WhatsApp

Kit 5 Tenis Masculino Da Polo Open Original

Translate

O CAMPO DE BATALHA DO ARMAGEDOM TERÁ O FORMATO DE UMA CRUZ

O CAMPO DE BATALHADO ARMAGEDOM TERÁ O FORMATO DE UMA CRUZ

Posição Geográfica onde se Dará a Batalha Geograficamente, o campo de batalha que será ocupado por Cristo e seus exércitos "naquele grande dia do Deus Todo poderoso" terá "o formato de uma cruz". 
Ele não somente se refere à famosa planície de Armagedom, mas compreenderá
toda a parte sul da Terra Santa, atingindo as antigas fronteiras de Edom e se estendendo até o monte Siriom no extremo norte. 
Esta extensão representa a parte vertical da cruz. 
Uma linha reta iniciada em Haifa, cidade portuária do Mediterrâneo, cruzando o vale de Jezreel propriamente dito e passando do lado sul do mar da Galileia, e daí seguindo para o território da Jordânia, num paralelo imaginário do rio Jarmuque, ocupando o antigo território de Decápolis, que nos tempos remotos quando Israel entrou em Canaã era ocupado pela terra de Gileade, do outro lado do Jordão, o que indica a parte transversal da cruz. 
Ao que parece, segundo nos é revelado nas Escrituras, e que a última grande batalha do grande dia do Deus Todo-poderoso se estenderá para além de Armagedom, ou vale de Megido. 
Armagedom parece ser apenas o local em que as tropas se reunirão vindas dos diversos cantos da terra, e de lá a batalha se alastrará por toda a Palestina. 
O profeta Joel fala dessa grande batalha se estendendo até o vale de Josafá, que fica próximo de Jerusalém, e Isaías mostra o Senhor Jesus vindo com as vestimentas manchadas de sangue "de Edom", que fica ao sul da Palestina. 
Então a batalha de Armagedom se estenderá desde o vale de Megido, no norte e oeste da Palestina, através do vale de Josafá, próximo de Jerusalém, até Edom no extremo sul da Palestina. Mais precisamente,
esta batalha se iniciará no extremo sul e depois seguirá com grande mortandade para o extremo norte da Terra Santa.
A Arregimentação das Hostes para o Combate Em Apocalipse 19.11-16.
Observamos a arregimentação dos exércitos celestiais sob o comando de Cristo para o sombrio combate. 
João o descreve da seguinte forma: 
"E vi o céu aberto, e eis um cavalo branco.
 O que estava assentado sobre ele chama-se Fiel e Verdadeiro e julga e peleja com justiça. E os seus olhos eram como chama de fogo; e sobre a sua cabeça havia muitos diademas; e tinha um nome escrito que ninguém sabia, senão ele mesmo. E estava vestido de uma veste salpicada de sangue, e o nome pelo qual se chama é a Palavra de Deus.
 E seguiam-no os exércitos que há no céu em cavalos brancos e vestidos de linho fino, branco e puro. 
E da sua boca saía uma aguda espada, para ferir com ela as nações; e ele as regerá com vara de ferro e ele mesmo é o que pisa o lagar do vinho do furor e da ira do Deus Todo poderoso. 
E na veste e na sua coxa tem escrito este nome: Rei dos reis e Senhor dos senhores". 
Vários pontos que aqui estão em foco devem ser analisados, para identificação daquele que cavalga um cavalo branco.
1- Um cavalo branco e seu cavaleiro. 
Não devemos confundir o cavaleiro que aqui está em foco com aquele que se encontra mencionado no capítulo 6 de Apocalipse, por várias razões:
• Ali, apenas "um cavalo branco"; aqui, muitos cavalos brancos;
• Ali, o cavaleiro é citado solitário em sua missão; aqui, o cavaleiro é seguido de um poderoso exército;
• Ali, a arma do cavaleiro é um arco; aqui, é uma espada afiada;
• Ali, ele recebeu uma coroa; aqui, o cavaleiro tem muitos diademas;
• Ali, o cavaleiro é visto na terra; aqui, o cavaleiro é visto no
céu;
• Ali, o cavaleiro é anônimo; aqui, o cavaleiro tem vários nomes;
• Ali, o cavaleiro saiu vitorioso e para vencer; aqui, o cavaleiro é vitorioso em sua totalidade. 
Evidentemente, fica claro que o cavaleiro do capítulo 6 refere-se ao Anticristo, procurando com o manto que usa implantar sua falsa paz no mundo, enquanto o cavaleiro do capítulo 19 refere-se a Cristo, que "cavalga prosperamente, pela causa da verdade, da mansidão, e da justiça".
Ele Tinha um nome misterioso.
Neste trecho são mencionados vários nomes de Cristo:
• Chama-se Fiel e Verdadeiro;
• Tinha um nome escrito que ninguém sabia ler;
• Chama-se a Palavra de Deus;
• Rei dos reis e Senhor dos senhores.
Entre estes nomes, o que mais chama a nossa atenção é seu nome misterioso. 
Este nome de Cristo não é conhecido pela imaginação humana. Boca alguma (com exceção da boca de Deus e do Espírito Santo) jamais o pronunciou! Talvez seja ele o novo nome que sua noiva receberá por ocasião de suas bodas na recâmara celestial.
 Os seus olhos eram como chamas de fogo. 
O mesmo é dito a respeito de Cristo em Apocalipse 1.14. 
Estes olhos como chamas de fogo falam da onisciência de Cristo, ou seja, do seu saber. Contudo, há outras passagens nas Escrituras que falam da sua onipresença e da sua onipotência. Estes atributos naturais e outros, que são estudados em Teodiceia, ou Teologia Natural, giram em torno da onipotência divina. Ninguém pode saber tudo, se não possuir todo o poder. 
De igual modo, ninguém pode estar presente em todos os lugares, se não possuir todo o poder. Mas em Cristo habitam todos estes atributos. 
NEle habita toda a plenitude da divindade conforme (Colossenses 1.19).
Sobre a sua cabeça havia muitos diademas. 
Estes diademas falam de todas as vitórias de Cristo, mas especialmente de sua dignidade real. Cristo é o Rei de Salem, que "julga e peleja com justiça". Seus exércitos são compostos de anjos e dos
santos que foram arrebatados vejam bem e confiram virá com todos os santos com Ele. 
Eles apenas virão em sua companhia para honrá-lo e adorá-lo!
Não será preciso que suas hostes lutem nesta peleja sombria, que vai além da imaginação humana. Cristo fará a batalha sozinho, como sozinho consumou a obra da redenção. E, aqui, Ele pode dizer: "Eu sozinho pisei no lagar" conforme (Isaías 63.3)
Toda a força inimiga será derribada por terra e para cada vitória que a Ele for atribuída, será recebido um diadema real como sinal de autoridade suprema e vitória.
