WhatsApp

Translate

O SER HUMANO PODE IR PARA O CÉU?

Novo céu e nova terra

Ao Bíblia resume os homens e mulheres como obra rebelde, corrupta e perdida, cuja única chance de salvação está no próprio Criador.
 Paulo aos Romanos,descreve o Evangelho de Cristo assim;
Ele evidencia para seus leitores, logo de início, a situação de perdição irrestrita e completa de todas as pessoas, homens e mulheres, crianças e velhos.
Todos estão condenados por Deus por terem dentro de si os germes da corrupção, da rebelião, do pecado.
 Paulo inicia seu argumento com uma frase forte: “porque não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus.” Logo em seguida, parte para demonstrar a primeira parte do seu argumento. Todos são merecedores da ira divina, ira que se revela do céu (1.18).
O que significaria essa expressão?
 É um castigo presente contra o pecado, a impiedade e a perversão.
 A ira de Deus, que se revelará diretamente no juízo final, já está agora se manifestando aos pecadores. De que maneira?
Ao entregar os pecadores aos seus próprios pecados, ao Príncipe deste Mundo, à morte e às doenças. Ao contrário da mensagem de alguns otimistas, o ser humano não evoluiu.
 Na verdade, involuiu. Saiu da presença da glória de Deus para a situação mais miserável possível. Ele involuiu da nobreza santa para a iniqüidade plena.
Numa leitura mais panorâmica, podemos ver as razões pelas quais Deus condenou toda a humanidade.
Primeiro, por suprimir a verdade de Deus (1.18).
É o que fazem os grandes sistemas religiosos do mundo que, enquanto dizem conduzir a Deus, levam direto para a perdição.
Segundo, por ignorar a revelação de Deus (1.19).
Deus revelou-se a toda a humanidade. Exatamente por isso ninguém pode dizer, diante do julgamento divino, que não conheceu Deus. Terceiro, por perverter a glória de Deus (1.21-23).
 A conseqüência - castigo de Deus - veio em forma de abandono.
Deus abandonou o homem à sua própria sujeira.
Abandonou-o à fornicação (1.24s), à perversão sexual (1.26s) e a um estilo de vida depravado (1.28s).
 Da presente passagem eu tiro algumas lições que gostaria de compartilhar com você:
 Você deve ter orgulho do Evangelho de Cristo, pois ele é poderoso.
Quer prova maior do seu poder do que a transformação da sua vida?
Olhe em volta e veja quantas pessoas tiveram suas vidas transformadas pelo poder do Evangelho. Traficantes de drogas transformam-se em proclamadores da graça de Jesus, prostitutas em respeitáveis divulgadoras do Evangelho, ladrões em zelosos praticantes da Lei de Deus, homossexuais em honrados defensores da moral divina. Só mesmo o Evangelho pode transformar uma vida. Evangelho de Cristo é justo.
É a expressão máxima da justiça de Deus.
Ao mesmo tempo em que demonstra a condenação, aponta a salvação.
 Isso sem distinção. Sejam ricos ou pobres, feios ou bonitos, magros ou gordos, brasileiros ou estrangeiros.
 Contemplar o ser humano como a passagem descreve não é pessimismo ou melancolia.
É realismo.
 Esta visão deve provocar em nós duas coisas: gratidão a Deus pelo que ele fez por nós e desejo de proclamar o Evangelho, como Paulo proclamou, para que Deus continue salvando pessoas, libertando-as da situação miserável e irremediável em que se encontram.
A imoralidade da sociedade contemporânea não é fruto dos novos tempos.
É conseqüência natural do pecado humano.
Nossos pais diziam que no passado a imoralidade era menor. Como os corações dos homens nunca deixaram de ser imorais, o que era diferente era a visibilidade dessa corrupção. A corrupção existia, mas de uma forma mais camuflada.
O homossexualismo sempre existiu, apesar de nos nossos dias ele ter se transformado até numa bandeira política.
A idolatria sempre existiu, apesar de em nossos dias ela ter assumido um status de ciência respeitável, como o esoterismo ou o espiritismo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Responderemos a todos sempre que necessário.Obrigado pela visita ao site.

Como Será Os últimos Dias ? A Vinda De Cristo.

Várias expressões na Bíblia Aponta para os tempos finais desse sistema antes da volta de Jesus. Muitas vezes chamamos de os últimos dias, úl...