviação egípcio na península do Sinai, antes de os aliados árabes telefonarem para o campo oferecendo aviões de combate argelinos.
 O nosso oficial respondeu em egípcio, permitindo a aterragem dos aviões.
 Todos eles foram imediatamente capturados.
 O mais interessante — continua Abraham Eliezer — ocorreu na campanha do Sinai com os militares egípcios feitos prisioneiros. Perguntamos a um veterano de guerra egípcio por que motivo desistiram eles com tanta facilidade. Respondeu-nos que tanto ele como seus companheiros tinham visto anjos ao lado dos israelitas.
 Verdadeiramente Deus interveio em defesa da minúscula nação israelense.
A respeito dos inúmeros aparecimentos de objetos voadores não identificados [óvnis], por ocasião das batalhas entre judeus e árabes na Palestina, não deixa de interessar a afirmação de Robert Barry, chefe da divisão de divulgação e diretor do escritório sobre óvnis, num programa de rádio de Yoe, Pensilvânia, EUA, sob o título'A invencibilidade de Israel e dos óvnis":
Deus e seus óvnis, dirigidos por anjos pilotos, ajudaram Israel na vitória sobre os árabes nas quatro guerras de 1947,1956,1967 e 1973.
De fato, a imprensa divulgou que, durante as guerras árabe-israelenses, grande número desses estranhos objetos foram observados no ar, provocando o pânico entre as tropas árabes. Barry conta que mil soldados egípcios se entregaram a cem opositores porque se viram rodeados por milhares de israelenses e por dez tanques.
Os milagres realmente aconteceram no Oriente Médio, em razão da presença ali do povo de Israel. Mesmo não aceitando a informação de que os óvnis realmente existam e sejam pilotados por anjos, temos de reconhecer que houve, de fato, a ocorrência de coisas espantosas em favor dos israelitas, facilitando-lhes as vitórias em todos os campos de batalha. O fortalecimento e florescimento de Israel é hoje uma realidade incontestável e assinala, como o relógio de Deus, a proximidade da vinda de jesus.
Deus guerreou por Israel
E na guerra do Yom Kipur [Dia do Perdão] não aconteceu diferente. Mesmo atacados de surpresa, os judeus assumiram o controle completo da situação, e quase se apoderaram do Egito, não fosse o cessar fogo decretado às pressas pelas Nações Unidas, por insistência do próprio Egito e de seus aliados.
Segundo cálculos do Instituto Estratégico Internacional, sediado em Londres, egípcios e sírios perderam nessa guerra o total de 22 mil homens, tendo o Egito 15 mil mortos e 45 mil feridos, e a Síria, sete mil mortos e 21 mil feridos.
Israel teve 2.812 mortos e 7.500 feridos. A mesma fonte dá conta de que os sírios empregaram entre novecentos e 1.200 tanques e cerca de 45 mil homens contra um destacamento israelense de apenas 4.500 homens e 180 tanques no Golã! Na frente egípcia, a Linha Barlev tinha seiscentos homens apoiados por uma brigada motorizada e cerca de 240 tanques.
As perdas em tanques foram, para os lados: oitocentos israelenses, 650 egípcios e seiscentos sírios. E em aviões: 106 israelenses, 185 sírios e 230 egípcios. Outra fonte informou que, nessa guerra, o Egito lançou setecentos mil homens na batalha, assessorados por 2.500 tanques, 650 aviões e 150 baterias de mísseis antiaéreos.
E, apesar de todo esse gigantesco aparato militar, foram duramente batidos. Levando em conta todo o esforço bélico dos árabes e mais o fator surpresa, muita gente afirmou que só um milagre poderia salvar Israel. E o milagre aconteceu.
 O surpreendente resultado dessa e de outras guerras entre árabes e israelenses não pode ser atribuído somente ao treinamento rigoroso dos batalhões e à eficiência das armas de Israel.
A expansão territorial
A instalação de várias colônias judaicas nos territórios ocupados por Israel, nas últimas guerras, vem trazendo complicações internacionais certamente já previstas pelo governo israelense, pois está sendo considerada uma afronta aos planos de paz na região só poder ser “discutida" após o recuo do Estado judeu às suas linhas demarcatórias de 1948. Israel defende a necessidade de fronteiras seguras para seu país e suas últimas mudanças políticas vie
ram reforçar ainda mais essa posição. Atraiçoado várias vezes por seus vizinhos, abandonado por seus aliados e mais de uma vez deixado à sua própria sorte pelos organismos internacionais, o país hebreu sabe dos riscos que corre e por isso mesmo age segundo o seu próprio critério de segurança. Mas existe outro aspecto do problema palestino, quase sempre desconhecido e negligenciado pelas grandes potências: a escatologia bíblica. Em realidade, a Bíblia não é compulsada pelos políticos em busca de uma resposta aos mistérios que envolvem a descendência de Abraão. Como justificar a sobrevivência desse povo perseguido durante tantos séculos e o seu retorno à Terra Santa, senão pela ação de um Deus eterno? E, para tornar em fato histórico o que prometeu, Deus se serve até mesmo dos inimigos do seu povo, como aconteceu após a Segunda Grande Guerra. A União Soviética, tradicional opressora de três milhões de judeus radicados em seu território, movimentou- se diplomaticamente pela criação do Estado judeu na Palestina, e esse Estado nasceu num só dia, 29 de novembro de 1947, por deliberação da Assembléia Geral da O NU, presidida pelo chanceler brasileiro Osvaldo Aranha.
Cumpria-se Isaías 66.8:"Pode, acaso, nascer uma terra num só dia?"[ARA].
 Como é sabido, a intenção russa na ocasião era a de estabelecer no Oriente Médio uma base de influência via Israel, mas foi frustrada. Então voltou-se para os árabes, armou-os e os empurrou para sucessivas guerras contra os judeus, resultando na ampliação territorial destes em prejuízo daqueles. O povo judeu, amado por Deus por causa das promessas, nunca mais será arrancado da sua terra.
Mas a colonização israelita dos territórios tomados aos árabes não deve ser encarada apenas do ponto de vista da segurança do país judaico, pois tem raízes na profecia bíblica.
A terra dada por Deus aos filhos de ísraei nunca foi por estes ocupada em toda a sua plenitude. Ela é ainda mais extensa do que a atual área sob o domínio israelense, conforme Deuteronômio 1.7.
A Palavra de Deus não falha!

FALAMOS SOBRE A SEGUNDA VINDA DE CRISTO. O MILENIO NO FINAL DOS TEMPOS? SALVAÇÃO DA ALMA? DESCOBRINDO SOBRE A ETERNIDADE. VEJA AQUI DOCUMENTÁRIOS.PLAYBACKS