 Estava vestido com uma veste salpicada de sangue. 
Aqui não está em foco o sangue do Cordeiro que fora vertido na cruz. Não é o dia da salvação que está tendo lugar aqui nesta seção; ele se refere ao sangue de seus inimigos, no dia da vingança. Isto é respondido pelo próprio Cristo a uma pergunta feita por um ser que não é identificado ao guerreiro
vingador (Deus?), que diz: 
"Por que está vermelha a tua vestidura? 
E as tuas vestes, como as daquele que pisa uvas no lagar? 
Eu sozinho pisei no lagar, e dos povos ninguém se achava comigo; e os pisei na minha ira e os esmaguei no meu furor; e o seu sangue salpicou as minhas vestes, e manchei toda a minha vestidura"conforme palavra profética em (Is 63.2,3).
 Ele mesmo é o que pisa o lagar. 
A primeira ação de Cristo nesta conquista é o aniquilamento do Anticristo, com seu falso profeta e seus seguidores. Depois, Ele se voltará para o grande dragão vermelho, o inimigo de Deus e dos homens, e
ordenará a um anjo de grande poder (Miguel?) que efetue sua prisão e o lance no abismo. 
Finalmente, Cristo aniquilará
todo o império, toda potestade e força. Todo passo aqui narrado fala da vitória de Cristo quando voltar à terra, com poder e grande glória, para destruir seus inimigos no Armagedom. Ali o lagar será pisado e o sangue de seus inimigos manchará suas vestiduras.
 Da sua boca saía uma aguda espada. 
Esta espada que sai da boca de Cristo é a Palavra de Deus. Em suas figuras e manifestações, esta palavra é:
• Espelho — poder revelador (Tg 1.23-25);
• Semente — poder gerador, vida, etc. (Lc 8.11; Jo 15.3; Tg 1.18);
• Agua — poder purificador (Jo 15.3; Ef 5.26);
• Lâmpada — poder iluminador (SI 119.105; 2 Pe 1.19);
• Martelo — poder esmiuçador e construtor (Jr 23.29);
• Ouro e vestimentas — poder enriquecedor e ornamentador (SI 19.10; Ap 3.17);• Leite, carne, pão e mel — poder alimentador e nutritivo (Jr 15.16; Mt 4.4; 1 Pe 2.2);
• Vida — as palavras da vida — que conduzem à salvação (Jo 5.24; 17.17);
• E finalmente, poder para a batalha. 
Na armadura divina que é usada pelo soldado da fé, a espada do Espírito é a Palavra de Deus (Ef 6.16; Hb 4.12; Ap 2.16; 19.15). 
O "assopro da sua boca" se transformará em golpes mortais que aniquilarão o Anticristo e suas hostes no dia da peleja e da guerra.
 Mil e Seiscentos Estádios
O livro de Apocalipse mostra-nos um manto de sangue cobrindo toda a extensão da Terra Santa. Também nos é dito que haverá uma grande mortandade ali naquele vale, dizendo: "
... O lagar foi pisado fora da cidade [Jerusalém], e saiu sangue do lagar até aos freios dos cavalos, pelo espaço de mil e seiscentos estádios" (Ap 14.20). 
Alguns comentaristas vêem este mar de sangue se estendendo e cobrindo toda a Palestina, pois 1600 estádios cobrem toda a extensão da Terra Santa, visto que se trata de medida de extensão e não de área. Na versão conforme The New American Bible (A Nova Bíblia Americana, ed. 1988), esta frase é traduzida por 200 milhas (tzvo hundred miles) — o que corresponde a cerca de 320 quilômetros. 
Um estádio era uma medida grega equivalente ao comprimento da pista do estádio de Olímpia, centro de competições atléticas igual a 185 metros.
Jerusalém, sem dúvida, será o centro de interesse durante a batalha do Armagedom, pois a Palavra de Deus diz: "... ajuntarei todas as nações para a peleja contra Jerusalém" (Zc 14.2). 
Devemos ter em mente que os juízos de Deus executados no Apocalipse mostram-nos a grande extensão deste conflito. A besta que saiu do mar procurou estender o seu poder no mar e na terra. 
Ao sair do mar, ela mostrou seu poderio sobre as nações gentílicas do mundo, que foram enganadas política e religiosamente, através de astúcias e falsas promessas por ela utilizadas, inspirada pelo grande
dragão vermelho. 
Após uma de suas cabeças ser curada de uma chaga mortal, ela maravilha toda a terra e passa também a conquistá-la (Ap 13.3). Neste contexto, Israel parece entrar em cena, pois a terra, nesta passagem, simbolicamente, é claro, pode representar a terra de Israel. Com efeito, porém, o poder do Cristo vitorioso será de infinito alcance! 
Em Apocalipse 10, Cristo é interpretado como sendo o anjo forte, que descia do céu vestido de uma nuvem, que ali está em foco! Ele pôs o seu "... pé direito sobre o mar, e o esquerdo sobre a terra" (v. 2). Com seu pé direito sobre o mar Mediterrâneo (Ocidente) e o esquerdo sobre a terra de Israel (Oriente), a face do anjo volta-se agora para o sul da Terra Santa, onde Cristo iniciará o grande combate na plenitude de seu poder. 
Ele, assim, mostra sua autoridade sobre o mar (as nações gentílicas) e sobre a terra (Israel).
 O Senhor Descerá ao Vale ao Amanhecer O termo "vale" encontra-se nas Escrituras com vários sentidos e significações especiais. 
1 - Com sentido geográfico. 
Este é, portanto, quase que o sentido geral. Por exemplo: "vale de Sidim" (Gn 14.10), "vale do
Filho de Hinom" (Js 15.8), "vale de Soreque" (Jz 16.4), etc.
2- Com sentido especial. 
O local passou a ter uma significação especial, pelo motivo de ali ter havido uma operação da parte de Deus em favor do seu povo. "Vale de Aijalom" (Js 10.12), "vale do carvalho" (1 Sm 21.9) e, no futuro, "o vale de Acor" (Is 65.10; Os 2.15).
3 -  Com sentido espiritual. 
"Vale da sombra da morte" (SI 23.4), "vale de Baca" (SI 84.6). 
4 - Com sentido profético. 
"Vale da matança" (Jr 19. 6), "vale de ossos secos" (Ez 37.1), "vale dos que passam ao oriente do mar" (Ez 39.11), "vale da multidão" (Ez 39.15), "vale de Josafá" (Jo 3.12), "vale da decisão" (Jo 3.14), "vale de Sitim" (Jo 3.18), "vale dos montes" (Zc 14.5), 
5 - "vale do Filho de Hinom". 
Este vale, em Josué 15.8 e 2 Reis 23.10 (onde o expressivo "Filho" de Hinom é substituído por "filhos" de Hinom), tem sentido geográfico; mas aqui, no texto em foco, tem sentido profético. 
O termo "Hinom" é também conhecido como "Geena". Era um vale profundo que ficava a sudoeste de Jerusalém.  Ali era depositado o lixo da cidade, onde havia fogo contínuo e um mau cheiro insuportável. 
Tornou-se, por esta e outras razões, uma figura do fogo do inferno, "onde o seu bicho não morre, e o fogo nunca se apaga" (Mc 9.44). E finalmente,
Este "vale" deve ser identificado como sendo o mesmo "vale de Megido", em Zacarias 12.11. 
Ele se refere à grande planície de Armagedom, que se estende do Jordão ao Mediterrâneo. Ali, o Senhor
descerá para sua sombria missão ao "amanhecer do dia"  mas a batalha somente terminará ao entardecer (Is 13.10; Zc 14.7). 
Logo, ao romper da aurora (hora local na Terra Santa), Deus ordenará a um anjo de grande poder que intervenha na batalha e este se colocará na parte frontal do sol para que o grande luzeiro de Deus à semelhança do dia de Josué na batalha de Gibeão  não apresente seu brilho total e não se apresse a pôr-se, dificultando assim a ação de seus inimigos (cf. Ap 19.17) .
Simultaneamente, Cristo, como um relâmpago, descerá sobre o monte das Oliveiras e tocará com seus pés o monte, que se partirá, impelido por uma força sobrenatural produzida pelo supremo poder do Filho de Deus. 
Tal acontecimento deixará atônito e em estado de choque a todos os inimigos de Cristo, pois os mesmos encontrarão-se concentrados em pontos estratégicos ao redor da cidade de Jerusalém, incluindo o monte das Oliveiras. 
Alguns deles, sem dúvida, perecerão nesta expansão do monte serão precipitados. Entretanto, muitos judeus que se encontravam cercados pelas tropas mortais do Anticristo fugirão pelo "vale" que foi produzido pelas manifestações sobrenaturais da presença do Senhor. 
Talvez as frases "... fugireis pelo vale dos meus montes (porque o vale dos montes chegará até Azei) e fugireis assim como fugistes do terremoto nos dias de Uzias, rei de Judá... " (Zc 14.5) se apliquem a este sentido. 
Dali, Cristo se deslocará para o campo de batalha com a rapidez da imaginação, onde chegará numa fração de segundo à região dos antigos nabateus. Ali, Ele iniciará sua grande conquista começando pela cidade de Bozra, no sul (Is 63.1). 
Algumas companhias de soldados pertencentes aos exércitos sombrios do Anticristo estarão ocupando esta região e serão por Cristo aniquiladas. João descreve tal acontecimento, dizendo: "E vi a besta, e os reis da terra, e os seus exércitos reunidos, para fazerem guerra àquele que estava assentado
sobre o cavalo e ao seu exército. 
E a besta foi presa e, com ela, o falso profeta, que, diante dela, fizera os sinais com que enganou os que receberam o sinal da besta e adoraram a sua imagem. Estes dois foram lançados vivos no ardente lago de fogo e de enxofre. E os demais foram mortos com a espada que saía da boca do que estava assentado sobre o cavalo, e todas as aves se fartaram das suas carnes" (Ap 19.19-21).
O chefe supremo destes exércitos (o Anticristo) e a besta que subiu da terra (o falso profeta) ficarão apavorados com a presença espantosa do Senhor e fugirão para a planície de Armagedom e ali serão aniquilados por Cristo da mesma maneira. 
Paulo falou também disso profeticamente, ao escrever aos tessalonicenses: 
"E, então, será revelado o iníquo, a quem o Senhor desfará pelo assopro da sua boca e aniquilará pelo esplendor da sua vinda" (cf. 2 Ts 2.8). Consolidada sua vitória na região ocupada outrora por "... Edom e Moabe, e as primícias dos filhos de Amom", Cristo agora seguirá em direção ao monte Hermom, no extremo norte da Palestina (SI 29.6).
 Quando Moisés e os filhos de Israel conquistaram a região norte da Palestina do poder dos amorreus, esta parte foi anexada ao território de Israel. "Daquém do Jordão, no vale defronte de Bete-Peor, na terra de Seom, rei dos amorreus, que habitava em Hesbom, a quem Moisés e os filhos de Israel feriram, havendo eles saído do Egito. 
E tomaram a sua terra em possessão, como também a terra de Ogue, rei de Basã, dois reis dos amorreus, que estavam daquém do Jordão, da banda do nascimento do sol; desde Aroer, que está à borda do ribeiro de Arnom, até ao monte Siom, que é Hermom, e toda a campina, daquém do Jordão, da banda do oriente,
até ao mar da campina, abaixo de Asdote-Pisga" (Dt 4.46-49).
Ogue e Siom foram dois inimigos mortais de Israel no passado. Ambos foram destruídos por Deus sob o comando de Moisés
e de Josué. Durante a Grande Tribulação, outras hordas do mal ali estarão concentradas, com o objetivo de impedir a vitória de Cristo, o Ungido do Senhor. Mas Deus os destruirá como destruiu aqueles que queriam obstruir a passagem do seu povo. 
Agora, Cristo será o guerreiro vingador e o profeta Isaías descreve, em termos de grande expectativa, sua trajetória, desde Bozra até ao monte Siom (Hermom) no dia da batalha. Ele se refere a tal acontecimento em duas partes de seu livro, assim: 
"Chegai-vos, nações, para ouvir; e vós, povos, escutai; ouça a terra, e a sua plenitude, o mundo e
tudo quanto produz. Porque a indignação do Senhor está sobre todas as nações, e o seu furor sobre todo o exército delas; ele as destruiu totalmente, entregou-as à matança. 
E os mortos serão arremessados, e do seu corpo subirá o mau cheiro; e com o seu sangue os montes se derreterão. E todo o exército dos céus se gastará, e os céus se enrolarão como um livro, e todo o seu exército cairá como cai a folha da vide e como cai o figo da figueira. 
Porque a minha espada se embriagou nos céus; eis que sobre Edom descerá e sobre o povo do
meu anátema, para exercer juízo. A espada do Senhor está cheia de sangue, está cheia da gordura de sangue de cordeiros e de bodes, da gordura dos rins de carneiros; porque o Senhor tem sacrifício em Bozra e grande matança na terra de Edom. 
E os unicórnios descerão com eles, e os bezerros, com os touros; e a sua terra beberá sangue até se
fartar, e o seu pó de gordura se encherá. Porque será o dia da vingança do Senhor, ano de retribuições, pela luta de  Sião" (Is 34.1-8). Mais adiante o profeta descreve novamente a trajetória de Cristo, passando por Edom, onde participa de uma sangrenta batalha. 
"Quem é este que vem de Edom, de Bozra, com vestes tintas? 
Este que é glorioso em sua vestidura, que marcha com a sua grande força? 
Eu, que falo em justiça, poderoso para salvar. Por que está vermelha a tua vestidura? 
E as tuas vestes, como as daquele que pisa as uvas no largar? 
Eu sozinho pisei no largar, e dos povos ninguém se achava comigo; e os pisei na minha ira e os esmaguei no meu furor; e o seu sangue salpicou as minhas vestes, e manchei toda a minha vestidura. Porque o dia da vingança estava no meu coração, e o ano dos meus redimidos é chegado.
E olhei, e não havia quem me ajudasse; e espantei-me de não haver quem me sustivesse; pelo que o meu braço me trouxe a salvação, e o meu furor me susteve. E pisei os povos na minha ira e os embriaguei no meu furor; e a sua força derribei por terra" (Is 63.1-6). 
Nestas passagens, que descrevem a grande carnificina do dia da batalha, vemos que são
usados alguns elementos que são descritos por João, em Apocalipse 14.14-20, que mencionam o mesmo acontecimento. A passagem de Cristo por Bozra sugere que o Anticristo havia feito desta antiga fortaleza um ponto de apoio ao seu governo sombrio. 
Bozra tem sido identificada com a moderna Buseireh, localizada no início do vadi Hamayideh, em uma escarpa isolada, cercada por três lados por profundos vales. Fica cerca de 48 quilômetros ao norte de Petra. Bozra, nos temposantigos, era a mais poderosa fortaleza do norte de Edom e conhecida por seus luxuosos palácios (Am 1.12). Deslocando suas tropas para o norte da Palestina, o Anticristo intentava, acreditamos, desviar o curso do rio Jordão para fora do território de Israel, ou obstruir suas nascentes. Não sabemos com certeza que tipo de interesse levará o Anticristo a deslocar uma parte de seu exército mortal para esta parte norte da Terra Santa. Atualmente, qualquer exército inimigo de Israel que aspira a esta região da Palestina está sempre visando a conquista das nascentes do Jordão. 
Talvez o
objetivo deste antagonista de Cristo seja a mesma coisa. O rio Jordão, como todos sabem, nasce de quatro riachos com
origem nas cordilheiras do monte Hermom, resultado do degelo dos picos acima. A partir de Banias (antiga Cesaréia de Filipo), segue em direção do mar da Galiléia. Desde sua nascente, que flui desde o cume coberto de neve do monte Hermom até as profundezas do mar Morto, seus desvios e curvas, num leito de 300 quilômetros de comprimento, cobrem uma distância de somente 100 quilômetros em linha reta. 
O Jordão Al Urdun (O descendente) merece este nome porque baixa de 1.000 metros de altura no monte Hermom para 430 metros abaixo do nível do mar Morto. Sua largura média é de 30 metros. O Jordão assemelha-se a uma serpente ondulante, transformando aquela distância em cerca de 300
(calcula-se também 325) quilômetros. 
Portanto, fertilizando assim toda a Terra Santa. Tomar suas nascentes — obstruir ou desviá-las para uma outra direção — seria, então, praticar um genocídio total contra o povo hebreu. Desde a antigüidade, os exércitos inimigos sempre procuravam tomar as fontes das águas que abasteciam as cidades ou povos que se encontravam em combates. 
Lemos muitas passagens nas Escrituras a este respeito (Jz 3.28; 7.24; 12.5); o
Anticristo, talvez, fomente em si o mesmo intento, procurando assim dificultar qualquer ação do povo de Deus. Quando Cristo ali chegar haverá manifestações sobrenaturais e o deserto começará a tremer. Toda a região norte da Palestina, que envolve parte de Israel, Síria, Líbano e o deserto de Cades à distância, sofrerá devastações de uma grande tempestade conforme palavra profética em  (SI 29). Cremos e as evidências apontam neste sentido que a necessidade de Cristo em passar por esta
região norte da Terra Santa é, sem dúvida, aniquilar o intento sombrio do Anticristo contra Deus e contra o seu povo através da extinção do rio Jordão ou o desvio de seu curso natural para um outro sentido oposto do atual.
O Monte das Oliveiras Será Fendido no Formato de uma Cruz.
O monte das Oliveiras está localizado ao leste de Jerusalém, do outro lado do vale de Cedrom. Cerca de 100 metros mais alto do que Jerusalém, do seu cume descobre-se uma magnífica vista da Cidade Velha e um impressionante panorama das colinas da Judeia até o mar Morto e as montanhas de Moabe, ao leste. 
O monte das Oliveiras é venerado pelos judeus e cristãos. Pelos judeus, por haverem sido sepultados ali, ao pé do monte no ribeiro de Cedrom, os profetas Ageu, Zacarias e Malaquias. Existe também ali o pilar de Absalão, admirado por filhos desobedientes aos pais e às mães. Nas encostas do monte das Oliveiras encontra-se o maior e o mais antigo cemitério judeu do mundo.
 Muitos judeus chegam a Jerusalém para ali morrer e serem sepultados perto do vale de Jeosafá onde, acredita-se, terão previlégios no  lugar a ressurreição e o Juízo Final.
Cristãos e muçulmanos compartilham da mesma crença e seus túmulos estão situados no lado ocidental do vale. 
Para os cristãos ele está associado aos mais importantes acontecimentos da vida de Cristo: 
Lá Ele ascendeu aos céus, predisse a destruição de Jerusalém. Para lá costumava ir para meditar e orar e, provavelmente, passava as noites sob as copas das árvores ou em cavernas, já que a cidade não era segura para Ele. Um dia, quando nosso Senhor ia para Jerusalém, quando chegou ao monte das Oliveiras, a multidão "... lançando sobre o jumentinho os seus vestidos, puseram Jesus em cima" e logo que ele viu a cidade "chorou sobre ela". 
A igreja de Dominus Flevit alegadamente marca o local onde Jesus chorou diante de Jerusalém. Ali também existe uma pedra que, segundo se crê, Jesus pisou a fim de montar melhor no jumentinho. Uma suposta pegada, deixada na pedra, foi preservada em uma igreja cristã, edificada no monte das
Oliveiras em 375 d.C. 
Esse santuário fora destruído, mas depois os cruzados restauraram-no. Um santuário islâmico, chamado Inbomon, também foi construído naquela área. O monte das Oliveiras e, um pouco mais abaixo, entre o ribeiro de Cedrom, na parte inferior do monte, está o jardim do Getsêmani. 
Estes lugares marcam a presença e os sofrimentos de Cristo quando esteve aqui neste mundo.
O jardim do Getsêmani é um dos mais impressionantes lugares da Terra Santa. Ele fica ao sopé do monte das Oliveiras e tem, hoje, a mesma aparência que tinha há 20 séculos. 
No lado oposto ao vale de Cedrom, cidades e civilizações se sucederam, mas este jardim conservou-se quase o mesmo dos tempos de Jesus e, talvez, com as mesmas oliveiras. João falou sobre ele como sendo um jardim do outro lado do ribeiro de Cedrom. Este era o lugar preferido de Jesus. João afirma que, quando Ele lembrou seus discípulos com respeito a sua morte, atravessou o ribeiro para o outro lado.
 "Tendo Jesus dito isso, saiu com os seus discípulos para além do ribeiro de Cedrom, onde havia um horto, no qual Ele entrou com os seus discípulos"conforme (Jo 18.1). Este é o jardim no qual Jesus, em sua última noite sobre a terra, passou a hora mais triste e angustiante de sua paixão; a hora em que, angustiado, escolheu sofrer e morrer na cruz, tomando sobre si todos os pecados da humanidade. 
Ali Ele orou três vezes ao Pai, dizendo estas palavras: 
"Pai, se queres, passa de mim este cálice; todavia, não se faça a minha vontade, mas a tua" (Lc 22.42). A este lugar chegou Judas com os servos do sumo sacerdote e entregou seu Mestre (Mt 26.47; Mc 14.44; Lc 22.47; Jo 18.2,3). Neste jardim, Jesus foi preso, arrastado e levado à casa de Caifás e condenado, no dia seguinte, à morte na cruz.
No jardim do Getsêmani quem passar vai contemplar, há cerca de 8 oliveiras cuja idade se perde no tempo. 
Alguns botânicos afirmam que elas poderiam ter 3.000 anos. 
Retornando à terra, porém, com poder e grande glória, para aniquilar o Anticristo na batalha do Armagedom, Cristo por ali passará, como que realizando uma espécie de visita nostálgica. O profeta Zacarias descreve o momento quando Cristo descerá à terra para seu grande triunfo contra as hostes do mal. 
Ele diz que o primeiro contato na Terra Santa será no monte das Oliveiras: 
"E o Senhor sairá [do céu?] e pelejará contra estas nações, como pelejou no dia da batalha. E, naquele dia, estarão os seus pés sobre o monte das Oliveiras, que está defronte de Jerusalém para o oriente; e o monte das Oliveiras será fendido pelo meio, para o oriente e para o ocidente, e haverá um vale muito grande; e metade do monte se apartará para o norte, e a outra metade dele, para o sul" (Zc 14.3,4). Devemos observar que o monte das Oliveiras será fendido em "quatro partes", assumindo assim o formato de uma cruz. Assim se diz: "... o monte das Oliveiras será fendido pelo meio, para o oriente e para o ocidente, e haverá um vale muito grande; e metade do monte se apartará para o norte, e a outra metade dele, para o sul". 
Podemos observar no texto em foco que as quatro direções cardeais são aqui mencionadas, logo será um buraco em cruz:
• O Oriente;
• O Ocidente;
• O Norte;
. O Sul.
Também nos é dito que ali "... haverá um vale muito grande". 
Este vale servirá de leito para o rio do milênio que terá sua nascente "debaixo do umbral da casa" do Senhor especialmente do lado direito do santuário conforme (Ez 47.1; J13.18)Esse rio logo adiante se dividirá em "dois canais" que seguirão direções diferentes:
a. O primeiro canal
 — Este seguirá em direção ao mar Oriental (mar Morto), formando um vale nas montanhas de Judá
(Zc 14.5) e ampliando as fontes de En-Gedi (fonte do cabrito) e En-Eglaim (fonte dos bezerros), que se encravam entre Hebrom e o mar Morto (Js 15.62; Ez 27.10), chegando até Asei na parte oriental do território de Judá (Zc 14.5). 
Estas correntes irão sarar as águas do mar Morto e darão lugar à criação de vidas marinhas e vegetativas conforme palvra profética em (Ez 47.8-10).
b. O segundo canal
 — O segundo canal seguirá em direção do mar Ocidental (mar Mediterrâneo), numa extensão de
cerca de 80 quilômetros (Zc 14.8). Estes dois canais fertilizarão toda a terra de Israel, de tal modo que a vida ali se tornará abundante e calma. Há também referência ao "vale de Sitim", segundo nos é dito que ele será "regado" por uma fonte que sairá da casa do Senhor (J1 3.18). 
O "vale de Sitim" tem sido identificado como sendo a garganta pela qual corre o Cedrom,
que nasce ao norte de Jerusalém. 
A ampliação miraculosa do vale de Cedrom criará também espaço para que ali o Senhor congregue "... todas as nações" que sobraram da batalha do Armagedom, e ali com elas entrará em juízo (J13.2; Mt
No entanto, outras localidades geográficas são mencionadas nesta batalha. 
Além do "vale de Jeosafá", já mencionado anteriormente, fala-se também do "vale dos que passam ao oriente do mar" (vale dos viajantes), vale este chamado pelo profeta de Deus como sendo "o vale da Multidão de Gogue" (Ez 39.11). 
Embora alguns estudiosos das profecias divinas não associem estes acontecimentos de Ezequiel com a mesma batalha do Armagedom  e, sim, com a invasão de Gogue à Terra Santa , "o vale dos que passam ao oriente do mar" pode ser identificado como sendo o mesmo "vale de Jeosafá", visto que era uma rota de saída de Jerusalém.
Posse da Terra Santa por Abraão Teve o Formato de uma Cruz.
Partindo de Harã (região norte) com destino à terra de Canaã, Abraão segue para o Oriente, depois para o Ocidente e finalmente para a banda do sul (Gn 12.5-9). 
Imaginariamente, isso desenha a linha vertical e os braços de uma cruz. Após o incidente que marcou a separação de Abraão e de seu sobrinho Ló, Deus faz novamente a renovação de sua promessa
para a conquista da terra de Canaã a Abraão, em forma de cruz, dizendo: "Levanta-te, percorre essa terra, no seu comprimento [norte a sul] e na sua largura [oriente a ocidente]; porque a ti a darei" (Gn 13.17.
 Isso tipificava a Igreja de nosso Senhor Jesus Cristo conquistando o mundo por meio de sua cruz, quer dizer, espalhando a mensagem de sua morte e ressurreição em todos os quatro cantos da terra.
7. Durante o Milênio as Orientações Cardeais Partirão do Templo do Senhor no Formato
de uma Cruz. Os capítulos 40 a 48 do livro de Ezequiel falam do Templo e de seus serviços religiosos durante a era milenial para rememorar o sacrifício supremo de Cristo. 
Também ali nos é dito que toda e qualquer orientação geográfica partirá do santuário de Deus. Estas dimensões orientativas assumirão o formato de uma cruz também vejam:
 São elas:
• Caminho do norte (Ez 40.44);
• Caminho do sul (Ez 40.45);
• Caminho do oriente (Ez 42.12);
• Caminho do ocidente (Ez 41.12).
Geograficamente, Jerusalém sempre esteve ligada pelos quatro pontos cardeais a toda a Palestina e aos países estrangeiros:
• Norte
 — Ao norte partiam os caminhos para Samaria, Galiléia, Fenícia, Síria e Mesopotâmia.
• Leste
 — Ao leste, desde as quatro portas orientais, convergiam os caminhos para Jerico e todo o vale do Jordão, bem como para as estradas da Transjordânia que levavam os viajantes para a Arábia, Síria e dali para os países do Golfo Pérsico, etc.
• Sul 
— Ao sul a cidade comunicava-se com Hebrom e Egito. Avista-se deste caminho a planície de Refaim, o sepulcro de Raquel, Belém e a cabeceira do vale de Elá.
• Oeste
 — A oeste ligava-se com Jope e os caminhos para a Filístia e Egito, bem como para a Fenícia, na direção norte.
Como a cruz de Cristo foi erigida em Jerusalém, ainda que fora de suas portas, isto significa que a cruz de nosso Senhor tornou-se o ponto central da história da salvação e também a base da orientação divina para a humanidade.
Os Três Anos do Ministério de Jesus Lembram as Trilhas de uma Cruz Olhando do Sul para o Norte da Terra Santa lâ parte: na Judéia
 — região sul e sudeste. 
A duração do ministério terreno de Cristo é calculado com base nas festas pascais de que Ele participou.  Ele iniciou seu ministério na véspera de uma Páscoa e morreu na véspera de uma outra,
tendo participado de duas mais. Temos, portanto, a Páscoa (Jo 2.11,13); Páscoa (Jo 5.1);
Páscoa (Jo 19.14).
 Outrossim, seu ministério foi exercido em três regiões diferentes: 8 meses na Judéia (região sul); 2 anos na Galiléia (região norte) e 4 meses na Peréia (região leste).
 Parte: na Galiléia
 — região norte.
 Depois de ter conquistado seus discípulos na região de Betábara, Jesus voltou à Galiléia, onde assistiu a uma festa de casamento (Jo 2.1-11). Daí, Jesus foi para Cafarnaum, cidade que ficava na curva
noroeste do mar da Galiléia (Jo 2.12). 
Seu ministério, nesta região norte, durou dois anos. 
A parte: na Peréia 
— Região leste. 
Mais ou menos em dezembro, Jesus desceu de Jerusalém, passando por Jerico, em direção ao vale do Jordão, a fim de levar seu ministério à Peréia, região situada a leste do rio. Terminando ali sua trajetória
nos primeiros dias de abril do ano 33 de sua vida, Ele voltou pela longa subida que conduzia do vale do Jordão a Betânia. 
Agora, suas viagens nesta terra estavam concluídas, porém elas demarcavam as trilhas de uma cruz em suas direções horizontal e vertical. Quando Cristo Morreu, sua Cruz Apontava para todas as Direções
Quando Cristo morreu, os braços da cruz se abriram. 
Eram os braços do perdão de Deus se abrindo para cada pessoa em qualquer época e em qualquer lugar. "Deus estava em Cristo [ali] reconciliando consigo o mundo, não lhes imputando os seus pecados...conforme" (2 Co 5.19). 
Ligado diretamente ao plano da salvação, são empregadas frases para expressar o significado do pensamento tanto no sentido coletivo como no particular. Uns vindo espontaneamente e outros fugindo:
Ia "E virão do Oriente, e do Ocidente, e do Norte, e do Sul e assentar-se-ão à mesa no Reino de Deus" (Lc 13.29);
 Os magos do Oriente (Mt 2.1);
 A rainha do Sul (Lc 11.31);
Os do Ocidente (Mt 8.11);
 Os do Norte (Jr 6.1).
Também podiam ser usadas frases semelhantes em sentido negativo, tais como:• O rei do Sul (Dn 11.40);
• O rei do Norte (Dn 11.40);
• Os reis do Oriente (Ap 16.12);
• Um bode (rei) que vinha do Ocidente (Dn 8.5,21).
Tal significação também é decantada na poesia. Os antigos tinham uma concepção de buscarem a Deus seguindo as direções cardeais, que se estendiam para o infinito. Jó escreveu este conceito em seu livro, dizendo:
 "Eis que, se me adianto [oriente], ali não está; se torno para trás [ocidente], não o percebo. Se opera à mão esquerda [norte], não o vejo; encobre-se à mão direita [sul], e não o diviso" (Jó 23.8,9).
A Batalha do Armagedom propriamente Dita
Para os habitantes do planeta Terra e até mesmo para os cristãos, qualquer batalha que se sucedeu depois do Apocalipse de João ter sido escrito por volta do ano 96 d.C., pensava-se que se tratava da Guerra do Armagedom. 
Quando a Primeira Guerra Mundial foi deflagrada (1914-1918), o mundo todo cria cegamente que era chegado o momento da batalha final. De igual modo, quando foi deflagrada a Segunda Guerra Mundial (1939-1945) novamente as pessoas voltaram a pensar na mesma coisa, ou seja, que era chegado o fim de todas as coisas. 
Atualmente, espera-se também uma Terceira Guerra Mundial.
 — Com o uso de armas atômicas com poder de destruição muito maior, que será também denominada guerra do Armagedom. Vemos que outras guerras têm acontecido e outras acontecerão antes da guerra do Armagedom, sem contudo ser o Armagedom mormente, porque, antes da Guerra do Armagedom, surgirá no cenário mundial o Anticristo, o homem do pecado, oferecendo falsas promessas, soluções para todos os problemas do mundo. 
No entanto, o cenário de tal profecia parece cada vez mais próximo de nossos dias, tendo, por fim, o seu cumprimento logo após o arrebata-mento da Igreja (1 Jo 4.3). Da mesma forma, isso "... não será assim sem que antes venha a apostasia e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição, o qual se opõe e se levanta contra tudo o que se chama Deus ou se adora...
" Somente então, após o arrebatamento da Igreja, "... será revelado o iníquo, a quem o Senhor desfará pelo assopro da sua boca e aniquilará pelo esplendor da sua vinda" (2 Ts 2.3,4,8). Com o arrebatamento da Igreja aqui deste mundo para o céu, abrir-se-á caminho para a manifestação do "homem do
pecado, o filho da perdição".
 Este, numa revolta contra Deus e contra o seu Ungido, intentará aniquilar o povo judeu, e, por extensão, "... os que guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus Cristo" (Ap 12.17). 
Esta perseguição contra o povo escolhido fará com que o Senhor Jesus tome em suas mãos a vingança, como sendo "um guerreiro vingador", e se manifestará "... desde o céu, com os anjos do seu poder, como labareda de fogo, tomando vingança dos que não conhecem a Deus e dos que não obedecem ao evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo; os quais, por castigo, padecerão eterna perdição, ante a face do Senhor e a glória do seu poder" (2 Ts 1.7-9). 
Estas palavras do apóstolo Paulo aos crentes de Tessalônica são confirmadas em Apocalipse 19.19-21, que diz: "E vi a besta, e os reis da terra, e os seus exércitos reunidos, para fazerem guerra àquele que estava assentado sobre o cavalo e ao seu exército. 
E a besta foi presa e, com ela, o falso profeta, que, diante dela, fizera os sinais com que enganou os que receberam o sinal da besta e adoraram a sua imagem. Estes dois foram lançados vivos no ardente lago de fogo e de enxofre. E os demais foram mortos com a espada que saía da boca do que estava assentado sobre o cavalo, e todas as aves se fartaram das suas carnes". 
Esta manifestação de Cristo neste combate contra as hostes do Anticristo será, portanto, denominado de "o Armagedom". Batalha esta que terá lugar no final da Grande Tribulação, que culminará com o retorno de Cristo à terra com poder e grande glória.
 A Batalha do Armagedom como uma Colheita.
O Armagedom será uma espécie de colheita, o que já tivemos a oportunidade de descrever em outras notas expositivas, pelo que o simbolismo da colheita é empregado em várias passagens das Escrituras que mencionam este grande
acontecimento. O termo "Armagedom" veio a ser aplicado a qualquer guerra ou batalha de grande força destruidora, mas,
biblicamente, refere-se somente à batalha decisiva daquele "grande dia do Deus Todo-poderoso". Limitado pelos montes da Galiléia ao norte e as colinas da Samaria ao sul, o vale de Jezreel é o mais amplo vale de Israel. Ele tem o formato de um triângulo isósceles, cuja base é de aproximadamente 3 quilômetros, e seus lados têm cerca de 22 quilômetros, formando assim o desenho de uma cruz em sua parte superior. 
Desde tempos antigos até hoje, ele é famoso por sua fertilidade e é conhecido atualmente como "Celeiro de Israel".
Em virtude de sua fertilidade e posição estratégica, este vale foi cenário de inúmeras lutas e combates da antiguidade. Nele, hebreus, cananeus, midianitas, sírios, egípcios, assírios, babilônios, gregos, romanos, árabes, cruzados, turcos e, finalmente, os ingleses comandados por Allenby, durante a Primeira Guerra Mundial, lutaram em seu solo. 
Profeticamente, talvez o escritor sagrado do Apocalipse tivesse isso em mente, e comparou a grande mortandade ali como sendo "uma espécie de colheita". João Batista, o precursor de nosso Senhor, apresenta-o no cenário mundial como aquEle que tem em sua mão uma "pá". 
"Ele tem a pá na sua mão [disse João], e limpará a sua eira, e ajuntará o trigo no seu celeiro, mas
queimará a palha com fogo que nunca se apaga" (Lc 3.17), ênfase do autor). 
E curioso observar que a "pá" é mencionada nas Escrituras, não só como ferramenta de trabalho, mas também em conexão com a guerra (Dt 23.13), e de igual modo a foice (Joel 3.9-13). João, o apóstolo, descreve o Filho do Homem como tendo na mão uma "foice afiada", dizendo: "E olhei, e
eis uma nuvem branca e, assentado sobre a nuvem, um semelhante ao Filho do Homem, que tinha sobre a cabeça uma coroa de ouro e, na mão, uma foice aguda" (Ap 14.14). Em Apocalipse 14.14-19, duas foices são mencionadas sete vezes, e em quatro delas nos é dito que estão "afiadas" (Apoc. 14,17,18).
A literatura antiga utiliza-se da colheita como figura simbólica da morte e da destruição. A morte geralmente é personificada como sendo um esqueleto que brande sua foice. Será uma colheita amarga. Contudo, ela será feita de acordo com a semeadura! (G1 6.7,8) .
A localização geográfica do Armagedom tem sido aceita como sendo toda a planície de Asdraelom,
que se estende desde o monte Tabor até o Mediterrâneo. Porém, essa grande batalha estender-se-á por toda a Terra Santa. 
Os intérpretes oferecem vários sentidos para a palavra "Armagedom", não chegando, portanto, a um consenso geral. Alguns pensam que o vocábulo significa "monte de Megido", outros, "cidade de Megido", outros, "monte da assembléia" e, ainda outros, "sua colina frutífera".
 O termo "Armagedom" é registrado apenas uma única vez nas Escrituras, em Apocalipse 16.16, que diz: "E os congregaram no lugar que em hebreu se chama Armagedom". Em
Apocalipse 14.10,20, este local é mencionado como sendo "um lagar" — lugar conhecido pelos vinhateiros da Palestina como "lugar de pisar uvas amadurecidas". Tal expressão, de acordo com o significado do pensamento, tornou-se também um nome profético de Armagedom.
A palavra origina-se também de uma raiz hebraica, ["Há-Magedon"], que significa "derrubar, matar, cortar, decepar, ou lugar de mortandade", e é o que Megido sempre foi. 
O Dr. J. A Seiss diz que a palavra "Megido" significa também "abater o alto", talvez pelo motivo de que a cidade de Megido fica encravada numa elevação acima do vale de Jezreel. Seja como for, esta palavra, em sua forma de expressão, sempre remete a um sentido de mortandade. 
Para muitos comentaristas, o monte Tabor também deve fazer parte neste contexto profético. Nele, pensam alguns, nosso Senhor Jesus falou da volta do Filho do Homem e da chegada de seu Reino com poder, o que o serviria de elo a todos os acontecimentos ligados ao
Armagedom. 
O monte Tabor eleva-se a uma altura de 588 metros, dominando a planície que se estende a seus pés. Achase a cerca de 630 metros acima do nível do mar e é o mais pitoresco e impressionante monte da Galiléia. Davi canta em louvor a Deus dizendo que "o Norte e o Sul, tu os criaste; o Tabor e o Hermom regozijam-se em teu nome" (SI 89.12).
Tal expressão, ligando o Tabor com o Hermom, deve ligar tanto um como o outro na categoria de "alto monte" da Terram Santa. 
Para o salmista, a força e beleza destas montanhas são testemunho do Criador.
Na antiguidade, o Tabor servia de fronteira entre as tribos do norte e as do sul. Ele era considerado sagrado por Israel, por ter sido testemunha da glória de Deus manifestada na importante vitória de Baraque, predita pela profetisa Débora, sobre o exército cananeu de Sísera (Jz 4.6). 
A aldeia árabe aos pés do monte é chamada "Daburieh", em honra à profetisa Débora. Também para os cristãos o monte Tabor é um lugar santo, pois foi escolhido por Jesus para ser o local da sua
transfiguração (Lc 9.28-36). 
O cume do monte Tabor tem 1 quilômetro de comprimento por cerca de 400 metros de largura e é rodeado pelos restos de uma fortaleza construída no século XIII pelos muçulmanos. Em 1924, os franciscanos edificaram ali uma igreja, a Igreja da Transfiguração, incorporando à nova construção os restos das igrejas anteriores.
Além dos vestígios da igreja bizantina do século VI e da igreja cruzada do século XII há, ainda, ruínas de antigas fortalezas e mosteiros. Do topo do monte descortina-se uma esplêndida vista de quase toda a região. O Anticristo aproveitar-se-á de todas as elevações naturais tanto da Terra Santa como de outras partes do mundo para que nelas sejam instaladas suas bases de guerras, cuja finalidade é o apoio incondicional a seu poderio destruidor.
Portanto, não é vão que Deus removerá todos os montes e ilhas de seus lugares, cuja operação sobrenatural desarticulará todo e qualquer sistema montado pelo Anticristo e seus seguidores. Neles se cumprirá o que está escrito da parte do Senhor pelo profeta Isaías: 
"... a saraiva varrerá o refúgio da mentira, e as águas cobrirão o esconderijo" (Is 28.17). A operação divina será enviada contra aqueles que se refugiaram nas falsas promessas do Anticristo e contra as forças do mal. 
O juízo será regrado pela linha, e a justiça pelo prumo. Ninguém escapará, porque a varredura de Deus dar-se-á como uma espécie de manto de fogo abrasador, de sorte que lhes não deixará nem raiz nem ramo, e aquele que escapar com vida, tão somente ouvir tal notícia causará grande perturbação em seu coração (Is 28.19). 
 A Cidade de Megido: 
Como Era antes e como É atualmente.
Devemos ter em mente que as expressões anteriores tomadas para descrever e dar significado ao Armagedom não se referem precisamente ao vale de Armagedom, mas sim à "cidade de Megido". Quando Israel conquistou Canaã, a cidade de Megido era uma fortaleza cananéia de grande poder militar. 
Também com o sentido de fortaleza e cidade, a frase ocorre em outras partes das Escrituras, tais como: "... às águas de Megido" (Jz 5.19). Outro sentido pode ser o de um vale, propriamente dito: "... vale de Megido" (2 Cr 35.22; cf. Zc 11.11). 
A antiga cidade de Megido, não a planície, está localizada no lado sul do vale de Jezreel, onde o "Caminho do Mar" (Via Maris) deixa a planície e passa através de um longo e estreito desfiladeiro, continuando na direção da planície Sharon, pelo litoral. 
A cidade está estrategicamente situada na abertura deste desfiladeiro, que era a principal via de comunicação que ligava o Egito e o sul com a Síria e o norte. O desfiladeiro é, portanto, passagem obrigatória, e Megido, um ponto estratégico, tanto para os povos que se estendiam na
fértil costa do Mediterrâneo como para conquistadores ocidentais que invadiam o norte e o leste da Terra Santa. 
Os portões da cidade foram testemunhas de muitas batalhas. 
No tempo do reinado de Jorão, filho de Acabe, havia um ponto de espionagem chamado "torre de Jezreel", onde ficava o "atalaia" observando qualquer aproximação de exércitos inimigos (2 Rs 9.17). Alguns comentaristas têm até pensado que, por causa disso, "Armagedom" significa: "torre de vigia" e ainda outros, "lugar de mortandade".
Entre 1935 e 1939, Megido foi escavada pelo Instituto Oriental da Universidade de Chicago. As escavações, cobrindo uma área de 13 acres, revelaram as ruínas de 20 cidades superpostas, cada uma delas representada por uma camada de ruínas distintas. Atualmente, novos dados arqueológicos revelaram cerca de 23 ruínas de cidades superpostas. O vale do Armagedom,
como relatado por João em sua visão apocalíptica, será o cenário do golpe final desferido por Cristo sobre o Anticristo e suas hostes. 
A besta e os seus exércitos, apavorados com as manifestações sobrenaturais pela presença espantosa do
Senhor, deixarão Jerusalém e irão para aquele vale, procurando reunir-se e organizar-se "... para fazerem guerra àquele que estava assentado sobre o cavalo e ao seu exército". 
O apóstolo João menciona ainda o local: "E os congregaram no
lugar que em hebreu se chama Armagedom" (Ap 16.16). Ele diz que esta convocação foi orientada por "três espíritos imundos, semelhantes a rãs", durante o derramamento da "sexta taça". "E o sexto anjo derramou a sua taça sobre o grande rio Eufrates; e a sua água secou-se, para que se preparasse o caminho dos reis do Oriente. 
E da boca do dragão, e da boca da besta, e da boca do falso profeta vi saírem três espíritos imundos, semelhantes a rãs, porque são espíritos de
demônios, que fazem prodígios; os quais vão ao encontro dos reis de todo o mundo para os congregar para a batalha,
naquele grande Dia do Deus Todo-poderoso" (Ap 16.12-14). Estas hostes do mal incitarão as hordas asiáticas (os reis do
Oriente), os quais se ajuntarão com (os reis de todo o mundo),"... para os congregar para a batalha, naquele grande Dia do Deus Todo-poderoso... e os congregaram no lugar que em hebreu se chama Armagedom" (Ap 16.14,16). A primeira ação poderosa de Cristo ali é a prisão da besta e de seu falso profeta. João descreve este momento da seguinte forma: 
"E a besta foi presa e, com ela, o falso profeta, que, diante dela, fizera os sinais com que enganou os que receberam o sinal da besta e adoraram a sua imagem. Estes dois foram lançados vivos no ardente lago de fogo e de enxofre" (Ap 19.20). Para Jesus, sua vitória final, ali naquele vale, torna-se bastante significativa. 
Nazaré, onde Ele passou sua infância e juventude, está situada na Baixa Galiléia, cerca de 15 quilômetros ao norte da planície de Armagedom. Ali, em Nazaré, seus pais nasceram e viveram, e ali Ele fora criado. Armagedom era a primeira paisagem contemplada por Jesus quando os raios matinais estendiam-se como uma espécie de manto cobrindo a Terra Santa. 
Evidentemente, naquele grande dia, Cristo relembrará todo aquele quadro vivido em sua infância naquela região.
Porém, sua volta a esta terra se dará de maneira diferente; não mais como uma criança indefesa, mas com poder e grande glória.
Estudos proféticoi interessantes é fruto de pesquisas bíblicas e históricas..







Nenhum comentário:

Postar um comentário

Responderemos a todos sempre que necessário.Obrigado pela visita ao site.

O Crente Pode Se Vestir Como Quiser? Não haverá traje de homem na mulher, e nem vestirá o homem roupa de mulher; porque, qualquer que faz isto, abominação é ao Senhor teu Deus. Deuteronômio 22:5

Quando lemos passagens como esta percebemos que Deus queria realmente proteger a sua criação de tomar rumos aos quais Ele não aprovaria. E ...